Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

27
Jul15

[O teu olhar] Fazer anos.

Carolina Cruz

24. Débora Marco.jpg

 

Fazer anos é uma virtude, é também festejar a vida que se vive, é agradecer a Deus por mais um dia.
Festejar mais um ano não é envelhecer, é somar vitórias, derrotas e sobretudo histórias para contar. É ter mais sabedoria que outrora.
É ter a certeza na palma da mão, mesmo não se tendo na verdade. No entanto, quando festejamos o que nos fez ser, sempre surge a crença na mudança, aquela que também está nas nossas mãos.

 

 

(Foto da autoria de Débora Marco do blog maravilhoso Heidiland.)

26
Jul15

[Dia Mundial dos Avós]

Carolina Cruz

20141231_121941.jpg

 

Preciso de me sentar junto a ti avôzinho, relembrar o branco do teu cabelo, o azul dos teus olhos e a garra feita de brincar.
Tens ainda o dom de dominar a natureza e o rio que passa. A saudade vagueia no leito daquele rio, num sorriso mudo e num olhar calado.
Tomavas a verdade junto àquele copo de vinho, meio cheio, meio vazio.
Tu que carregavas todos os sonhos do mundo, hoje um deles é nosso e todos os dias em que me sento aqui, sento-me junto de ti, num abraço profundo com o tempo.

Que saudades (de ti) tenho. ♥

25
Jul15

[Simplicidades da vida] Dias longos

Carolina Cruz

10423971_249201618620404_4482113391707922026_n.jpg

 

 

Eu gosto dos dias que parecem não ter fim, quando o sol traz a energia que basta para sorrirmos, para sermos felizes.
Adoro os dias em que a noite demora a chegar e o calor abraça o que a vida tem de melhor, refrescando-nos com a água que parece trazer-nos o mundo numa brincadeira, apenas num momento tão cheio de bons sentimentos e sensações.
Não me canso de ser feliz se o sol estiver comigo, se puder adormecer ao quente, derretendo-me no frio da água que me encanta num jeito simples de se ser feliz e é aí que penso que é preciso tão pouco para sorrir. Vem sol, vem e sorri.

18
Jul15

[Ficção] Não serei mais um

Carolina Cruz

10487187_631691703643492_1556466968168709185_n.jpg

 

Laura dissera-me "Encontro-te logo à noite?".
Ela julga que serei mais um a cair nos seus braços, a desejar querê-la por mais um minuto e a partir na manhã seguinte.
Laura acha que serei mais um a quem ela magoa e também a quem prova que uma mulher também pode destroçar o coração de um homem, como com ela fizeram.
Mas... Eu? Não serei assim, não vou desistir, não vou querer ser mais um, mas sim aquele que lhe há-de provar que o seu jeito é para cuidar, eu serei aquele que há-de ficar.
Irei dizer-lhe que os homens também sentem, que os homens também choram, que hei-de cuidar dela como uma irmã, respeitá-la como amiga e amá-la como bom amante.
Eu chegarei nessa noite e permanecerei para toda a vida, porque não serei mais um, serei aquele que ela irá amar, no mais profundo de si, acreditando num mundo melhor.

 

 

 

 

Fonte da imagem: Facebook.

06
Jul15

Espero-te (sempre)

Carolina Cruz

1476349_180306782176555_410898091_n.jpg

 

 

A noite é calma, o luar é cego e eu sentada te espero. Como espero todos os dias da minha vida, como quero que sejam todos os que virão.
A saudade com que espero faz com que o sabor do reencontro seja doce como um beijo que é roubado, entregue com vontade de ser mais especial ainda que todos os outros, e especial no encontro das nossas almas, no encontro do desejo da noite calada que diz tanto.
As horas demoram a passar e o nosso costume é tornar o momento a eternidade, para que todos os dias te espere com novidade.

 

Fonte da imagem: Movie "Like Crazy"

05
Jul15

[Dar que pensar] A adversidade és tu.

Carolina Cruz

Hoje trago uma mensagem que inspira aqueles que se dizem incapazes de saltar barreiras quando os sonhos estão de baixo do nariz.
As adversidades, diz Paulo Azevedo, estão na nossa cabeça e cada vez mais acredito nisso. Somos nós que construímos as nossas oportunidades, e ao invés somos nós que não as alcançamos quando deixamos que o medo tome conta do que somos (ou do que não somos, na verdade).
Todos seremos capazes de alcançar até o impossível, se lutarmos.
Paulo Azevedo desafia-se a ele próprio todos os dias desafiando de alguma forma as mentalidades fechadas que ainda vivem sob o preconceito, as mesmas que não acreditam que seremos capazes se lutarmos.
Cada pessoa tem o seu tempo para construir a sua força, esperança ou fé mas se acreditar realmente em si e se for preserverante, então chegará onde a vista alcança.
Porque a diferença é o que somos, e "ser diferente não é sinónimo de inferior", senão todos seriamos inferiores porque, na verdade, somos todos diferentes e é isso que nos torna especiais: a nosso essência e os nossos sonhos, onde a única barreira que possa existir é mesmo deixar de sonhar.

 

Bom domingo! :)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D