Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

30
Nov16

Seguindo em frente

Carolina Cruz

todas as boas sensações.jpg

 

Todas as boas sensações estão presentes na tua vida, basta procurá-las no sítio certo.
Já pensaste que podes preocupar-te demais com o que não tem valor até mesmo com quem não merece?
Experimenta tomar um pouco de felicidade da vida, beber um copo com os amigos, segredar-lhes ao ouvido, rir até não poder mais, marcar momentos para a eternidade, tudo isso são boas causas para seguir em frente.
Seguindo em frente conseguirás encontrar quem te deseja tal e qual quanto tu, que te amará como jamais alguém te amou e então aí, aí perceberás o que te completa e quem realmente és, sentirás a vida na palma das mãos!

 

{Fotografia do filme "Love, Rosie"}

30
Nov16

[Completas-me] Com a Liz

Carolina Cruz

Hoje trago comigo, para uma escrita a duas mãos, a simpática Liz. Se não sabem quem é a Liz, acho que deviam tratar disso, porque é um amorzinho, das pessoas mais simpáticas que eu conheço pela blogosfera. Tratem de espreitar o seu cantinho "find equilibrium".
Quanto à história que nos apresenta é mesmo a sua forma de ser - doce - vamos conhecer? 'Bora lá então!

 

tumblr_mmlr6qx4yh1rlytaro1_500.jpg

 

"Hoje a cidade estava movimentada. Era dia de mercado pelas ruas e avenidas até ao final da noite. A minha rotina não tinha mudado muito, acordo, corro para o banho e tirei do guarda-roupa um vestido branco com florzinhas azuis, tomo o meu belíssimo pequeno-almoço de domingo e coloco Etta James no aparelho.
Não sei porquê, hoje em especial sentia-me bem. A minha alma estava fresca, o cabelo leve e apetecia-me abraçar o mundo. Estava indecisa o que iria fazer hoje. Arrumei a mala, coloquei a máquina fotográfica na mala, iPod e os fones. Telefonei a uma amiga e ainda demorou a atender. Só apenas à terceira tentativa reforcei que estava a precisar de sair de casa e divertir-me com ela.  
Fomos ao jardim secreto perto do rio, apanhamos rãs e vimos as libélulas a pousar nos arbustos. Saquei logo a máquina fotográfica e deixei a imaginação fluir. O sorriso e a boa disposição da minha amiga é contagiante, colocou ideias divertidas, nela, em mim, no espaço onde nos encontramos. A sensação desta companhia é tornar os momentos inesquecíveis, saber que nunca estamos e nem podemos nos sentir sozinhos na vida
O almoço foi delicioso, as fantásticas sanduiches, o sumo natural de manga e maracujá e o cheesecake de framboesa estava genial. Nunca saboreei desta maneira, cada toque amargo, doce, salgado e consistente de uma trinca. Vi o tempo passar fugazmente e a minha amiga teve que me abandonar e com muita pena minha, fui ao mercado sozinha.
Direcionei-me para os CD’s e livros. Estava pouca gente naquela banca, embora achasse estranho, podia estar a descobrir novos e antigos artigos à vontade. Os preços eram convidativos e Beatles estavam a olhar para mim. Num movimento rápido, virei-me para ir pagar e vejo um homem alto, moreno, vestido de branco e ganga e veio contra mim. As clavículas era familiares, a estrutura do rosto e o olhar. Reencontrei um amor perdido.
Cumprimentou-me, e eu envergonhada retribui com um beijo na cara. Foi o beijo mais singular que já lhe dei, as bocas já se encontraram mas não vejo voltar a acontecer. Insistiu em saber como estava, ofereceu-me o CD e um convite para um café. Já desesperava por um café mas com ele, não sabia como me sentir.
As pernas tremiam, estava ansiosa e gaguejava nas palavras. Ele punha-me nervosa, depois de um ano desencontrado. Nunca mais o procurei. Abandonou-me com um bilhete, fiquei magoada e houve alturas que me revoltava com os meus pensamentos. Não sabia o porquê mas também não tencionava tocar no assunto. A conversa estava simpática e não queria estragar tudo. Acabou o mestrado recentemente em Economia e Administração de Empresas, mudou de cidade, tem um novo projeto que ainda não quis contar e encontrava-se numas mini férias.
Já estava a anoitecer e as luzes pequeninas e brancas iluminaram o mercado, pareciam estrelas maiores que se encontravam por cima de nós, como um céu mais próximo. Caminhávamos enquanto conversávamos e eu gostei disso, fez-me recordar os momentos que vivemos juntos. Ele pára, coloca-se à minha frente, e eu bem mais pequena que ele, olhava para os olhos dele..."

 

E não resistimos de novo, um ao outro, como da primeira vez. Os seus ombros largos abraçavam o meu pequeno e esguio tronco. Abraçá-lo foi respirar os velhos tempos e beijá-lo foi acreditar que todos nós podemos perdoar o nosso passado.
- Desculpa. – Disse-lhe.
Ele sorriu.
- Não precisas de te desculpar. Eu também o quis. Posso ter tido muitos problemas naquela altura, posso ter sido uma besta, posso não ter querido ter-te desta forma, esquivei-me aos sentimentos mais sérios e feri os teus. Mas movi mundos e fundos para te reencontrar, aquele encontrão foi uma desculpa para te voltar a ter nos meus braços. Danças?
- Aqui, na rua? 
- Porque não? Esqueceste-te como olhávamos o céu e imaginávamos todas as estrelas como se fossem o brilhar de uma pista?

923143_583775885047396_642498900_n.jpg

- Como memória dos velhos tempos… Aceito. – E sorri. O meu sorriso reviveu tudo de outrora, como se eu tivesse entrado numa máquina do tempo.
Encostei a minha cara ao seu ombro e uma lágrima escorreu-me pelo rosto. Não contive emocionar-me, mesmo sem querer, mesmo sem saber como, aceitei-o de volta, ele colou todos os pedacinhos partidos do meu coração.
Ambos errámos, fomos incorretos um com o outro, mas hoje, hoje se tornou certo e certeza. Não havia tempo, não havia memória, não havia mundo lá fora. Apenas o nosso, apenas nós dois, de novo, um com o outro, um para outro.
Ficámos em silêncio, como se esse silêncio dissesse tudo.
- É acreditável como sempre soube que eras a mulher da minha vida. – Disse ele, por fim, pude olhá-lo nos olhos, nos seus olhos que também choravam, esses olhos que perdoei por amar tanto. – Eu cresci, hoje sei tomar conta das minhas responsabilidades. Saberei tomar conta desse sorriso também.
Olhei para a minha vida de trás para a frente, olhei para aquela manhã de sorriso posto ao acordar, decerto era o meu coração a imaginar este fim de dia, esta história de amor, este começo de uma nova etapa.
E sim, esqueçam essa parte do “viveram felizes para sempre”, porque histórias de amor verdadeiro nunca terminam.

29
Nov16

[O teu olhar] Será que és capaz?

Carolina Cruz

André Carvalho.jpg

 

Pus as tristezas de lado, decidi começar a correr, tornou-se paixão, amor, dependência, energia para sobreviver.
A correr visto a capa e torno-me o herói que sempre sonhei ser em pequeno.
Olho a paisagem. Aprendi a gostar das pequenas coisas da vida, contentando-me com toda a sua beleza. Isso basta-me.
Como a natureza é bonita, sinto-me parte dela, sinto-me de cara lavada, de alma leve. Agradeço a Deus por mais uma vitória, e se não for o caso, agradeço mais uma luta que me levou mais além.
Não quero parar, se parar morro, quero ir até ao fim do meu fim, este ainda não é o meu limite, não é a minha meta, a verdadeira meta não me interessa se for apenas para atravessar, eu quero ver nela um ideal.
Este é o meu sonho e sendo assim ninguém me pode parar, se quiseres fazê-lo só tens de me conseguir apanhar, será que és capaz?

 

 

 

[fotografia da autoria de André Carvalho]

28
Nov16

Pudesse o mundo ser feito de amor.

Carolina Cruz

o amor pode ser tudo.jpg

 

Realmente o amor pode ser tudo, liberta-nos de tudo o que possa causar desconforto. No entanto, também pode ser dor, chatear, fazer ciúmes, fazer sentir que a vida está nas nossas mãos.
Na verdade o amor pode ser tantas outras coisas de tão variadas maneiras e com tão variadas pessoas: pais, amigos, companheiros, avós ou até, incrivelmente, por alguém que nem conheces mas querias conhecer.
O que sentes quando dás um abraço apertado? É conforto, é amor que grita baixinho, escondido. A amizade é amor. Quanto não sabe bem abraçar a nossa mãe que nos conforta quando o amor é a palavra dor? Dá-nos amor que compensa, que se conserva pela eternidade, é amor imortal, ou pelo menos devia sê-lo. Existem amores que não o são e trocam-nos as voltas ao destino e vestem a pele de qualquer outro sentimento até outro chegar.
Amar é ser-se fiel, leal, seja com quem for. O amor que sentimos pelo namorado é aquele que nos faz sonhar, que nos faz agarrar a vida e lutar por um futuro a seu lado.
Amar um irmão é ter medo de crescer e ao mesmo tempo ter o sonho de acompanhar uma vida construindo a sua.
Amar os amigos é dizer-se arriscado, procurando todos os dias a aventura de ser capaz de ser um ser próprio e viver partilhando.
Amar os avós é partilhar histórias e conviver com respeito assim como amar os nossos pais é saber que também já tiveram a nossa idade.
O amor é tanta coisa mas a verdade é que nos une, se o mundo se construísse nesta base os sorrisos eram bem maiores.
Pudesse o mundo ser feito de amor. 

27
Nov16

A amizade é um amor que não morre

Carolina Cruz

Eu sou assim.jpg

 

Eu sou assim, uma estrela, uma alma que se cruza no teu caminho, espelhada na água do teu mar profundo, entro na cor rasgada do teu olhar.
Sento-me ao fundo da escada, olho o redor, sinto-me tão calma, sinto-me muito melhor, cruzo os braços e revivo tudo outra vez exatamente como no começo.
Sinto o teu perfume, sorrio, envergonhada. Não sou demente, apenas sinto que cresci quando consegui construir de novo a expressão do teu olhar mais profundo, a tua esperança não morreu em mim.
Sou a palavra amiga com quem podes contar sempre, independentemente de tudo o que possa acontecer com o nosso amor, estarei aqui sempre, a teu lado e com grande orgulho.
Não finjo ser quem não sou, não minto nem omito, sou eu, encontrar-me-ás se olhares bem fundo, porque sou aquela que olha e sente que ninguém te amará como eu, porque a amizade é um amor que não morre.

 

Fotografia do filme "The Last Song"

26
Nov16

[Ficção] Eu escolho ficar

Carolina Cruz

escolho ficar.jpg

 

Sento-me, as lágrimas permanecem aqui, fechadas, comigo, porque tal como elas eu permaneço e assim hei-de ficar.
A dor ainda é a mesma, o sentimento vai devagarinho tocando-me no meu ponto mais fraco: a saudade.
Hás-de voltar e a dor ainda permanece na esperança de se transformar na felicidade por apenas um abraço.
Voltaste e os braços que me apertaram naquele dia não eram os mesmos, não os senti.
Química ou desenlace? Palavras que não fazem sentido. Não há guerra que não termine, o meu coração está feito numa batalha e a cabeça ainda luta.
Sou aquela que enfrenta o problema com jeito de ironia, com um sorriso.
" - Que escolhes tu? "
" - Eu? Escolho ficar. "

25
Nov16

[Por aí] Follow Friday no blog da "Simple Girl"

Carolina Cruz

tumblr_o2ygpeKEXX1uhdi74o1_500.jpg

 

Sempre achei especial que o facto de escrever me deixasse tão completa, tão feliz, motivada para o que desse e viesse. Escrever sempre me ajudou a aceitar e a receber o que a vida tem para me ofercer - o bom, o mau e consigo a aprendizagem. 
Criar um blog foi um desafio, um lugar onde colocar as minhas palavras foi de início o meu objetivo. 
De dia para dia, esse lugar tornou-se um sonho e também uma partilha para os poucos que me seguiam. 
Passaram-se anos (sete) e esses poucos começaram a ser mais, muitos mais e o gosto pela escrita tem vindo igualmente a aumentar, assim como o sonho de lhes dar vida.
O objetivo passou a ser que quem me lesse sentisse que todos erramos, que todos temos dias maus, feridas, mas que ainda assim, ainda há tanto de bom, que a vida sabe como nos compensarmo e nos fazer felizes. Acreditava que podia fazer acreditar, que ao oferecer as minhas palavras a quem as quisesse ler, tornaria o "mundo" num lugar melhor. E o blog passou a ser um desafio maior, meu, com a vossa participação.

Hoje tive mais uma prova viva de que nada do que escrevo é em vão. Que valeu (e vale) a pena todo este crescimento, todo este tempo que dedico às minhas palavras, que dedico a quem me lê, a quem também me escreve e escreve comigo.

A "Simple Girl", essa querida blogger que usa da simplicidade a sua forma de olhar o mundo e de escrever, dedicou-me hoje, o seu "Follow Friday" (o seu primeiro), fazendo-me sorrir até às lágrimas. Fazendo-me entender que, nas pequenas coisas, nós conseguimos tão bem, ajudar e transformar o mundo num lugar melhor.

Vou mencionar algumas das suas palavras, mas prometam-me (por favor!) que passam por lá para lerem a dedicatória completa e, é claro, para visitarem o seu cantinho tão especial.

 

"Não sei porque estou a escrever tanto. Talvez porque adoro a Carolina e aos textos dela. Talvez porque ao ler o que ela escreve consigo arranjar mais força em momentos que estou a perdê-la. Talvez porque as palavras dela me inspiram a ser melhor a cada dia, a lutar pelo que quero, a não desistir quando é o que mais me apetece fazer.
O blog da Carolina é o Gesto, Olhar e Sorriso e é para mim um dos melhores blogs que sigo. Numa altura atarefada da minha vida com trabalhos para a faculdade, era lá que passava uns momentos de pausa a deliciar-me com os seus textos maravihosos. Não era - nem é - uma perda de tempo porque ao ler as palavras dela parece que me acalmo, que volto a ter esperança na vida, que o melhor é não desistir e continuar a tentar."

 

Sinto-me como se me tivesses abraçado, e sabes como eu adoro abraços. Aqui tens o meu também 
Sinto-me grata. 
Um obrigada, é pouco. 

 

25
Nov16

[Cinema] Song of the sea

Carolina Cruz

delightful-full-trailer-for-song-of-the-sea-animat

 

Que paz, que magia sentimos ao assistir ao filme “Song of the sea”, um filme de animação que nos fala sobre quanto a vida pode ser mágica se lutarmos a favor de quem nos ama!
Para quem é apaixonado por cinema, aconselho que assistam a esta longa metragem, o seu design é fantástico, a banda sonora é ainda mais incrível, as suas personagens são autenticamente doces. Parece que estamos a abrir um livro de um conto que nos faz viajar e sentir que se pintarmos o nosso mundo de cores felizes então ele mudará e será melhor.
Uma história onde o amor e a paz de espírito aliada ao perdão move marés de sabedoria, uma história que encanta velhos e novos!
Vejam, eu amei!

 

 

24
Nov16

Há uma saudade

Carolina Cruz

saudade que volta.jpg

 

Há uma saudade que volta ao meu rasgar do sorrir.
Voltei a perder tudo e a guardar memórias como quem guarda vaidade de tempos vividos, de marcar a diferença!
Volta a saudade sempre que penso como fui feliz por cada rua da minha alma, em cada cântico de uma balada, de amargura. Embora me sinta triste, sinto-me ainda mais contente por saber que o vivi!
Não... jamais deixarei partir os meus amigos, que comigo criaram os maiores laços e as melhores certezas, que aconteça o que acontecer, venha a distância que vier, estamos sempre juntos, sempre.
Porque há sempre um tempo assim nas nossas vidas, que vem para nos fazer dar valor a tudo aquilo que temos, traz-nos as melhores pessoas para ficarem connosco e envolve-nos na magia que há em acreditar em um para sempre.
Sim, há saudade! Há nostalgia! Por sonhar e lembrar momentos tão passageiros, que marcaram tanto, que de tão rápidos me ofereceram o melhor de mim, por isso há saudade, mas também há esperança que todo esse viver se repita sempre em cada recanto da minha vida!

 

(fotografia do filme "A culpa é das estrelas")

23
Nov16

[O teu olhar] Depois de toda a luta

Carolina Cruz

19. Telma Cardoso.jpg

 

Atravessei a areia, não alcancei o que desejava, corri pela água sobre o rio da minha vida.
Meu Deus, tantos obstáculos e adversidades empataram o meu caminho, mas ainda bem que surgiram para eu dar valor na hora em que cheguei à meta.
Se eu tivesse escolhido o caminho mais fácil, sem nenhum desafio ou sem qualquer cascata de medos e frustrações, eu não teria história alguma para contar. De que me serviria chegar à meta por chegar? Se calhar era apenas mais uma vitória que não teria qualquer significado, que passado poucos dias iria esquecer.
O mesmo acontece com os sonhos e com a vida. Custa lutar, custa sofrer, cair, mas levantarmo-nos é o mais importante.
Depois de toda a luta e sofrimento, a vitória é a luz mais feliz do caminho e então aí saberemos agradecer de coração.

 

[Fotografia da autoria de Telma Cardoso]

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D