Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

11
Jan17

[O teu olhar] Coimbra e teus amores

Carolina Cruz

Joana Veríssimo.jpg

 (Fotografia da autoria de Joana Veríssimo)

 

Oh Coimbra, minha cidade eterna, quantas vezes, sem cessar, escrevo para ti.
Zeca Afonso disse que em ti o amor não durava e lamento confirmar-te de que ele tem razão. O karma veio ao meu sangue de estudante e pintou a realidade da letra na minha pele.
Eu fiquei somente, sozinha, em plena solidão, nos teus braços, Coimbra. Quando o que eu queria era amá-lo por completo, por toda a minha vida, todos os dias, até sermos velhinhos.
Será que é impossível? Porque é que tenho de te escrever a implorar esse amor de Inês, sem que seja trágico? Esse amor-perfeito, tão certo e saboroso.
Posso pedir-lhe para voltar às margens do teu mondego? Para que eu posso dizer o que me invade a alma e quanto ela dói na sua ausência? Posso? Não sejas a sepultura de um coração partido e ajuda-me a recordar-te sempre com um sorriso, pois eu nunca quero voltar a onde nunca fui feliz e eu quero voltar, Coimbra.

 

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D