Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

19
Out17

[Ficção] Gosto sim.

Carolina Cruz

19489597_VFDuj.jpeg

 

Posso amar-te?
Por favor, deixa-me, nem que seja no meu segredo mais intimo. Não quero muito, só quero que saibas o meu nome, que lhe dês valor, que me dês a mão, nem que seja apenas com o coração. É o que fazem os amigos. Certo?
Admiro-te, admiro-te de coração, pudesse eu arranjar palavras que descrevessem o tão puro sentimento que me invade.
És especial e é tão simples gostar de ti, apenas quando te abraço com o olhar.
Dizem que os olhos são o espelho da alma, por isso sente-te abraçado por completo.
Não sei, sinceramente, o que sinto, porque o sinto, mas gosto de o sentir, gosto do sorriso que provocas em mim. Gosto de gostar do sorriso que provocas em mim. Gosto de gostar de ti, mesmo que não saibas o meu nome, ainda que não conheças quem sou, os meus sonhos.
Gosto simplesmente.
E gostar é bom, não é? Gosto de ti, gosto sim.

13
Out17

[Ficção] Sem fim

Carolina Cruz

909e94292bfbcbdda3960cbc2b11c90c--studio-ideas-vic

 

Estou aqui. Vens receber-me?
Estou aqui, meu amor.
Estou de volta, ao refúgio da nossa memória.
Vamos aproveitar o tempo perdido.
Desculpa, meu amor, estou aqui.
Consigo lembrar-me de quem és, de quem somos. Por momentos, esta maldita doença não me consome, consigo recordar-me de quem sou.
Vamos aproveitar que estou viva, é tão bom estar na minha pele, sentir-me, sentir-te, sem que sejas um estranho para mim. 
Vem, que o agora é o maior presente que temos.
Vem, meu amor. Que eu não conheço o amanhã.
Vem, meu amor.
Vem, que eu estou aqui,
Sou eu, ainda te amo como o passado que não consigo recordar mas onde regresso tantas vezes.
Amo-te, ainda que o tempo se esgote, amo-te ainda que o Alzheimer me desfaça em mil pedaços do que não sou.
Amo-te, sempre, ainda que não me recorde disso, todos os dias da minha vida.
Amo-te, pelo amor maior que tens por mim.
Amo-te, por tudo.
Amo-te, sem fim.
Até ao fim.

 

 
05
Out17

[Séries] Gossip Girl

Carolina Cruz

maxresdefault.jpg

O que fica depois de todas as discussões? O amor.

Quem fica do nosso lado depois de falarem mal de nós? Aqueles que nos amam.
O que nos salva da hipocrisia e maldade do mundo? A amizade.
Foi este pensamento e esta lição que trouxe da série “Gossip Girl”, de 2007. 
Uma série de drama adolescente, que é passada em Manhattan, New York e retrata a história dos jovens estudantes das mais prestigiadas escolas de Upper East Side, onde é criado um site intitulado Gossip Girl (que narra a história) e sabe tudo sobre eles. 
A personagem principal é Serena (a vitima principal de Gossip Girl) que regressa após uns tempos fora, mas o que fez esta rapariga partir? Por que é que é rejeitada pela melhor amiga? Por que é falada por todos?
É aqui, neste ponto da história, que começa esta série de seis temporadas. À qual, sem estar à espera, me rendi completamente. 
Primeiramente, comecei por me render à simplicidade de Dan Humpfrey, que se encontrava à parte de todo o luxo e de todas as mentiras. A sua humildade e o seu amor fez com que me apaixonasse pela série. 
Mais tarde, rendi-me à personagem de Chuck Bass e ao papel fantástico e tão genuinamente bem interpretado por Ed Westwick. 
Depois a série aproximou-me verdadeiramente de todas as personagens e é impossível fugir ao suspense e enredo que cada episódio traz consigo. 
Tenho a certeza que quem gosta de um bom romance, de uma história de suspense e vingança, vai gostar, sem dúvida alguma, desta série.
Mais não posso revelar. 
Vejam e criem a vossa opinião.
 

 

 

 
04
Out17

Sê.

Carolina Cruz

FB_IMG_1488312183213.jpg

 

Sê autêntico. Sê tu, sem máscaras, sem filtros. Sê para que te sintas bem contigo mesmo.
Dá, sem pedir nada em troca.
Dá(-te) de coração. Porque dar nem sempre significa receber. Dá porque te sentes bem com isso. Dá porque amas, porque queres ver alguém feliz. Não hesites. Faz de coração.
E não esperes nunca que façam o mesmo por ti, podes cair no erro das expectativas e por essa ordem saires magoado.
Não esperes dos outros tudo de bom, tudo o que dás, eles também têm defeitos, os outros também erram, também têm esse direito, tu tens, certo?
Ora por tempo, por indisponibilidade, às vezes magoamos sem dar conta ou atenção, isso não significa que não gostemos de alguém.
Por isso, sê autêntico.
Vive de coração e dá o melhor de ti, a quem tu sentes que vale a pena, porque o que surge, sem expectativas e com surpresa, traz-nos mais felicidade.
Sê, autêntico.
Sê, de coração. 

30
Set17

O que é o amor?

Carolina Cruz

0f8ed3fc831614fa0ee7b87f8c8fcd24.png

 

O que é o amor?
É o respeito, o companheirismo, a certeza, a amizade…
É a ausência de arrogância, de agressão, de autoritarismo, de segredos.
O amor é simplesmente isso. O querer alguém do nosso lado, se possível para toda a vida. Amor é acreditar que essa pessoa é o melhor de nós e que damos também o melhor a essa pessoa.
É sentirmos que estamos realizados, é acordar de manhã e sorrir, pensar: é um novo dia para amar, olharmos para quem está ao nosso lado e sorrirmos. 
Amar é mostrarmos quem somos sem rodeios, quem nos ama, amar-nos-á por essa razão: sermos quem somos.
O amor não tem rosto, não tem forma, feitio ou idade. Porque haveria de ser apenas entre homem e mulher?
Chega de hipocrisias, chega de mãos que se levantam, bocas que condenam, venham mais corações para amar, para sentir, para estar, para ser, para ficar.
O amor é tão simples, o ser humano é que o condena, faz dele uma sentença, complica, amarra-o.
O amor é livre. Assim sendo… nada mais há a fazer se não amar. 
Amar, inteiramente, completamente, sem medos, quem está ao nosso lado.

(Foto: Pinterest)

29
Set17

[Ficção] Desculpa.

Carolina Cruz

11039251_792817637476552_4986896960887650709_n.jpg

 

 
Não me obrigues. Eu não preciso de dizer o que sinto. Eu não quero dizer o que sinto.
Tu sabes, se me amas entender-me-ás através dos meus olhos, que embora estejamos juntos, temos de terminar.
Não me perguntes porquê, não quero dizer-te, sei que a verdade magoa menos que esta ausência de justificações mas por te amar é que insisto em não querer dizer-to. Desculpa, sei que estou a ser injusto e injusto é uma palavra pequena demais para a cobardia que estou a sentir. 
Estou a ser egoísta, estou a pensar apenas e só em mim, mas fica a saber que é para tua proteção. Sei que a verdade seria melhor, que estarmos juntos era o que seria certo, mas não posso. 
Omito tudo o que fui, mas não me esqueço no que me tornei quando estive contigo, nunca me vou esquecer. 
Podes crer que é real este amor, mas há segredos que não posso desvendar, há segredos que são maiores do que a minha verdade.
Acredito que, quando tudo assentar, podemos voltar a ter um “nós” nas nossas vidas, quebrar os nós que deixarei na tua garganta, colar de novo o teu coração. 
Se não pudermos, se não quiseres, se não me perdoares, crê num amor melhor, que não o meu, porque tudo o que desejo é a tua felicidade, mais do que a minha.
 
 

 

25
Set17

De volta a casa

Carolina Cruz

FB_IMG_1493850569135.jpg

 

Amo-te, sabes disso.
Amo-te, como se esse amor me viesse inteiramente das entranhas, loucamente da minha alma, que é zero e nada sem ti.
Amo-te. Estupidamente. Tanto que choro todos os dias com medo de te perder. 
Como pode um sentimento destes caber no nosso coração?
És quem faz o meu sangue correr, os meus lábios sorrir e o meu corpo viver. Mais do que prazer, a tua sábia forma de me amar deixa-me inquieta, faz-me querer mais, faz-me desejar mais, alcançar todos os sonhos e voar.
Vamos voar?
Sim, sem medos.
E sabes porque voo sem medos? Porque és o meu chão. 
Se cairmos, vamos juntos.
Contigo, não tenho receios, porque infinitas vezes trocámos de roupa, de alma, de rosto, mas não trocámos o nosso amor e ainda que estejamos separados, sei que o destino vai trazer-nos sempre de volta a casa. 
E essa casa é o que sentimos.

23
Set17

[Cinema] Capitão Fantástico

Carolina Cruz

334533_pt.jpg

 

Muito bem cotado pelo IMDB, “O capitão fantástico” é um filme genial, que envolve drama e comédia de uma forma bastante inteligente e interessante.
O filme retrata a história de uma família criada na floresta e que se vê obrigada a encarar o mundo real da civilização, o qual desconhece.
Ben decidiu criar os seis filhos com regras rígidas que incutem a sobrevivência e a força. Não vão à escola e é Ben quem lhes dá aulas.
Este pai faz-nos questionar muitos pontos errados da nossa educação, enquanto educadores, enquanto escola, sobre o consumismo e como preparamos os nossos para a vida. 
Eles estão bem preparados para sobreviverem, são forte e resilientes, mas estão eles preparados para encarar este mundo real? O que sabem eles sobre os sentimentos? A relação com os outros?
Até que ponto, este pai que quer o melhor para os seus filhos, está a fazer realmente o melhor? Por que razão o decidiu fazer? Não terá sido uma opção radical? Mudará o rumo das suas vidas?
Vejam e reflitam!
 
 
 
 

 

 
18
Set17

[Resenha literária] Tudo, tudo... e nós

Carolina Cruz

31804840.jpg

 

“Tudo, tudo e nós” é um livro simples, mas tremendamente “encantador e poético” como definiu o The New York Times. 
Quando digo simples, quero dizer de fácil leitura. 
A sua leitura fácil caracteriza-se pelas descrições maravilhosas, inocentes e inteligentes
de Maddy, uma rapariga que vive isolada do mundo, por estar doente e que tratada pela mãe, que faz tudo por ela.
Porém, o seu pequeno mundo muda quando Olly, o novo vizinho aparece na sua vida e é impossível que Maddy não se apaixone. 
O que fará ela pelo seu primeiro amor?
Como seriamos nós se vivêssemos fechados numa bolha? Sem conhecermos o que nos rodeia? Viver no meio dos livros é bom, amar a nossa mãe também, mas nós também precisamos de conhecer novos rostos, fazer novos amigos, novas aventuras, será que a doença de Maddy o permite? 
“Tudo, tudo e nós” é um livro tremendamente mágico, que nos fala sobre o amor. Esse amor que nos move, que comanda as nossas ações, “o amor mata”, “o amor enlouquece”, mas à conclusão que chegamos com este livro e com a vida, é que independemente de como a vida nos seja oferecida é, ainda assim, bom amar!
E eu amei este livro!

 

tudo tudo e nos efeito dos livros opiniao livro.jp

 

17
Set17

Permanece.

Carolina Cruz

FB_IMG_1482798645996.jpg

 

Vem curar as minhas feridas, só tu o consegues fazer…
Vem, fica aí bem do meu lado, nesse abraço apertado e nesse mar imenso que é o silêncio dos teus olhos e com esse sorriso que me traz paz.
Fica, permanece, quero-te num querer para toda a vida. 
Quero-te por mil razões, sem as conseguir dizer. 
Quero-te porque é em ti que penso quando acordo, que sonho quando me deito, és tudo isso porque te amo e amo-te porque, na verdade, és tudo aquilo que sempre quis.
Amar-te é tão simples, o meu sorriso é teu e é tão fácil sorrir contigo, o meu coração não chora.
Tornas os meus problemas numa habilidade de criança fácil de superar, vens e o meu olhar sobre o mundo é mais limpo, o mundo é melhor para se morar.
Contigo, é tão fácil compreender que não precisamos de pessoas que não nos querem nas suas vidas, que não gostam de nós, ou que não podemos agradar a todos.
O mundo torna-se mais fácil de se encarar.
És meu amigo, fazes-me chorar a rir, trazes-me sensatez, aqueces-me o peito e o corpo inteiro com o teu beijo, o que posso querer mais?
A vida é um completo perfeito de simplicidades e eu só quero morar para sempre no teu colo.
Não me importa para onde vou ou onde fico, se estiver ao teu lado.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D