Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

17
Jul17

[Ficção] Esses olhos

Carolina Cruz

dee77d119fe342586a7ba02915850cb7.png

 

Esses olhos. 
Eram os teus olhos rasgados a olhar os meus.
O sorriso a despontar. O sorriso a nascer para toda a vida... esse mesmo sorriso que se quebrou.
Não há mais volta e tu não voltas para mim.
Não há amor como o primeiro? Mentira, não há amor como aquele que nos mata a sede, que nos envolve no peito e nos queima de prazer pelo simples gesto de amar.
Nunca me esqueci de ti.
Não existe um único dia em que não me lembre desse olhar.
Há amores que, por mais anos que vivamos, por mais pessoas que passem por nós, são eternos, pelo facto de nos terem marcado para sempre.
Embora eu ame quem tenho a meu lado, os meus filhos, os meus netos, eu ainda amo as nossas memórias, quem foste para mim, porque a juventude não volta. Volto apenas, todos os dias, a vontade de voltar atrás no tempo.

 

 

23
Mai17

[Ficção] Oh, meu amor!

Carolina Cruz

tumblr_static_idosos_.jpg

 

Oh, meu amor...
Como o tempo passou!
Já não és mais a menina ladina de tranças, mas esses olhos cor de limão ainda permanecem com o mesmo brilho!
Como o tempo passou por nós...
Erámos meninos e eu vivia no teu coração!
Hoje vives também no meu, num casamento tão bonito.
Não me esqueço nunca como eras rabugenta, como eu me ria com o teu mau feitio. A mulher ciumenta que sempre se preocupou e que, na verdade, sempre amei.
Faltam-me as palavras...
Por ti, tudo quero.
Por ti, tudo fiz, tudo farei.
Por isso morrerei de desgosto ao ver-te partir...
Oh, meu amor...
 

 

17
Mai17

Eternamente

Carolina Cruz

FB_IMG_1487110585828.jpg

 

 
Percebe uma coisa: É a ti que eu quero, mais ninguém.
Abraçar, beijar, chatear, discutir, abraçar de novo, aparvalhar, amar.
És só tu mais ninguém. É só contigo, mais ninguém.
Não vou amar mais ninguém o resto da minha vida, não vou querer me seduzir por alguém que não tu.
Por isso mesmo quero que entendas que eu não sou uma terra conquistada como faziam os mouros. Não sou uma propriedade tua ou uma medalha que abanas e que julgas que vences.
Eu só te quero a ti, porque nunca me julgaste assim, porque se um dia o fizeres, talvez o meu pensamento mude. Eu quero que sejamos assim o resto da vida, a querer o bem um do outro sem pedir nada em troca.
Eu quero desejar-te e mimar-te para sempre. Também quero que me conquistes todos os dias em que caminhamos lado a lado. Não apenas hoje, mas amanhã também. Não enquanto eu for jovem, bonita e tu um homem atraente e sensual. Não! Eu quero que tu me aceites e me ames aos vinte, quando tudo começou. Aos trinta, quando nos juntarmos numa vida a dois. Aos quarenta, quando for uma mãe por vezes chata ou mandona. Aos cinquenta, quando achar que a vida é uma chatice e me achar que não sou tão bonita como outrora. Aos sessenta e setenta ou quando a morte chegar perto, eu quero que tu sejas vida em mim. Porque eu amar-te-ei de todas essas vezes, em todos os teus recantos, os teus vinte tão bonitos, os teus trinta tão responsáveis, os teus quarenta extremosos e os teus cinquenta a berrar com o futebol. Os teus sessenta e setenta de rugas vincadas e amores-perfeitos.
Amar-nos-emos até quando os nossos corpos não puderem mais, até a nossa alma falar por nós e nos beijar, eternamente.

 

 

14
Mai17

Tu bastas-me.

Carolina Cruz

751449a99dfbcb62c1bf2ddba41608cc.jpg

 

Pipocas (um balde cheio), uma série e milhares de sorrisos. Basta-me.
Tu bastas-me.
O teu carinho, o teu conforto, o teu sorriso e o teu amor.
Esse amor que não cessa, esse amor que se constrói a cada dia.
Por isso, no calor da noite, eu só quero que me aconchegues.
Contigo, posso até virar rotina, desde que os nossos beijos sejam sempre iguais, cheios de pedaços gigantes de cumplicidade.
Contigo, tu e eu, para sempre. Até sermos velhinhos.
Tu e a bola, eu e um livro. Mas no fim da noite, ai o fim da noite!
Pipocas (um balde cheio), uma série e milhares de sorrisos!
O que vier depois disso será segredo, será nosso, será amor. Amor para viver, não para mostrar ao mundo. Eu e tu, para sempre. Até sermos velhinhos. Até não conseguirmos amar mais, porque os braços cessam e porque o corpo pesa.
Virá a morte, mas não o esquecimento. Virá a morte, mas não o término. Porque este “para sempre”, vai muito além da eternidade.
Eu e tu, para sempre. Basta-me.

 

 

 

30
Abr17

Acreditas? Eu também

Carolina Cruz

1897006_608864095871908_334073304066046398_n.jpg

 

Sabes... é impossível não te querer para sempre.
A verdade é que mil sonhos do (meu) futuro te pertencem.
Um lar, uma certeza, uma vida a dois. Um aconchego, uma calma e um coração completo.
Uma casa inundada de amor, de desejos partilhados, tarefas distribuidas, rotinas quebradas.
E mais tarde, com estabilidade, passaremos a ser três.
Três pedaços de amor, um sorriso infinito e um amor maior.
Porém, o tempo presente é o agora e é nesse agora que devemos lutar para que esse "para sempre" exista.
Esse agora, que é o hoje, será a história que contaremos (com amor) amanhã.
Acreditas? Eu também.

 

 

24
Abr17

Se é amor...

Carolina Cruz

1.jpg

 

Se é amor então não são precisas palavras. Se é amor, do verdadeiro, é o coração que fala com a alma através de um olhar, de um olhar ao qual ninguém se insurge, que ninguém ousa contestar ou negar. Se é amor, a aura que paira num olhar cúmplice é intensa, poderosa e o sorriso surge. Surge mesmo quando se quer chorar, surge mesmo quando o mundo nos quer roubar o que temos de melhor, quando o destino quer que a distância separe esse amor, mas se é amor, de verdade, ultrapassa e cura tudo.
Ainda que, por momentos, não se consiga ultrapassar, ele viverá para sempre na memória de quem ama para sempre e viverá com esse desejo para toda a vida, de um reencontro, de uma ajuda do destino, porque um amor verdadeiro nunca se esquece, não se pode fugir dele, ainda que se queira. Porque no cruzamento da vida, em que os olhos se reencontram, o sorriso, que embora magoado com o tempo, diz que o tempo não interessa mais, fazendo jus à felicidade e se entrega num beijo profundo. Porque se é verdadeiro, não tem fim, data de término ou falecimento. Amor de verdade é para toda a vida. É meu, teu, de mais ninguém.
 
 

 

 
 

 

24
Mar17

Para toda a vida

Carolina Cruz

15317915_1249162498506081_3638076462504229457_n.jp

 

Vem devagarinho, bem devagarinho, com esse sorriso que me mata de desejo. Vem, abraçar-me, matar todas as saudades que eu tinha tuas.
O meu corpo há muito que não se encontrava com o teu, a sede de viver em ti é cada vez maior, o desejo afasta-me da realidade, já só anseio momentos de ficção, como no cinema, como que uma atração fatal.
Deixas-me louca, não por esse anseio total de mera paixão, mas por todo o amor que em ti nasce quando os teus olhos me olham de verdade, quando as tuas mãos me tocam com sentido. Deixas-me louca, não quando me despes a roupa, mas quando me conheces debaixo da minha própria pele e me curas esta minha alma nua.
Tu não és um qualquer, não és igual a todos os outros, a tua temperatura permanece no meu corpo para sempre, exatamente pela forma como me amas, como tornas tudo no melhor que a vida me pode dar. Contigo aprendi que cada momento nosso é já, por si só, um puro prazer, e os nossos corpos unidos e a sua vibração é um complemento dessa forma de viver tão esplêndida.
Contigo aprendi que amar é muito mais que a palavra ou o sentido e que o sexo é apenas e só mais uma razão para dizer que te amo com todas as minhas forças, e de corpo inteiro. Pois, amar-te é querer-te, independentemente de tudo e, para toda a vida.

 

 

 

 

 

 

28
Fev17

Eterna

Carolina Cruz

FB_IMG_1473532749058.jpg

 

 

Sob os olhos chovem lágrimas, que esborratam a cara e sujam a boca.
Não dá mais, não agora. Às vezes precisas de deitar tudo cá para fora, de seres tu, mais ninguém.
Desabafa contigo mesma, porque só tu sentes essa ausência que mais ninguém compreende, essa vontade de ser feliz e que não vem, essa fome de consumir todas as saudades que morrem no peito.
Chora, porque não podes ser forte a vida inteira. Não dá mais. Não agora.
Não deixes que ninguém queime o teu corpo, desejando matar o teu sonho. Tu não estás sozinha, tu és forte, mas precisas de uma pausa. Não dá mais. Não agora.
Mas amanhã, amanhã tudo volta. Amanhã volta essa sede de viver, por ti, mais ninguém.
De lutares por esse sonho que é só teu, de mais ninguém. Não ouças as vozes que, com relutância, te dizem para parar, que não consegues. Eu sei que hoje só as consegues ouvir, que hoje não consegues lutar. Não dá mais. Não agora.
No entanto, diz que as palavras que escreves são o mote para seres feliz, que é esse o teu sonho, que mesmo quando toda a gente te tenta deitar abaixo, tu levantas a cabeça após caíres e lhes dizes que as palavras que dás o mundo também são a tua forma de agradecer e dar alguém essa alma forte que tens, mas que hoje não dá mais. Não agora.
Não precisas de ser forte todos os dias da tua vida, também precisas de cair para te segurares, também precisas de perder para ganhar, de chorar para amanhã mostrares que esse teu sorriso valeu todas as lágrimas.
Não chores mais. Não agora. Levanta, voa, vive essas palavras, que são quem tu és, a simplicidade de um lugar melhor, de um coração que sangra por viver e amar demais.
Não te lamentes por ele ser tão sentimental e tem a noção que é isso que te torna especial, eterna.

 

 

14
Fev17

S.Valentim

Carolina Cruz

tres3.jpg

 

Se eu quisesse receber S. Valentim como ele é, no seu autêntico consumismo, eu dir-te-ia: Vem, traz-me rosas vermelhas, um coração enorme, um peluche felpudo para que eu o possa abraçar todas as noites para me lembrar de ti, mais umas quantas caixas de bombons e um perfume caríssimo. Mas eu não quero nada disso.
Dir-te-ei então.
Vem, receber-me, despir-me a roupa, beijar-me os seios e entrar pelo meu peito adentro, despe-me a alma e faz de mim a mulher mais feliz do mundo. Não apenas hoje, mantém esse desejo para todo o sempre, para o resto das nossas vidas.
Não quero apenas isso, quero que sintas que sou parte de ti, cerca-te de que somos um só e não apenas na cama. Seremos um só, quando pudermos dividir as alegrias e as tristezas, quando a base do nosso amor é o respeito, a amizade e o querer tanto.
Que se lixem todas as prendas que te poderia dar hoje, o meu presente preferido és tu e o melhor que eu posso receber é o teu amor.
Não apenas hoje, todos os dias, porque hoje é apenas mais um dia para te amar. Somente 24horas, somente um dia, numa imensidão de anos.
Amo-te.

 

Fonte da fotografia: 3 metros acima do céu (filme)

11
Jan17

[O teu olhar] Coimbra e teus amores

Carolina Cruz

Joana Veríssimo.jpg

 (Fotografia da autoria de Joana Veríssimo)

 

Oh Coimbra, minha cidade eterna, quantas vezes, sem cessar, escrevo para ti.
Zeca Afonso disse que em ti o amor não durava e lamento confirmar-te de que ele tem razão. O karma veio ao meu sangue de estudante e pintou a realidade da letra na minha pele.
Eu fiquei somente, sozinha, em plena solidão, nos teus braços, Coimbra. Quando o que eu queria era amá-lo por completo, por toda a minha vida, todos os dias, até sermos velhinhos.
Será que é impossível? Porque é que tenho de te escrever a implorar esse amor de Inês, sem que seja trágico? Esse amor-perfeito, tão certo e saboroso.
Posso pedir-lhe para voltar às margens do teu mondego? Para que eu posso dizer o que me invade a alma e quanto ela dói na sua ausência? Posso? Não sejas a sepultura de um coração partido e ajuda-me a recordar-te sempre com um sorriso, pois eu nunca quero voltar a onde nunca fui feliz e eu quero voltar, Coimbra.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D