Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

* O teu olhar: Amar-te é ser feliz

Diana Rodrigues (2).JPG

 

Não sei se mereço esta nossa história de amor. Mas eu sempre sonhei com ela. Tu és um pedaço perfeito do meu sonho feito realidade. Sabes porquê?
Porque eu não preciso de mais ninguém se a tua respiração se mantiver por perto. Se é contigo que parto à aventura. Se é contigo que desabafo. Se és o acalento das minhas desordens.
És o suporte que pedi à alma que move o mundo. Não sei se é Deus ou outra força dinâmica, seja como for agradeço-lhe de coração aberto por te poder receber nos meus braços e amar-te sem medos.
O futuro é nosso, independentemente de como seja.
Ainda assim, eu agradeço ao meu presente, sou-lhe grata, porque te tenho a ti, apertando bem a minha mão. És o meu melhor amigo. A nossa amizade é um mar infinito de certezas e uma bênção. Sei que é para sempre, que serás sempre alguém que jamais partirá. Ficarás mesmo quando a maré alta baixar, mesmo quando todos os barcos do porto encalharem, mesmo que todos os marinheiros partam. Serás sempre o meu farol, a minha luz, o meu pôr-do-sol e a vontade de amanhecer todos os dias.
Obrigada é pouco, amar-te é ser feliz.

 

 

 

Fotografia da autoria de Diana Rodrigues :)

* O teu olhar: meu "cãopanheiro"

5. Zinder Léon.jpg

 

Meu “cãopanheiro” é contigo, e foi contigo que eu acreditei que a amizade pode ser muito mais que algo entre géneros, forças ou humanos. Não acreditas? Bem podes fazê-lo, porque, na minha opinião, és o melhor amigo que alguém pode ter. Entendes-me, conheces todos os meus defeitos e não criticas, não dizes mal, compreendes e ainda assim manténs-te do meu lado, a amar-me da mesma forma.
És tu que estás sempre lá. És tu que me abraças como se fosses a areia e eu o mar. És tu que me sabes realmente amar. Sem rodeios, sem formas, sem complexos ou complexidades. O Homem é demasiado comum, demasiado complexo para compreender sem julgar os outros, ouvir sem conversar ou sem pôr erros de parte. Tu, pelo contrário, ouves-me, choras comigo e mesmo sem conhecer a realidade sabes que do preciso, de conforto e de alguém esteja lá, tu sabes tudo sem, se calhar, saber realmente. No entanto, não importa, pois sabes amar, amar sem vírgulas ou pontos finais, amar no mais simples da palavra e do verbo.
Não me perderás nunca, pois vivo no teu coração, que embora pequeno, é tão grande e, eu sei, que nunca me abandonarás. O teu maior erro tu não podes controlar, mas eu sei que partes cedo, pois o teu objetivo é o de me marcar. Um marca de amor para sempre.

 

(fotografia da autoria de Zinder León)

* O teu olhar: À tua procura

Sugar Candy - Rita Fernandes.jpg

 

Vim, de propósito, à tua procura. Ao encontro desse abraço, desse sorriso pelo qual morro de saudades. Vim, porque quero. Vim, simplesmente para te ver, para te ter, para lutar por ti. Posso? Deixas? Que eu possa caber no teu abraço onde todos os dias eu via a minha vida amanhecer?
Se não deixares, deixa-me pelo menos encontrar-te. Ver que, se tiveres outro alguém, estás ou não feliz. Por favor, não me proíbas de o fazer, eu não vou impedir-te de viveres a tua vida. Simplesmente eu quero voltar a amar também e ao saber que tu o voltaste a fazer sem pensares em mim, então eu seguirei em frente. Eu sei que é difícil, que talvez esteja a ser egoísta, que não devia voltar ao lugar onde eu fui feliz, contigo. Não devia voltar a onde sei que um dia pertenci e onde talvez não pertenço mais, mas eu quero chegar e partir e saber que tudo fiz para ter de ti o melhor. Posso?
Não te amanhes nessa certeza fugidia, porque agora que voltei, sei que não tens mais ninguém, que ainda pensas em mim, como antes, da mesma forma e no mesmo lugar.
Posso? Podemos? Esse podemos, tornou-se num devemos, e muito, esse abraço.
Por isso sentei-me e esperei que a vida nos trouxesse o pôr-do-sol mais belo para ver no final do nosso dia, por fim, o nosso final feliz.

 

 

(Fotografia da autoria de Rita Fernandes do blog Sugar Candy)

 

 

* O teu olhar: A minha voz

Anas há muitas!.jpg

 

É esta a minha voz. É esta a minha vida. Isto é o que sou, em objetos, que são muito mais que simples peças. Dizem tanto de mim, como a minha própria vida. Aqui descrevo e digo de novo – a minha voz.
Eu sou as palavras que escrevo, o meu blog, quem me lê, mulher de tecnologias mas de amor ao papel. Mulher de amor, de muito amor-próprio e felicidade, que me dá o poder de gostar de mim e de quem me rodeia. Sou mulher, mas aprendi a sê-lo de alma e coração quando o meu ser maior de amor nasceu.
Aprendi que ser mulher é muito mais do que simplesmente ser, é amar o mundo, e deixar-se prender ao um novo ser que nasce de si, com todo o seu jeito de perfeição.
Aprendi que sou muito mais do que escrevo, muito mais que dou de mim a conhecer, sou um jeito enigmático que eu própria determino a cada passo que dou, rumo sempre à felicidade, não apenas com esse objetivo mas como um caminho de etapas felizes, porque eu sou aquilo que sonhei ser um dia, por isso sei e sinto que o percurso está a ser percorrido da forma certa, não por acaso, mas sim, porque lutei.
Sei-o e digo-o sem vaidades, mas com alegria, de que posso não ter tudo, mas tenho tudo o que me completa e, tudo o que sou, eu adoro ser.
 

 
* Fotografia da autoria de Ana Azevedo do blog "Anas há muitas"
 

 

* O teu olhar: Longínquos.

catia cardoso.jpg

 

Vim buscar-te, trazer-te de volta para os meus braços. Posso pedir-te isso só por um segundo?
Todos os minutos da minha vida, na tua ausência, eu perco-me enquanto procuro ir ao teu encontro. Sei que vieste de longe, para me veres chegar um dia. Sei que somos longínquos demais para estarmos perto. No entanto, não é isso que me faz amar-te menos, muito pelo contrário. Há algo na tua ausência, na saudade de ti, que se transforma em magia quando te vejo.
Desculpa, se questionei todas as vezes que achava que não iria resultar este nosso amor à distância, desculpa se te fiz chorar nas despedidas, mas ainda assim te beijo as mesmas lágrimas neste meu regresso.
Sempre que entro naquele comboio, que me leva até aos teus braços, tenho tempo para pensar que, o nosso amor é tão louco como uma viagem, daquelas que fazemos sem rumo. Não importa como começou, nem sequer se terá termo certo. Tal e qual como as linhas férreas que parecem infinitas, tenebrosas, cheia de deslizes, pedras, mas são tão longas e infinitas que nunca ninguém soube se tinham fim, ou se souberam, não acredito que saibam onde termina.
Assim me sinto quando te encontro. Mesmo tendo a morte como certa, acho que no teu beijo viverei para sempre.
 
 

 

(Fotografia da autoria da talentosa Cátia Cardoso)

* O teu olhar: Deixa-me

27. Ana Rafael.jpg

 

Por favor. Imploro-te. Deixa-me sair, conhecer o mundo por mim mesma. Eu sei que vou errar, quem não o faz? Sou um ser humano e se me deixares para sempre nesta redoma então eu falharei sempre, não serei ninguém, rigorosamente ninguém que valha a pena, nem para mim, muito menos para o mundo.
Deixa-me ir, eu vou ser sempre a tua menina, não é por partir que te deixo por inteiro. A tua vida começa quando sais da tua zona de conforto. Sempre te disse e tu devias saber, mas não queres.
O mundo nunca te conhecerá nem tu conhecerás o mundo se viveres fechado nesse canto, amedrontado com medo de viver. Isso é tão inútil, mas tu não imaginas, achas sempre que serás mais feliz se viveres na solidão.
Já que não admites, deixa-me ao menos admitir que eu já sou crescida o suficiente para fazer as minhas escolhas, que embora me possa arrepender mais tarde, o problema é meu, o mundo está ali, do lado de fora. E embora com tantas contrariedades ao belo, eu ainda acredito que há tanta coisa boa e bonita por desvendar.
Deixa-me ir, eu não sei como vou ser feliz, mas vou caminhar, até lá momentos e experiências me mostrarão que a felicidade está no caminho traçado e não na chegada ou na vitória.
A vida é uma viagem, deixa-me entrar nela. Deixa-me ir, até amanhã ou assim sendo, até um dia.

 

 

(Fotografia da autoria de Ana Rafael)

* O teu olhar: Negligenciar o amor.

31. Daniela Barreira.JPG

 

O amor está por toda a parte, basta que o procuremos.
O amor é tão simples, porque é que o complicamos?
O amor está num “bom dia” que não dizemos a um estranho, está na simpatia que receamos ter. O amor está em cada pedaço de solidariedade numa calçada fria.
Está no abraço que nos aquece do frio, no sorriso que esboçamos depois de chorar, no alívio da alma depois de fazê-lo.
O amor está em todo o lado, o mundo é que não o escolhe, prefere tirar partido de tudo isso e destruir-se a si próprio. Em vez de dar as mãos, prefere armas, em vez de amar, tortura.
No entanto, nenhum de nós consegue viver sem uma palavra amiga, sem um colo ou um conforto, sem dizer que se gosta de alguém. Eu sei que o mundo anda louco e é por carência de amor.
As pessoas vivem rodeadas de stress, carenciadas de um verdadeiro sentido, habitando o materialismo, negligenciando o amor, sem saber que é, também ele, o ar que respiramos.
Eu chamo amor à paixão pela vida, à amizade, ao verdadeiro amor de pares, à família, ao que fazemos, às pequenas coisas. Sem o amor, nada somos, sem ele, falta-nos algo, como se vivêssemos com um vazio infindável no peito. Sem o amor nada existe, sem o amor nada floresce, nada vive, tudo morre, na calçada fria do desalento.
 
 
 

 

 

(Já conhecem o projeto da Daniela (autora da fotografia)? Tatuar Sorrisos?
Visitem, ficam logo mais felizes, tenho a certeza!)
 

* O teu olhar: Não vou desistir

28. Carla Santos.jpg

 

Este é o meu percurso, o meu caminho. Não vou desistir porque sim, porque queres, ou porque o meu corpo se emaranha em cansaço. Não, não faz parte da minha pessoa. Muitos dizem que somos o que a alma nos transporta, que é a alma que nos move, junto dos nossos sonhos e eu concordo, e este… este é o meu sonho.
A minha vida é uma intensa corrida, um agarrar de sorrisos, um respirar de ar puro, sobre a serra, porque o meu coração ama tudo o que o faz bater, porque eu não vivo nem quero viver um dia sim e outro dia não, não fui feita para viver em vão.
Não, não penses, não me julgues, eu não vou parar, eu sou a força estampada no meu sorriso e na minha forma de ser. Os meus sonhos são o que sou, e eu sou livre.
Sinto a liberdade sob meus pés e o desejo de não parar faz-me sentir que a vida embora finita é uma enorme lembrança e continuidade, e se os sonhos se tornarem realidade, a tua jornada será eterna.

 

[Fotografia da autoria de Carla Santos]

 

 

 

* O teu olhar: Minha Terra bonita!

15284150_624303781110184_2920851444630506117_n.jpg

 

Minha terra bonita. Meu respirar fundo. Minha natureza envolvida na certeza de que quando parto, o meu desejo é voltar, e te abraçar para todo o sempre.
Não há vila, como tu, com todo o teu esplendor, que da tua simplicidade te tornaste rainha. Que pela tua serra e encantos te tornas um paraíso de alegria.
Tu sabes e eu sinto que te pertenço, de sangue e coração, nasci no teu ventre e renasço a cada dia em que te vivo.
“Terra de emoções” dizem que és. Eu concordo, pois fazes acontecer, por mérito próprio, pela Terra que constróis, pelas aldeias com que recebes esta gente.
Esta gente, que te mantém, de alma feliz, aquela que te constrói, que de dia para dia, te faz e te torna no lugar (ainda) melhor.
Minha Lousã, de mil encantos.
Somos, por ti, toda uma canção, de que é bom viver aqui e que aqui vivemos de coração.
 
 
 
 
 
(fotografia da autoria de um grande fotógrafo da minha vila, que é meu primo. Visitem a sua página e confirmem este seu talento tão grande: Pedro Sequeira Photography)
 

 (música também da minha terra, cantada por Ramiro Simões)

 

* O teu olhar: Melhor sapos que príncipes

30. Veronica Pedro.jpg

 

Toquei-lhe na pele, senti o seu toque áspero, e ainda assim apaixonei-me como se de um conto de fadas se tratasse, os meus olhos brilhavam sempre que o via. Mas de conto de fadas a nossa história não tinha nada, era apenas uma troca que não acontece nos desenhos animados, apenas na vida real. A verdade é que eu beijei o príncipe que virou sapo. Adorei o seu sabor, senti a sua forma mais bela de amar, mas não era amar ou se era não se deu, porque ele não me jurou amor eterno. Os nossos caminhos desligaram-se um do outro, seguimos cada um, rotas diferentes, o amor que tínhamos foi efémero, infantil e ridículo. Não era para ser, não tinha de ser. No entanto, o meu coração ainda bate por ele, quando me sento ao riacho onde lhe dei o primeiro beijo, as minhas faces ainda coram, os meus olhos ainda brilham, mas de que vale todo este romantismo se ele não volta? Se a história de nós dois já teve um fim e não um final feliz.
Acabei por perceber que na vida real, há sapos que são os melhores príncipes encantados e que cada um o é à sua maneira. Relações perfeitas não existem, nem homens perfeitos que nos vêm acordar com um beijo, como príncipes, nem mulheres perfeitas que acordam e se deitam maquilhadas, como princesas. Existem sim pessoas diferentes, que demonstram o amor de diferentes maneiras e nos acordam com um beijo sem necessitar de nos prender a histórias irreais que pintamos e que achamos que existem.
Eu acredito que é preciso sonhar sim, mas acordado, porque o amor é duro de roer, forte e teimoso. Na vida real as pessoas têm de lutar, ter paciência e acreditar que melhores dias virão.
Eu tenho essa fé, mas não essa inocência. Eu tenho essa fé, mas não tenho essa ilusão, dos desenhos animados.

 

Foto da autoria de Verónica Pedro

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Outros lugares

Blogues à Mesa
3XQY_12a3qPlDRIcVpKJSt0ZO-QUA-vmBk3L3bSl7jI.png