Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

16
Nov17

[Resenha Literária] Ao teu lado

Carolina Cruz

1-livro-ao-teu-lado-626x516.jpg

 

"Ao teu lado" é o segundo livro da autora Ana Ribeiro.
Após "Um amor inexplicável", o seu romance de estreia, no qual nos apresenta Ana e Miguel como personagens secundárias, Ana traz-nos neste segundo livro Ana e Miguel como personagens principais, permanecendo no espaço do primeiro livro: a pediatria onde Ana é médica e Miguel voluntário e onde contam a sua história de vida e amor aos meninos internados.
Ana e Miguel criam na infância uma amizade para toda a vida: uma promessa que fazem de mãos dadas.
Esta parte do livro - a infância - com os avós, o campo e o Alentejo, é tremendamente doce, a minha passagem preferida do livro, porque nas recordações de Ana e Miguel eu revejo igualmente memórias do meu avô. Há uma inocência bonita e bem caracterizada. 
Porém, como compete a vida, as personagens principais vão crescendo, alterando o seu percurso, criando sonhos, que consequentemente, trazem mudanças e distâncias às suas vidas e à sua amizade.
O desafio deste livro é questionarmo-nos se poderá uma amizade, mesmo que verdadeira, aguentar firme e forte depois de tantas adversidades. Será?
Um livro puro que se sente que foi escrito de alma e coração e no qual Ana, tal como o poeta aconselha, pôs tudo o que é em cada palavra desta história feliz.

18
Set17

[Resenha literária] Tudo, tudo... e nós

Carolina Cruz

31804840.jpg

 

“Tudo, tudo e nós” é um livro simples, mas tremendamente “encantador e poético” como definiu o The New York Times. 
Quando digo simples, quero dizer de fácil leitura. 
A sua leitura fácil caracteriza-se pelas descrições maravilhosas, inocentes e inteligentes
de Maddy, uma rapariga que vive isolada do mundo, por estar doente e que tratada pela mãe, que faz tudo por ela.
Porém, o seu pequeno mundo muda quando Olly, o novo vizinho aparece na sua vida e é impossível que Maddy não se apaixone. 
O que fará ela pelo seu primeiro amor?
Como seriamos nós se vivêssemos fechados numa bolha? Sem conhecermos o que nos rodeia? Viver no meio dos livros é bom, amar a nossa mãe também, mas nós também precisamos de conhecer novos rostos, fazer novos amigos, novas aventuras, será que a doença de Maddy o permite? 
“Tudo, tudo e nós” é um livro tremendamente mágico, que nos fala sobre o amor. Esse amor que nos move, que comanda as nossas ações, “o amor mata”, “o amor enlouquece”, mas à conclusão que chegamos com este livro e com a vida, é que independemente de como a vida nos seja oferecida é, ainda assim, bom amar!
E eu amei este livro!

 

tudo tudo e nos efeito dos livros opiniao livro.jp

 

03
Set17

[Por aí] "Há pesadelos que nos fazem acordar"

Carolina Cruz

20294452_1392987584070825_2667373808148374690_n.pn

 

Hoje o "Por aí" apresenta-vos "Há pesadelos que nos fazem acordar", o livro de estreia de Joana Veríssimo. 
Foi através do seu antigo blog "Upside Down" (no qual cheguei a participar como parceira) que conheci a Joana e estou muito grata por isso, é uma rapariga bastante simpática e o seu dom para a escrita é bastante vísivel. 
Este ano irá dar um passo importante neste que é um sonho a ser concretizado, no qual me identifico, editando assim o seu primeiro livro.

Diz a Joana que "Há pesadelos que nos fazem acordar" é um livro que reúne um conjunto de textos que foi escrevendo ao longo de alguns meses e que dividiu em cinco capítulos distintos para que, dessa forma, quem lê consiga perceber o seguimento dos mesmos. É um livro escrito com o coração nas pontas dos dedos, totalmente sobre ela e sobre aquilo que foi sentindo nos vários momentos da escrita.

Adoro a escrita da Joana e estou super ansiosa que este livro chegue às minhas mãos e às vossas, porque tenho a certeza de que será fantástico e nos fará pensar, pois as citações, com que ela nos tem presenciado na sua página de autora, são fantásticas.
Vou partilhar algumas delas convosco, espero que gostem!

 

20525471_1397730476929869_7047360229599002949_n.pn

 

20664439_1404811172888466_3758387747250477460_n.pn

 

20729529_1402352739800976_7549102039159760017_n.pn

 

20840772_1408429455859971_2286634652187337510_n.pn

 

27
Ago17

[Resenha Literária] Fazes-me falta

Carolina Cruz

Fazes-me-Falta.jpg

 

Só me apetece dizer isto: Que livro brilhante de Inês Pedrosa!
Pois é, mas não posso ficar-me apenas por estas palavras, porque tenho mesmo de falar-vos sobre este livro que nos dá tanto que pensar, sobretudo o seguinte...
O ser humano vive tão agitadamente, leva a vida a um ritmo tão acelerado que não paramos para pensar.
A vida muda, as circunstâncias mudam, temos atitudes que nos mudam, que mudam os outros perante nós, nasce ciúme onde não notamos, afastamo-nos das pessoas que amavamos, criamos amores platónicos, discutimos com o verdadeiro amor da nossa vida, mas só quando a morte nos bate à porta, às vezes de forma imprevísivel tomamos conta de tudo isso.
Após a morte de alguém querido, o que somos? Que memórias ficam? Quantas palavras por dizer?
Momentos por viver, gargalhadas por soltar.
Quem somos nós depois da nossa morte? O que resta de nós? O que fica?
"Fazes-me falta" é um livro "contada em duas vezes" - uma mulher que acaba de morrer e uma amigo seu que a vê partir.
Neste livro, estes velhos amigos que permanecem-no após qualquer distância, até a da morte, desvendam o que vai nos seus corações, a desilusão, a amizade, os remorsos, a perda, a falta e o amor, desvendado assim todas as questões feitas anteriormente.
Um livro com uma escrita incrível, simples e tão brilhantemente complexa, com jogos de palavras sentimentos literariamente belos.
Um verdadeiro tesoure este livro!
16
Ago17

[Resenha Literária] Eu dou-te o sol

Carolina Cruz

20708136_755765761297318_6495848883056638408_n.jpg

 

 
"Eu dou-te o sol" é um livro para jovens adultos, considerado o melhor do género em 2014. 
Quem o ler vai perceber porquê. 
É um livro leve, bonito e que nos deixa a refletir.
Contando a história de dois irmãos gémeos (Noah e Jude) com um elo de ligação bastante forte que se quebra após a morte da mãe, este livro leva-nos ao encontro do amor e do perdão. 
É verdade que não podemos escolher a nossafamília, mas podemos escolher como vivenciar com ela. 
Noah e Jude depois de ultrapassarem milhares de rumos e experiências diferentes vão entender que há milhares de outras coisas que ainda os liga. 
Porém, será que tudo se irá manter depois de tantas mentiras e segredos revelados? 
Leiam, vale mesmo a pena!
 
 

 

12
Jul17

[Resenha Literária] Reflexos da lua

Carolina Cruz

250x.jpg

 

Coloquem na vossa lista este livro para ler: “Reflexos da lua” de Adelaide Miranda.
É um livro intenso, bonito, que nos fala sobre o amor, que nos mostra que todos nós somos merecedores de um romance como nos filmes, mesmo quando não acreditamos que é possível.
A lua é a “personagem principal” e a culpada deste romance tórrido e maravilhoso que nos relata a Adelaide. Porém… ainda que haja amor, há um suspense que nos agarra à história…
O que farias se o teu namorado aprisionasse o teu amor e a tua relação entre quatro paredes, com medo de assumir-te perante a sua empresa, porque tem um cargo importante? 
Há uma grande diferença de idades entre este casal, mas será isso razão para não assumirmos o que sentimos? 
O amor verdadeiro vence todas as barreiras, mas será que o amor é suficiente perante a distância, o medo e o poder económico e social? 
Leiam, que vale mesmo a pena!

30
Jun17

[Resenha Literária] 20 danças

Carolina Cruz

image.jpg

 

“20 danças” é, sem dúvida alguma, um livro juvenil bastante original, diferente, ousado e divertido.
Como o título indica são 20 danças, 20 contos escritos por 20 autores diferentes. Entre eles John Green, autor de que sou fã e que me levou a comprar o livro.
Uma vez que este não é um livro comum, com uma história seguida, mas sim, com vários contos, histórias e escritas diferentes, é difícil fazer-lhe uma crítica geral, ou dar uma cotação que seja justa.
Quero com isto dizer que, destas vinte danças, adorei umas, amei outras, não percebi o sentido de algumas e odiei umas quantas. Mas sinceramente, diverti-me a lê-lo, pois fez-me recordar os tempos do secundário, os amores perdidos, os amores platónicos, os primeiros beijos, as primeiras bebedeiras, os amigos que ficam para sempre e aqueles que mais tarde nem iremos sequer ligar para dar os parabéns.
O baile de finalistas é o final de muitos anos para contar e ao mesmo tempo um começo de um futuro mais adulto, mais responsável. O baile de finalistas coloca um fim aos tempos que dizem ser os melhores da nossa vida.
Como já disse este é um livro para jovens, tem contos para todos os gostos, uns são de fantasia, outros falam de amor, família, bebedeiras, amizade, erros e idiotices, aborda a homossexualidade e assuntos sérios também.
Tenho pena que nem todos os contos tenham sido traduzidos para português, porque o livro original tem 21 contos.
Leiam e formem a vossa opinião, acho que apesar de tudo vão gostar de o ler.
Até porque o autor que me fez trazer o livro para casa tem, na minha opinião, um conto dos mais divertidos, senão o melhor. É com John Green que o livro termina!

04
Jun17

[Séries] 13 reasons why

Carolina Cruz

13reasonswhy.jpeg

 

Já aqui falei sobre o livro, hoje vou falar da série do Netflix baseada em "Por treze razões".
Na minha opinião, tal como tinha vindo a ouvir das outras pessoas, a série, é sem dúvida, melhor que o livro. Vou passar a explicar porquê.
Enquanto o livro se centra mais em Clay e na descoberta deste sobre as treze razões que levaram a rapariga que amava a acabar com a vida. Na série, conseguimos compreender melhor a envolvência das treze pessoas a quem pertencem as cassetes.
Quero dizer que, durante estes treze episódios conhecemos mais detalhadamente as personagens.
Porém algumas diferenças são visíveis. Na minha opinião, o livro apresenta um Clay que é mais reservado ainda e que, a meu ver, tem muito menos ligação com a Hannah do que o Clay da série.
As razões da Hannah, tal como no livro, começam a ter maior intensidade a meio e conseguimos sentir o seu declínio, porque tal como disse anteriormente conhecemos melhor a forma como ela se relaciona com as outras personagens e como elas são.
É uma série com conteúdo forte e susceptivel e, como o livro, creio que não deve ser visto por todos os jovens. Pode ser um certo despoletar para quem, tal como Hannah, pensa nesse fim.
Também por isso, penso que mais importante do que ser vista pelos jovens, deve ser vista pelos pais e educadores, surgindo como um alerta, para que casos como o de Hannah não aconteçam nas suas vidas.

 

 

03
Jun17

[Resenha Literária] Nos braços do Vagabundo

Carolina Cruz

14238298_1274656545879096_1389155688479198759_n.jp

 

O amor cura, mas também dói. O amor fere mas é o primeiro passo para o tratamento da alma.
Quando perdemos alguém nunca julgamos que essa pessoa leva consigo o nosso mundo, sentimo-nos vazios, moribundos, doentes, procurando um destino fatal.
Estas palavras e pensamentos reveem-se no papel de Sofia, a protagonista deste livro – “Nos braços do vagabundo” de Letícia Brito.
Sofia é uma jovem carismática, no entanto a perda do seu verdadeiro amor irá consumi-la, desejando até a sua própria morte. Sofia adquire depois de perder o seu Francisco, uma depressão pós traumática, pois antes já havia perdido o pai e afeiçoando-se ao seu primeiro amor viu nele um escape e uma cura para a ferida incurável que é a morte de um pai. Ora, perdendo Francisco, Sofia perdera o rumo, e é aqui que o enredo valente desta história brilhante começa.
Letícia (a autora) consegue ter o tato fantástico de saber como se pôr na pele de Sofia, faz-nos sentir de forma intensa o que a sua personagem sente. Porque embora esta seja uma rapariga cheia de sonhos, o passado infeliz, de bullying, de um amor perdido, fere-a mais do que qualquer ponto positivo: um novo amor, um trabalho de sonho.
Este é um livro que nos ensina muito, que tem o objetivo de marcar e de levar à consciência de cada um que o lê que ainda há muito por fazer quando questionamos ou falamos de doenças do foro psicológico, a nossa sociedade ainda está muito aquém, ainda os chama de loucos, ainda acha que não existe razão para tamanha tristeza, que não passam de lamentações. Mas não, as doenças como estas são delicadas, precisam de cuidados, de serem lidas, de terem atenção por parte de todos os nós.
Leiam este livro porque vale mesmo a pena, tem uma mensagem importante e marca, marca mesmo.

27
Mai17

[Resenha Literária] Até que a doença nos separe

Carolina Cruz

93515960-352-k113970.jpg

 

 
É interessante como a escrita pode, realmente, ser uma paixão comum do ser humano e, na maioria das vezes, essa paixão tende a nascer cedo.
João Jesus e Luís Jesus são dois jovens bloggers (letras aventureiras) de 14 anos, amantes da escrita e esta é, para eles, um sonho, que têm vindo a concretizar em livro.
"Até que a doença nos separe" é o segundo livro destes irmãos, sendo este o seu primeiro livro na Capital Books.
João e Luís apresentam neste livro a história de dois adolescentes (Rui e Molly) com gostos e vidas diferentes, que se apaixonam.
Rui tem leucemia e combate esta com bastante humor.
É um romance que envolve aventura, dor e paixão. É divertido e engraçado!
Fez-me lembrar quando também eu comecei a escrever, fez-me relembrar os velhos tempos. Têm uma escrita jovem e que expressa a sua idade, uma vez que vai ao encontro da vida e maturidade destes jovens escritores.
Curiosos? Tratem de ler!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D