Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

Corpo morto e só

tumblr_mqlc264ztX1sukbefo1_500.jpg

 

Morreste-me nos braços.
Foi praticamente isso.
Foi exatamente isso que senti.

Fiquei sem ti, fiquei sem chão.
Quem sou eu sem ti? Onde estou? Como sou?
Vagueio-me e deixo-me fugir, andar somente por aí.
Partiste sem uma palavra, uma desculpa ou um perdão.
Eu não merecia isto.
Eu não merecia isto.
Não, repito, não merecia.


Dói-me o peito só de pensar.
Respirar era essencial, agora sinto que nem disso preciso.
Não preciso de nada sem ti, não quero mais nada.


Morreste-me.

Perdes-te, perdi-te, perdemo-nos.
Tudo fomos, nada somos, nada mais seremos.
Tu escolheste, tu partiste, tu foste sem mim.
Tu quiseste, tu viverás bem assim.
Mas então porque me falta o ar desta forma se não mereces?
Não entendo.
Não te entendo.
Não me entenderei nunca por te ter amado assim.
Morro sem nada, vivi com tudo, contigo.
Sou uma levre brisa que assenta no tempo,
Sou pó,
Corpo morto e só.

* Filmes com história: Beleza Colateral

17076098_145509949302485_9149530270452416512_n.jpg

 

 
 
 
Há três coisas que os seres humanos têm em comum: o amor, o tempo e a morte.
O que dirias se pudesses escrever-lhes? Sim, ao amor, ao tempo e à morte…
Como te sentirias se deles obtivesses uma resposta?
Howard entra numa depressão após acontecer algo trágico na sua vida e ao escrever a estas três realidades com uma tamanha desilusão, desistindo de todas elas e implorando à morte que lhe leve a sua vida, é confrontado por elas, sendo que estas lhe chamam à razão.
Porque embora estas três coisas que nos ligam sejam difíceis de definir, assim como é difícil viver e vencer na vida depois de nos irmos abaixo, merecemos uma segunda oportunidade, merecemos dar uma nova oportunidade àquilo que somos, mas será que Howard está disposto a isso?
“Beleza colateral” é um filme com um elenco excecional, incluindo Will Smith, Kate Winslet e Edward Norton. É um filme que demonstra que todos carregamos uma história, com desilusões e erros, mas também com alegrias e com uma tamanha beleza. Não nos podemos desligar dessa beleza colateral que existe em cada uma das nossas vidas.
Um filme bonito e realista. Um filme que todos deveriamos assistir.
 

* TV Shows: 13 reasons why

13reasonswhy.jpeg

 

Já aqui falei sobre o livro, hoje vou falar da série do Netflix baseada em "Por treze razões".
Na minha opinião, tal como tinha vindo a ouvir das outras pessoas, a série, é sem dúvida, melhor que o livro. Vou passar a explicar porquê.
Enquanto o livro se centra mais em Clay e na descoberta deste sobre as treze razões que levaram a rapariga que amava a acabar com a vida. Na série, conseguimos compreender melhor a envolvência das treze pessoas a quem pertencem as cassetes.
Quero dizer que, durante estes treze episódios conhecemos mais detalhadamente as personagens.
Porém algumas diferenças são visíveis. Na minha opinião, o livro apresenta um Clay que é mais reservado ainda e que, a meu ver, tem muito menos ligação com a Hannah do que o Clay da série.
As razões da Hannah, tal como no livro, começam a ter maior intensidade a meio e conseguimos sentir o seu declínio, porque tal como disse anteriormente conhecemos melhor a forma como ela se relaciona com as outras personagens e como elas são.
É uma série com conteúdo forte e susceptivel e, como o livro, creio que não deve ser visto por todos os jovens. Pode ser um certo despoletar para quem, tal como Hannah, pensa nesse fim.
Também por isso, penso que mais importante do que ser vista pelos jovens, deve ser vista pelos pais e educadores, surgindo como um alerta, para que casos como o de Hannah não aconteçam nas suas vidas.

 

 

Oh, meu amor!

tumblr_static_idosos_.jpg

 

Oh, meu amor...
Como o tempo passou!
Já não és mais a menina ladina de tranças, mas esses olhos cor de limão ainda permanecem com o mesmo brilho!
Como o tempo passou por nós...
Erámos meninos e eu vivia no teu coração!
Hoje vives também no meu, num casamento tão bonito.
Não me esqueço nunca como eras rabugenta, como eu me ria com o teu mau feitio. A mulher ciumenta que sempre se preocupou e que, na verdade, sempre amei.
Faltam-me as palavras...
Por ti, tudo quero.
Por ti, tudo fiz, tudo farei.
Por isso morrerei de desgosto ao ver-te partir...
Oh, meu amor...
 

 

Tu bastas-me.

751449a99dfbcb62c1bf2ddba41608cc.jpg

 

Pipocas (um balde cheio), uma série e milhares de sorrisos. Basta-me.
Tu bastas-me.
O teu carinho, o teu conforto, o teu sorriso e o teu amor.
Esse amor que não cessa, esse amor que se constrói a cada dia.
Por isso, no calor da noite, eu só quero que me aconchegues.
Contigo, posso até virar rotina, desde que os nossos beijos sejam sempre iguais, cheios de pedaços gigantes de cumplicidade.
Contigo, tu e eu, para sempre. Até sermos velhinhos.
Tu e a bola, eu e um livro. Mas no fim da noite, ai o fim da noite!
Pipocas (um balde cheio), uma série e milhares de sorrisos!
O que vier depois disso será segredo, será nosso, será amor. Amor para viver, não para mostrar ao mundo. Eu e tu, para sempre. Até sermos velhinhos. Até não conseguirmos amar mais, porque os braços cessam e porque o corpo pesa.
Virá a morte, mas não o esquecimento. Virá a morte, mas não o término. Porque este “para sempre”, vai muito além da eternidade.
Eu e tu, para sempre. Basta-me.

 

 

 

* Filmes com história: Death Clique

11346250.jpg

 

A amizade é dos sentimentos mais puros, como é que alguém consegue pensar em condená-la?
As condições, horas, e a adrenalina do dia-a-dia fazem com que façamos coisas sem pensar com sensatez e, por vezes, confiar em pessoas às cegas. É verdade. Porém, há erros imperdoáveis, e consequências que nos marcam para toda a vida.
Jade e Sara são as melhores amigas e prometem amizade eterna. No entanto, tudo muda com a chegada de Ashley, uma miúda calculista, mal-intencionada e fria, que trava uma amizade demasiado íntima com Jade. Deixando que esta deixe para trás uma amizade verdadeira de anos.
“Amizade fatal” é um thriller que eu considerei brutal e horrível.
Brutal porque nos agarra do início ao fim, por causa da crueldade da história e da frieza da personagem principal.
Considero horrível, tendo em conta que é um filme baseado numa história verídica. Mas afinal que história horrível é esta?
Vejam e deixem-se surpreender.

 

 

* O teu olhar: Longínquos.

catia cardoso.jpg

 

Vim buscar-te, trazer-te de volta para os meus braços. Posso pedir-te isso só por um segundo?
Todos os minutos da minha vida, na tua ausência, eu perco-me enquanto procuro ir ao teu encontro. Sei que vieste de longe, para me veres chegar um dia. Sei que somos longínquos demais para estarmos perto. No entanto, não é isso que me faz amar-te menos, muito pelo contrário. Há algo na tua ausência, na saudade de ti, que se transforma em magia quando te vejo.
Desculpa, se questionei todas as vezes que achava que não iria resultar este nosso amor à distância, desculpa se te fiz chorar nas despedidas, mas ainda assim te beijo as mesmas lágrimas neste meu regresso.
Sempre que entro naquele comboio, que me leva até aos teus braços, tenho tempo para pensar que, o nosso amor é tão louco como uma viagem, daquelas que fazemos sem rumo. Não importa como começou, nem sequer se terá termo certo. Tal e qual como as linhas férreas que parecem infinitas, tenebrosas, cheia de deslizes, pedras, mas são tão longas e infinitas que nunca ninguém soube se tinham fim, ou se souberam, não acredito que saibam onde termina.
Assim me sinto quando te encontro. Mesmo tendo a morte como certa, acho que no teu beijo viverei para sempre.
 
 

 

(Fotografia da autoria da talentosa Cátia Cardoso)

* Filmes com história: Capítulo 27

chapter27-1.jpg

 

“Capítulo 27” tem uma história delicada, uma história que marcou o mundo, uma história que é verdadeira e fala sobre a morte de uma lenda – John Lennon.
A imagem que este filme passa para quem o vê, na minha opinião, é impressionante. Vê-se realmente bem a entrega de Jared Leto ao papel mais complicado da trama (papel principal) na pele de Mark Chapman (o assassino de Lennon).
Mark é um homem que se dizia fã da banda tão aclamada na qual John Lennon pertencia (The Beatles, nem é preciso dizer). Apresentou-se muitas vezes à porta dele para poder conhecê-lo, era o seu sonho. Até ao dia em que ao ler assuntos íntimos que Lennon confessara numa entrevista incutiu para si mesmo, que o homem dito o rei da paz e da harmonia, mais a sua Yoko, não passava de uma fraude e horas após conseguir o seu disco autografado, Mark pôs fim à vida de uma lenda.
Muitas pessoas diziam que o seu assassino o matara para ter a sua vida ligada para sempre à do cantor, há quem diga que foi para tê-lo para si. No entanto, Mark confessou na vida real, que achava que ao matar Lennon se tornaria alguém, dizia que ouvia vozes que o faziam o cumprir o seu ato, encarnando Holden (um jovem revoltado) do livro “O apanhador no campo de centeio”.
Hoje em dia Mark continua preso, embora tenha pedido várias vezes libertação, todas foram negadas, sendo que a sua sentença será avaliada novamente para o ano (2018).
Quanto a Jared Leto, um ator incrivelmente camaleónico, confessou que este filme mexeu bastante com o seu íntimo e com a sua autoestima. São visíveis as parecenças com o assassino, tendo Jared engordado 18 quilos para encarnar a personagem, 18 quilos que o mesmo dizia ser uma vergonha, que lhe provocou vários problemas durante as gravações.
Vejam este filme intenso e perturbador que conta a história do homem que chocou o mundo, que pôs fim à vida do ídolo de milhares de pessoas, um homem crente na paz que teve um destino infeliz e precoce.

 

 

* Filmes com história: Amor Impossível

542905.jpg

Nem sempre ouvimos quem nos quer bem. Morremos por um amor impossível e dizemos dar a vida a esse amor como nas vidas literárias que nos amarram o peito a sonhos irreais.
Até onde somos capazes de ir por amor? Que sentimentos nos traz a morte de alguém tão próximo? Quando vemos o nosso caminho perder-se sem respostas?
Cristina acha que o amor é em determinado em estado liquído como o sangue, como o sémen, como a água sem a qual não sobrevivemos.
Um conjunto de factos que nos faz pensar, a nós e a um casal da PJ que investiga o caso do desaparecimento dessa mesma jovem.
Desaparecimente esse que faz pessoas à volta reconstruir as suas vidas, repensando o significado do amor.
"Amor Impossível" é um filme portugues de António Pedro Vasconcelos que vale a pena ser visto, porque nos fala sobre a violência e o perdão, com fantásticos papeis interpretados pela Vitória Guerra e José Mata.
Vejam, porque o cinema português também tramas de muito boa qualidade, é o caso de "Amor Impossível".

 

 

# Completas-me 16 - com Cátia Madeira

Hoje temos a querida Cátia, do blog "Em busca da felicidade" com um texto a duas mãos que é tudo menos feliz, no entanto, acredito que vos vai apegar do início ao fim. Espero que gostem tanto, como eu gostei desta parceria!

 

"As lágrimas que caem no meu rosto seguem o compasso das ondas que batem fortes na areia da praia. O som que me acalma os pensamentos. O coração. Os sentimentos. Tento acertar o bater do meu coração mas está descontrolado.
A mala a meu lado. Dois tarecos e meio. A saudade cá dentro. O medo de perder quando sei que fui eu que fugi.
Não queria ter virado costas. Pediste que ficasse. Que tudo se resolvia.
Resolvia?
- Às vezes parece que já não nos conhecemos.
- Mas como, se ninguém me conhece melhor que tu?
Como? Se nem eu me conheço como tu sabes o que sou? Como posso achar que já não nos conhecemos.
A minha cabeça. As minha dúvidas. A minha procura pela perfeição.
Não sei se te faço bem. Se sou o melhor para ti.
- És quem eu quero. Deixa-me ser eu a escolher.
Escolhi por ti. Bati a porta e saí.
O caminho não sei como o fiz e dei comigo em frente ao mar. Aquele que me lava a alma. Aquele com que acerto as batidas do meu coração. Aquele que espelha as lágrimas que trago no rosto. Dois mares salgados frente a frente. Um puro, outro ensombrado pela dor de quem escolheu da pior forma. De quem quer voltar atrás mas não tem coragem para isso.
Escolheste vir embora. Agora não podes voltar sem mais nem menos.
A minha mente comanda. O meu coração obedece.

Sinto passos atrás de mim. Como quero que sejas tu. Como quero que me abraces e me digas que tudo vai ficar bem. Que me amas mesmo louca. Que me envolvas nos teus braços. Ponhas o teu casaco sobre os meus ombros e pegues na minha mala.
- Vamos para casa. – dizias – para nossa casa.
E eu ia contigo.
Se me conheces como sei que sabes quem sou, encontras-me aqui. Neste espaço que me acalma as batidas do coração."

 

lbo15387smaller_0.jpg

 

Mas não, não eras tu. Nunca serás tu, depois de toda a desilusão que prendi em ti, nunca serei eu de volta ao teu coração. No entanto, no meu coração estarás sempre até ele deixar de bater. Apesar de tudo, amo-te. E o meu coração só deixará de te amar quando tudo terminar.
É isso, é isso mesmo. Quero que ele deixe de bater, já, agora.
As ondas estão revoltas, o mar está bravo, dispo a roupa, tal e qual como gostavas que me despisse para ti, ali estava o meu corpo nu a amar-te como uma louca, como se as ondas fossem a tua cama, como se o mar fosse o meu crematório.
Entrei a medo, a água gelada quebrou o meu corpo quente, naquele inverno frio. Não podia desistir, eu tinha sido fraca toda a vida, mas naquele momento tinha de ser forte, quebrar tudo, quebrar-me a mim. A louca não partira apenas da tua vida, mas do meu corpo também, partira para sempre.
O meu corpo começava a gelar, os meus pés não viam o fundo e eu via o meu fim à vista, estava a conseguir.
Estava prestes a perder os sentidos, quando ouvi uma voz dentro de mim, eras tu, a tua voz doce, que me fazia recuar, mas já não conseguia, os meus olhos já se tinham fechado.
Eras mesmo tu e não uma voz dentro de mim, eras tu que me agarravas, e choravas, só a minha alma te podia ver, o meu corpo já não te podia tocar.
Chegaste tarde demais, e eu parti demasiado cedo. Não devia, desculpa. Hoje choro, mas não serve de nada. Será que se arrependimento matasse, eu voltaria a viver?
Por vezes não entendemos que os nossos atos magoam os outros. Eu marquei-te e magoei-te para a vida toda, deixando partir a minha.
Sei que esse teu corpo é só apenas uma miragem, porque também desejas partir nesse mar, mas pensa em mim, e sempre que quiseres, se isso te liberta, vem lembrar-me, encontra-me aqui, talvez um dia quando houver pozinhos mágicos, eu possa voltar.

  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Outros lugares

Blogues à Mesa
3XQY_12a3qPlDRIcVpKJSt0ZO-QUA-vmBk3L3bSl7jI.png