Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

18
Set17

[Resenha literária] Tudo, tudo... e nós

Carolina Cruz

31804840.jpg

 

“Tudo, tudo e nós” é um livro simples, mas tremendamente “encantador e poético” como definiu o The New York Times. 
Quando digo simples, quero dizer de fácil leitura. 
A sua leitura fácil caracteriza-se pelas descrições maravilhosas, inocentes e inteligentes
de Maddy, uma rapariga que vive isolada do mundo, por estar doente e que tratada pela mãe, que faz tudo por ela.
Porém, o seu pequeno mundo muda quando Olly, o novo vizinho aparece na sua vida e é impossível que Maddy não se apaixone. 
O que fará ela pelo seu primeiro amor?
Como seriamos nós se vivêssemos fechados numa bolha? Sem conhecermos o que nos rodeia? Viver no meio dos livros é bom, amar a nossa mãe também, mas nós também precisamos de conhecer novos rostos, fazer novos amigos, novas aventuras, será que a doença de Maddy o permite? 
“Tudo, tudo e nós” é um livro tremendamente mágico, que nos fala sobre o amor. Esse amor que nos move, que comanda as nossas ações, “o amor mata”, “o amor enlouquece”, mas à conclusão que chegamos com este livro e com a vida, é que independemente de como a vida nos seja oferecida é, ainda assim, bom amar!
E eu amei este livro!

 

tudo tudo e nos efeito dos livros opiniao livro.jp

 

27
Ago17

[Resenha Literária] Fazes-me falta

Carolina Cruz

Fazes-me-Falta.jpg

 

Só me apetece dizer isto: Que livro brilhante de Inês Pedrosa!
Pois é, mas não posso ficar-me apenas por estas palavras, porque tenho mesmo de falar-vos sobre este livro que nos dá tanto que pensar, sobretudo o seguinte...
O ser humano vive tão agitadamente, leva a vida a um ritmo tão acelerado que não paramos para pensar.
A vida muda, as circunstâncias mudam, temos atitudes que nos mudam, que mudam os outros perante nós, nasce ciúme onde não notamos, afastamo-nos das pessoas que amavamos, criamos amores platónicos, discutimos com o verdadeiro amor da nossa vida, mas só quando a morte nos bate à porta, às vezes de forma imprevísivel tomamos conta de tudo isso.
Após a morte de alguém querido, o que somos? Que memórias ficam? Quantas palavras por dizer?
Momentos por viver, gargalhadas por soltar.
Quem somos nós depois da nossa morte? O que resta de nós? O que fica?
"Fazes-me falta" é um livro "contada em duas vezes" - uma mulher que acaba de morrer e uma amigo seu que a vê partir.
Neste livro, estes velhos amigos que permanecem-no após qualquer distância, até a da morte, desvendam o que vai nos seus corações, a desilusão, a amizade, os remorsos, a perda, a falta e o amor, desvendado assim todas as questões feitas anteriormente.
Um livro com uma escrita incrível, simples e tão brilhantemente complexa, com jogos de palavras sentimentos literariamente belos.
Um verdadeiro tesoure este livro!
16
Ago17

[Resenha Literária] Eu dou-te o sol

Carolina Cruz

20708136_755765761297318_6495848883056638408_n.jpg

 

 
"Eu dou-te o sol" é um livro para jovens adultos, considerado o melhor do género em 2014. 
Quem o ler vai perceber porquê. 
É um livro leve, bonito e que nos deixa a refletir.
Contando a história de dois irmãos gémeos (Noah e Jude) com um elo de ligação bastante forte que se quebra após a morte da mãe, este livro leva-nos ao encontro do amor e do perdão. 
É verdade que não podemos escolher a nossafamília, mas podemos escolher como vivenciar com ela. 
Noah e Jude depois de ultrapassarem milhares de rumos e experiências diferentes vão entender que há milhares de outras coisas que ainda os liga. 
Porém, será que tudo se irá manter depois de tantas mentiras e segredos revelados? 
Leiam, vale mesmo a pena!
 
 

 

12
Jul17

[Resenha Literária] Reflexos da lua

Carolina Cruz

250x.jpg

 

Coloquem na vossa lista este livro para ler: “Reflexos da lua” de Adelaide Miranda.
É um livro intenso, bonito, que nos fala sobre o amor, que nos mostra que todos nós somos merecedores de um romance como nos filmes, mesmo quando não acreditamos que é possível.
A lua é a “personagem principal” e a culpada deste romance tórrido e maravilhoso que nos relata a Adelaide. Porém… ainda que haja amor, há um suspense que nos agarra à história…
O que farias se o teu namorado aprisionasse o teu amor e a tua relação entre quatro paredes, com medo de assumir-te perante a sua empresa, porque tem um cargo importante? 
Há uma grande diferença de idades entre este casal, mas será isso razão para não assumirmos o que sentimos? 
O amor verdadeiro vence todas as barreiras, mas será que o amor é suficiente perante a distância, o medo e o poder económico e social? 
Leiam, que vale mesmo a pena!

30
Jun17

[Resenha Literária] 20 danças

Carolina Cruz

image.jpg

 

“20 danças” é, sem dúvida alguma, um livro juvenil bastante original, diferente, ousado e divertido.
Como o título indica são 20 danças, 20 contos escritos por 20 autores diferentes. Entre eles John Green, autor de que sou fã e que me levou a comprar o livro.
Uma vez que este não é um livro comum, com uma história seguida, mas sim, com vários contos, histórias e escritas diferentes, é difícil fazer-lhe uma crítica geral, ou dar uma cotação que seja justa.
Quero com isto dizer que, destas vinte danças, adorei umas, amei outras, não percebi o sentido de algumas e odiei umas quantas. Mas sinceramente, diverti-me a lê-lo, pois fez-me recordar os tempos do secundário, os amores perdidos, os amores platónicos, os primeiros beijos, as primeiras bebedeiras, os amigos que ficam para sempre e aqueles que mais tarde nem iremos sequer ligar para dar os parabéns.
O baile de finalistas é o final de muitos anos para contar e ao mesmo tempo um começo de um futuro mais adulto, mais responsável. O baile de finalistas coloca um fim aos tempos que dizem ser os melhores da nossa vida.
Como já disse este é um livro para jovens, tem contos para todos os gostos, uns são de fantasia, outros falam de amor, família, bebedeiras, amizade, erros e idiotices, aborda a homossexualidade e assuntos sérios também.
Tenho pena que nem todos os contos tenham sido traduzidos para português, porque o livro original tem 21 contos.
Leiam e formem a vossa opinião, acho que apesar de tudo vão gostar de o ler.
Até porque o autor que me fez trazer o livro para casa tem, na minha opinião, um conto dos mais divertidos, senão o melhor. É com John Green que o livro termina!

03
Jun17

[Resenha Literária] Nos braços do Vagabundo

Carolina Cruz

14238298_1274656545879096_1389155688479198759_n.jp

 

O amor cura, mas também dói. O amor fere mas é o primeiro passo para o tratamento da alma.
Quando perdemos alguém nunca julgamos que essa pessoa leva consigo o nosso mundo, sentimo-nos vazios, moribundos, doentes, procurando um destino fatal.
Estas palavras e pensamentos reveem-se no papel de Sofia, a protagonista deste livro – “Nos braços do vagabundo” de Letícia Brito.
Sofia é uma jovem carismática, no entanto a perda do seu verdadeiro amor irá consumi-la, desejando até a sua própria morte. Sofia adquire depois de perder o seu Francisco, uma depressão pós traumática, pois antes já havia perdido o pai e afeiçoando-se ao seu primeiro amor viu nele um escape e uma cura para a ferida incurável que é a morte de um pai. Ora, perdendo Francisco, Sofia perdera o rumo, e é aqui que o enredo valente desta história brilhante começa.
Letícia (a autora) consegue ter o tato fantástico de saber como se pôr na pele de Sofia, faz-nos sentir de forma intensa o que a sua personagem sente. Porque embora esta seja uma rapariga cheia de sonhos, o passado infeliz, de bullying, de um amor perdido, fere-a mais do que qualquer ponto positivo: um novo amor, um trabalho de sonho.
Este é um livro que nos ensina muito, que tem o objetivo de marcar e de levar à consciência de cada um que o lê que ainda há muito por fazer quando questionamos ou falamos de doenças do foro psicológico, a nossa sociedade ainda está muito aquém, ainda os chama de loucos, ainda acha que não existe razão para tamanha tristeza, que não passam de lamentações. Mas não, as doenças como estas são delicadas, precisam de cuidados, de serem lidas, de terem atenção por parte de todos os nós.
Leiam este livro porque vale mesmo a pena, tem uma mensagem importante e marca, marca mesmo.

20
Mai17

[Resenha Literária] Por treze razões

Carolina Cruz

liv01990091_f.jpg

 

 
 
Hannah Baker é uma rapariga bonita, popular, mas não pelas melhores razões, muitos dos seus amigos não a respeitam, à excepção de Clay.
No entanto, Clay descobre que pode ter errado com Hannah. Tem uma vontade imensa de voltar atrás para lhe pedir desculpa, mas o problema é esse, não pode, Hannah Baker está morta.
Suicidou-se e tem treze razões que justificam a sua escolha.
Hannah antes de escolher o seu destino, gravou essas mesmas razões para mostrar como se sentira.
Como reagirá Clay? Será um dos implicados na sua morte?
O livro que inspirou a série tão badalada do Netflix, um livro que não me apegou no ínicio, mas do qual, não quis largar a partir do meio.
Uma história de suspense e de amor diferente. Uma história crua e, para muitos, pode ser mesmo pesada!
Já leram? Ou renderam-se logo à série?
 
09
Mai17

[Resenha Literária] Eu estive aqui

Carolina Cruz

Liv60710014_f.jpg

 

Não estamos sozinhos na dor. Nunca estaremos. É este o mote de Gayle Forman para o seu livro "eu estive aqui".
Este livro conta a história de Meg, uma jovem aparentemente feliz e de bem com a vida. No entanto, não é bem assim, pois a história é narrada por Cody, a sua melhor amiga, que fica destroçada ao saber do seu suícidio.
Cody, não se conformando com o destino trágico da amiga, vai em busca de factos, de pessoas e de lugares que possam estar ligados à morte de Meg.
Como conseguirá ela vingar a morte da amiga? Afinal quantas pessoas que tal como ela, se possam sentir culpadas? Quem é o verdadeiro culpado? Conseguirá Cody seguir em frente depois da morte da melhor amiga?
Gayle Forman, a minha autora favorita, não desilude! Apresenta um livro cheio de mistério, amor e coragem, deixando uma mensagem a todos os jovens que estejam a passar pela mesma dor ou que tenham alguém próximo que cometera o suícidio.
É um livro forte e interessante!

11
Jan17

[Resenha Literária] Linhas Delicadas

Carolina Cruz

12773161_676029162538266_750013342_o.jpg

 

 

“Linhas delicadas” de Cátia Cardoso é o primeiro romance da jovem autora. E posso-vos dizer que, na minha humilde opinião (na qual podem acreditar), a Cátia é uma autora promissora, pois tenho-vos a dizer igualmente que o seu livro não ficou aquém das minhas expectativas, aliás, muito pelo contrário, superou-as.
Este seu primeiro romance é um livro que nos atrai a ler mais e mais. Tem suspense, amor e talento em cada (entre)linha deste livro!
“Linhas delicadas” fala-nos de uma família de três irmãs, que irá atravessar vários problemas após o falecimento do pai e da fuga de uma das irmãs (Benedita). Bianca, a irmã do meio, apaixona-se por um rapaz que poderá ou não ser o culpado pela sua irmã ter querido fugir. Como fica a sua vida após tudo isto?
Este livro faz-nos pensar sobre vários aspetos da nossa vida, sobretudo que a felicidade é uma constante - ainda que existam maus momentos, temos de nos agarrar a algo bom para nos mantermos de pé, não é verdade?
Faz-nos pensar igualmente que cada pessoa é só por si só um segredo, uma complexidade, que se deve ler nas entrelinhas, porque como a própria autora tem vindo a citar a frase que melhor define este livro - “nunca se sabe os segredos mais complexos que as pessoas mais simples podem guardar”.
Interessante? Realmente! Empolgante? Não diria melhor! Aterrador? Nem mais! Forte, muito. E apaixonante também!
Por favor, não deixem de ler! Vale mesmo muito a pena!

10
Jan17

[Resenha Literária] Coisas que nos diz o coração

Carolina Cruz

1507-1.jpg

 

O segredo é procurar, sempre, seguir o coração, é ele quem nos traz as melhores lembranças e nos faz seguir em frente.
Por vezes, quando agimos com o coração, a cabeça só atrapalha, tentando nos levar sempre por outro caminho. Embora, na maioria das vezes, quem vence é o coração.
“Coisas que nos diz o coração” é um livro para os fãs de John Green, mas a meu ver muito melhor que todos os livros do autor.
Jessi Kirby conta a história de Quinn, uma rapariga que perdeu o seu namorado Trent, num acidente de viação. Após a sua morte, os seus órgãos foram doados a várias pessoas, às quais Quinn escrevera para tentar lidar melhor com a partido do seu amado, tentando fechar um capítulo.
No entanto, o rapaz que recebeu o coração do seu namorado nunca lhe respondeu e sabendo a sua morada, Quinn procura-o, e encontra-o, conhece-o, apaixona-se e uma história de amor surge entre os dois.
Conseguirá este romance vencer a tantas omissões e segredos?
Uma história divertida que nos faz rir e chorar (por mais!).

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D