Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

05
Ago17

[Ficção] Resposta de Susan

Carolina Cruz

tumblr_ll0123igzr1qg6di8o1_500.jpg

 

Leonardo,
Passei todos os meus verões à espera que voltasses.
Permaneci todos os primeiros dias de julho de cada ano à tua espera na estação.
À espera que o tempo nos trouxesse o que era nosso por direito.
Mas os anos foram passando, eu fui amadurecendo, criei a minha vida, experienciei vários empregos, casei, tive filhos.
Dois filhos maravilhosos. Vejo neles a nossa juventude, o amor pela vida, o sorriso nos lábios e o brilho nos seus olhos.
Nunca me esqueci de ti, nem do que vivemos, ou do que podíamos ter vivido.
Tal como esperei por ti todos aqueles anos, esperei por estas palavras.
Porém, lamento dizer-te, mas sim, é tarde demais para vivermos de novo este amor.
O meu marido morreu este ano. Lamento tanto a sua partida, o amor que ele tinha por mim, o meu amor por ele que ficou incompleto, a cumplicidade e a amizade que tínhamos.
É verdade que nunca me esqueci do que vivemos, mas ele fez de mim a mulher mais feliz na tua ausência. Não quero que, na sua ausência, tu sejas a minha felicidade. Peço que respeites.
Ainda assim, ainda que o tempo não volte atrás e nenhum de nós seja o mesmo daquele verão, gostava de te olhar nos olhos, reconhecer o teu rosto.
O que vivemos foi um amor infinito, também podemos chamar isso de amizade, certo?
Espero uma resposta e um sorriso de acordo.

 

Susan.

07
Jul17

[O teu olhar] Fotografar é...

Carolina Cruz

Alexandra Duque (6).JPG

 

“Fotografar” é um verbo tão idêntico ao de “viver”. É não é? Saborear as pequenas coisas, ver o mundo com os nossos olhos, dar ao mundo a perspetiva daquilo com que sonhamos.
Fotografar é exatamente isso, olhar o mundo, ver a beleza nos pequenos prazeres, numa simples flor, numa casa ornamentada tão diferente do que estamos habituados. Fotografar é como viver: explorar, sentir, absorver… E mais! Muito mais…
Fotografar é retirar de nós memórias, de um passado que foi nosso, de uma realidade inquieta que já não nos pertence… Quando fotografamos vemos o mundo com amor, com interior, com delicadeza na alma, uma fotografia é uma identidade, de nós, dos outros, de quem somos, do que nos rodeia.
Viver e fotografar só podem ser verbos infinitamente e intimamente ligados. Assim como o mundo e os nossos olhos, são realidades pura e simplesmente em concordância com o universo.
As memórias e quem somos, o passado e o presente representados numa simples imagem que nos marca para a vida toda.

 

 

 

Fotografia da autoria da Alexandra Duque, uma talentosa blog, que além de tirar fotografias fantásticas, é simpática e muito querida, ainda não conhecem o seu blog Al-duque? É espetacular, visitem! :)

18
Mai17

Beija-me

Carolina Cruz

FB_IMG_1488398799110.jpg

 

Beija-me.
Hoje, amanhã, todos os dias.
Beija-me de olhos fechados.
Beija-me olhando-me nos olhos e soltando uma gargalhada bem sonora, que mostra o quanto és feliz comigo.
Beija-me como se o mundo fosse desabar e os teus lábios não pudessem nunca mais tocar os meus.
É a ti que me rendo todos os dias.
O nosso beijo conta a nossa história. O passado, o presente e até desejos futuros.
Um beijo nosso é a cumplicidade dos nossos olhos ao encontro do amor.
Vem cá, dá-me só mais um!
Um? Hm, talvez não, talvez mais, talvez pudessemos permanecer aqui.

 

 

15
Mai17

O amor virá

Carolina Cruz

tumblr_lpf9u2eji51qi9ujjo1_5001-thumb-582x392-5478

 

Já em tempos dizia que a vida é um lugar estranho, mas bom. Um emaranhado de forças e formas que nos fazem pensar. Não há forma de encontrar ou tomar o amor como uma chávena de café. Acontece e, quando acontece, e é para sempre, tu irás provar do seu veneno. Um veneno que te mata por dentro de forma ardente e que te mantém vivo, ainda que queiras morrer de paixão.
O amor não se procura, não se mendiga, não se impõe. Vai sempre existir alguém que te vai fazer sofrer, desanimar, desgostar de ti, vai deixar de te amar e te deixar na merda. No entanto, quem te quer realmente, com o coração inteiro e não porque sim, vai dar-te o mundo, e quando digo “o mundo”, quero dizer que vai fazer o impossível para permanecer do teu lado, vai amar-te sem regras, vai ser tua parceira, vai aceitar o teu passado, os teus erros, os teus defeitos, a tua maneira de ser. Vai ser contigo, vai torna-te num ser não perfeito, mas completo.
Por isso, esquece e segue a tua vida, que o amor virá.

 

 

29
Abr17

[Ficção] Trouxeste o inverno à minha alma.

Carolina Cruz

Neve Caindo Blog Tumblr.jpg

 

Neste momento, se não te tenho, então não quero mais ninguém.
Envolvo-me entre a roupa, debaixo dos meus cobertores quentes, porque o frio do inverno arrefeceu o meu corpo e, a tua ausência, arrefeceu a minha alma.
Trouxeste o inverno à minha alma.
É impossível não entristecer quando era contigo que me imaginava aqui debaixo, de mãos entrelaçadas até elas ficarem repletas de sabedoria, enrugadas e cheias de amor.
No entanto, naquela manhã tu partiste sem querer me dar satisfações, sem dizeres porque foste. Todo esse amor que anotaste na carta escrita e perdida no passado, não passou de uma mentira e, o amor que hoje sinto, não passa de uma desilusão.
Por isso, relembro tudo como se de um sonho passado se tratasse, como se todos aqueles lugares em que estivemos, todas as conversas partilhadas, todos os beijos ou todo o sexo não passaram de um prazer decidido do meu inconsciente, que acordou esta manhã.
Quero. Juro que quero mesmo levantar-me daqui, sair, seguir em frente. No entanto, uma parte de mim sabe que tudo foi verdade, e é essa consciência que me resiste e que me faz render. Apetecia-me acordar noutro lugar e acreditar que a vida ainda vale a pena, que o meu sorriso encontrará alegria em outro olhar. Será?

 

 

28
Abr17

[Cinema] "Três metros sobre el cielo" & "Tengo ganas de ti"

Carolina Cruz

bbf8398861.jpg

 

Numa palavra: arrebatador. Noutra? Inquietante.
Agarra, prende, derruba, apaixona-nos, faz-nos sofrer, sorrir, acreditar, suar e chorar.
Uf, que filme!
Há passados marcantes, uns que queremos manter, outros que fazemos de tudo para esquecer, para não lembrar.
Existem também pessoas que amamos por inteiro, de forma desmedida, mas talvez, por vezes, amar não baste.
E po rque não? Há milhares de razões. Como há milhares de razões para alguém entrar ou sair da nossa vida.
Na realidade, na vida, tudo acontece por uma razão. No amor também, e há amores que são eternos pela intensidade, pela mudança que geram em nós. Mas quem sabe que, assim sendo, não possa durar mais ainda que o momento? Uma vida?
Babi e Hugo têm vidas, passados e educações completamente diferentes, mas as suas vidas tão diferentes assim irão se cruzar. Por que razão? Com que sentido?
Só há uma forma de saberes - veres e ficares tão rendido quanto eu!
 

tengo_ganas_de_ti_ver2_xxlg.jpg

 

Não devemos fugir ao passado, mas também não devemos ficar presos a ele toda a nossa vida, dessa forma iremos sempre, mesmo que não queiramos, errar com as pessoas presentes no presente, ou ainda assim errar com as pessoas do passado.
Temos de saber perdoar, a nós próprios em primeiro lugar, depois aos outros. Só através do perdão conseguimos seguir em frente.
É verdade que Hugo nunca esqueceu Babi, é verdade que esta, mesmo se negando, também não conseguiu esquecer o seu primeiro amor, a adrenalina, a paixão, a sua história, um romance arrebatador.
O que viveram marcou para sempre a vida de ambos, é impossível passar um pano por cima, mas é possível viver com isso, trabalhar o esquecimento e a saudade.
Custa, dói, magoa, muito mesmo, mas com força de vontade conseguimos.
O que será que vemos neste filme? Um voltar ao passado? Um reencontro desta paixão em nada esquecida? Rumos diferentes? Um novo romance? Uma relação reatada? Há muito por descobrir neste segundo filme – “tengo ganas de ti”, depois de “três metros sobre el cielo”.
Diz que o terceiro filme sairá, em princípio, ainda este ano. Eu que não sou muito de sequelas, fiquei apaixonada por esta. Embora não seja muito falada ou conhecida, esta trama espanhola tem (mesmo) muita qualidade.
Quem já conhecia?

 
 

 

 
 

 

27
Abr17

[Ficção] Amanhã.

Carolina Cruz

Amanhã.jpg

 

Amanhã encontrar-me-ás diferente. Amanhã serei outra. Não acreditas? Bem podes acreditar. Porque eu acredito. Aliás, acredito mesmo. Acredito realmente que, na verdade, mudamos todos os dias. Aprimoramos as nossas defesas. Amanhã não será diferente. Amanhã eu serei melhor, serei mais forte não só por causa dos meus erros, mas também pelos teus.
Sim, se pensas que me senti ofendida ou desiludida, talvez tenhas tido razão, mas isso foi ontem, hoje eu fiz dos nossos erros, certezas de que eu encontrarei alguém melhor, alguém que me complete, que me faça feliz.
A vida é uma constante mudança, e eu gosto de acreditar nisso, que, sim, as coisas sempre acontecem por uma razão, quanto mais não seja para crescermos e eu, podes ver e crer, que cresci.
Tudo passou, na memória ficou. Eu sei e, tu sabes, que não esqueci, é uma marca na minha vida e na tua, é impossível que o esquecimento aconteça.
Não vou ser dramática como acontece nas novelas, nem vou implorar o teu amor como nos filmes, nem apagar todas as histórias ou fotografias como muita gente faz na vida real. Não, nem pensar, nada disso.
Sempre fui uma pessoa muito bem entendida com as minhas escolhas, com os meus erros ou com as minhas batalhas, o que vivemos foi apenas algo que faz parte da minha história e do meu passado, mas não é isso que me define, não é isso que diz quem sou.
Por isso digo a mim mesma, de consciência limpa, que amanhã serei melhor, que amanhã será diferente.

 

 

 

18
Abr17

18 # Existirá destino sem os sonhos?

Carolina Cruz

“Pois merecemos. E termos um final feliz é aceitar que não temos mais nada a ver um com outro a não ser nas memórias. Iludi-me sim, sonhei muito alto, perdi-me no teu corpo, soube-me bem, senti prazer. No entanto, tenho maior prazer ainda em dizer que me desiludiste, o tempo muda as pessoas. Já não és o meu Manel do passado. Perdoo-te sim, ao fechar os olhos e lembrar que o que passou não passou de uma história terminada. Se eu tinha dúvidas hoje não as tenho mais. Tu adoras a sensação de me teres a teus pés, não a minha pessoa propriamente. Não nego nem duvido que me tenhas amado, mas mudaste. E não é a tua pessoa que eu quero na minha vida. Poderei cumprimentar-te, tomar café quando regressar a Portugal, somente isso. Amizade, nada mais. Perdoo-te sim e agradeço-te por teres-me ajudado a virar a página.
Sê feliz, beijinhos”

Casal-se-beijando.jpg

 

Bloqueou o telemóvel e dirigiu-se à cozinha. John que se encontrava a escorrer a massa, recebeu um abraço. Sara abraçou-lhe as costas. Ele virou-se num repente delicioso.
- Vou dar o meu melhor. Virei a página. Agora, serás a única pessoa que eu hei-de querer ler. Vou fazer por merecer o teu amor. Por inteiro. Sei que dói, mas vamos fazer por isso?
John sorriu, olhou-a e só conseguiu beijá-la.
- I love you. – disse ele.
- Me too.
Sara voltou a Londres, aos recitais de Shakespeare, à enfermagem e nos braços de John manteve o seu sonho. Não há destino se não seguirmos os nossos sonhos, não há destino se os sonhos dos outros mudaram e só um fala de paixão, de amor, ou de futuro. Só existe destino, se ambos quiserem. Sonhos morrem e nascem todos os dias. Os verdadeiros, os nossos, permanecerão.

 

(fim.)

17
Abr17

17 # Existirá destino sem os sonhos?

Carolina Cruz

tumblr_lihejam7kw1qh49g6.jpg

 

- No que depender de mim. – disse ele sorrindo. – Eu sei que eu te amo mais, mas sei que há algo no teu olhar que me diz que há uma vontade em ti de me pertenceres também.
» Vamos esquecer o que aconteceu. É passado. Vai ficar na gaveta junto dessa história. Ele foi importante, foi o teu passado. No entanto, eu quero ser o teu presente, o teu futuro. Nada mais importa. Pois não?
Sara não hesitou em beijá-lo.
Não é verdade que todos cometemos erros? Não é verdade que nos confundimos? Que somos e deixamos nos ir e ser por instinto?
O passado devemos fechá-lo, guardá-lo em gavetas, guardar o que é bom de guardar. Com o tempo aprendemos que o passado nos tornou mais fortes e construiu um pouco da nossa história. No entanto, o mais importante é o presente e quem faz parte dele, quem está, quem quer ficar, quem nos merece.
Sara percebeu isso, naquele momento. O telemóvel tocou… Era uma mensagem de Manuel, mais uma vez, com um pedido de desculpas.

“Sei que não fui correto, mas ainda assim queria ter-te na minha vida. Espero que um dia me perdoes, não é assim que quero que fiquemos. Merecemos um final feliz.”

Leu. Abanou a cabeça e riu. John encontrava-se na cozinha e ao vê-lo longe não tardou em responder.
 
 
 (continua...)
 
13
Abr17

13 # Existirá destino sem os sonhos?

Carolina Cruz

16997668_669795226561039_3453756297762052566_n.jpg

 

Sara estremeceu. Arrepiou-se, era um arrepio bom, desafiador, talvez estivesse a sonhar alto ou a pensar o que não devia. Mas, de outra forma, porque trancaria ele a porta?
- Vivi a minha vida toda à espera deste momento. – disse-lhe ele. – Há uma sede incontrolável de te conquistar de novo.
- Há qualquer coisa em nós que nunca terminou, por isso eu não sei ter outra pessoa. Dou voltas à minha cabeça, mas no meu coração estás sempre lá tu.
- Não foi isso que me pareceu. – disse Manuel.
- Olha quem fala, aquela rapariga loira atiçada! – disse Sara com desdém. - Eu não disse que não tive ou não tenho. Tive e tenho, mas nenhuma será tão especial, nem tão intensa como tu, como o que tivemos.
- O que tivemos? Mãos dadas, um simples beijo? – perguntou Manuel.
- Para mim, vale mais que o sexo mais prazeroso do mundo.
Será que as suas palavras eram verdade? Estaria ele tão mudado assim? Sara não hesitou.
- Diz-me que nunca esqueceste o que tivemos. Ou os meus catorze anos eram uma simples brincadeira para ti?
- Nunca esqueci. Nunca conseguirei pertencer a ninguém sem lembrar que entre nós ficou tanto por fazer, tanto por completar. Foi amor puro o que senti por ti. A minha pergunta foi só mais uma forma de te desafiar. Não mudaste nem um bocadinho, continuas a mesma menina com esses olhos teimosos e sedutores.
- Andei a vida inteira a querer-te nos meus braços, não posso perder-te agora. – disse-lhe ela.
E a razão pela qual ele tinha trancado a porta do gabinete não era um pensamento idiota mas um ato consumado.
Ele pegou-lhe no rosto e ao beijar-lhe delicadamente os lábios deixou acontecer o que há tanto era sonhado pelos dois.
Desceu a sua boca até ao pescoço dela e levemente começou a desabotoar-lhe a túnica que lhe cobria o corpo que ele estava ansioso por tocar, por beijar, por despertar prazer.

 

(Continua...)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D