Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

31
Mai17

Sabes a certeza

Carolina Cruz

FB_IMG_1484733597959.jpg

 

Cheiras a mar, sabes a certeza.
Provar-te é degustar profundamente o teu amor.
É sentir a tua pele ardente, com saber e sabor.
É como criar, esperar, sorrir, ser.
Brinco no teu leito e acalmo a minha alma em pequenos pedaços de prazer.
Sentir-me como parte do teu corpo é poder trincar o sonho e mordê-lo com provocação.
Ser-te fiel é tão certo, tão bom.
Podemos ficar nesta doçura toda a vida?
Embora te saiba seduzir. Embora saiba que o que temos não é tudo, que não é sério, eu quero-te para sempre. É por isso que eu te quero para sempre. És a perfeita metade de mim.
Se sei viver sem ti? Não sei se sei. Prefiro ficar na dúvida. Posso?
Envolve-te nos meus braços. Beija o meu peito e aquece-o por dentro, bem no fundo da minha alma.
Anda. Esqueçamos isso.
Tenho-te neste momento, é tudo o que importa. Tudo o que mais quero.

 

 

29
Mai17

A ti, que me lês

Carolina Cruz

tumblr_static_boy-wallpaper-10338873.jpg

 

Vendo bem não é preciso muito, pois não?
Um lugar sossegado, um papel e uma caneta. Rodeada de paz e de sentimentos que me inspiram.
Uma mão cheia de felicidade, um balde cheio de amor, um pingo de saudade e uma pitada de magia.
Sem a chuva nada floresce. Assim sendo, junto-lhe um pouco de amargura e um tanto dos erros que me fizeram crescer. De que vale acreditar e não sofrer?
Se eu não sofresse, se eu não errasse, todas as minhas páginas estariam em branco. A minha inspiração talvez não existisse e então eu não seria ninguém.
Todas as palavras que escrevo são fruto de quem fui e de onde vim. Hoje? Hoje apenas preciso dessa caneta, desse papel, desse lugar para ser feliz.
Sinto que a paz deste mundo só existe aqui, nas palavras que escrevo e naquilo que me dou a conhecer, a mim mesma e a ti, que me lês.

 

 

21
Dez16

[Simplicidades da vida] dias cinzentos

Carolina Cruz

19.jpg

 

E o tempo cinzento volta a aparecer… a vida é uma continuidade, tudo faz parte. Deixo-me ficar por casa, olho a janela, a chuva cai lá fora, pego um chá e deleito-me com as palavras de um livro doce que me faz viajar, que me prende e me emociona, faz-me sonhar de novo.
Vou ao recanto de outras vidas, habitando noutras mentes, segurando a imaginação e percebo que afinal os dias mais escuros também têm a sua magia.

02
Dez16

* Simplicidades da vida: Dias de tempestade

Carolina Cruz

18.jpg

 

A chuva lá fora que bate forte nos vidros, parece refrescar-me ao mesmo tempo que me aqueço sob os cobertores quentes a ver um filme.
Adoro estes dias de tempestade que parecem acalmar o meu ser, enchendo-me de puro conforto.
É realmente feliz quem diz que dias de sol e de chuva são ambos especiais à sua maneira, porque sabe a verdade e conhece cada pequeno prazer da vida.

25
Out16

* Simplicidades da vida: Um (re)encontro

Carolina Cruz

000.jpg

 

Já dizia André Sardet numa música sua que “um encontro ao fim de um tempo é mais doce que viver” e é verdade, é bom reencontrarmo-nos com quem mais gostamos, um velho amigo, um familiar querido.
Ter uma conversa longa sobre tudo o que acontecera na sua ausência e falar, agir como se nenhum tempo tivesse passado entre nós. 
As saudades sentidas mostraram que se solidificaram os nossos sentimentos e a certeza de que é amizade e companheirismo que nos une e, se for assim, não mais tem fim, será para sempre.

 

(Fotografia do filme "Amigos coloridos")

03
Out16

Aproveita a vida

Carolina Cruz

11.jpg

 

Aproveita a vida, o amor, a amizade, as coisas simples que ela te poderá oferecer.
Uma tarde de sol, uma boa esplanada, um refresco.
Uma tarde de chuva, um cobertor, um filme.
O que envolve o mundo, o que te envolve, que te rodeia.
Tudo vale a pena, todos os momentos são marcantes e as memórias que ficam eternas se viveres como se não houvesse amanhã, como se todos os dias fossem de sol, sim precisam de ser, dentro de ti, só assim sorrirás sempre, só assim aprenderás a ser feliz.

16
Jul16

* Simplicidades da vida: rir até chorar!

Carolina Cruz

5.jpg

 

Não, não! Chega, não dá mais, mas não consigo parar, sinto-me bem e também com falta de ar, mas sabe tão bem soltar uma gargalhada ou rir bem fundo, um ataque de riso sem saber controlar! 
Faz-nos sentir vivos e loucos, daqueles sábios que sabem como levar a vida: vivendo a sorrir!

 

Foto do filme "O amor e outras drogas"

08
Jul16

# Completas-me 6 - Com o Principezinho

Carolina Cruz

Olá meus queridos! Hoje trago-vos o nosso querido e romântico Principezinho para nos trazer uma história sobre os valores morais e materiais, que na minha opinião são os primeiros que realmente merecem a nossa atenção. 
Se concordam, vou adorar o texto feito por nós os dois:

 

"Tiago não dormiu em toda a noite. No dia seguinte era o aniversário do grande amor da vida dele. Tinham-se passado já 10 anos desde que tudo terminou entre os dois mas ele continuava a sentir Sofia bem perto dele. 
Ela continuava no seu coração. Viva e bem real. Todos os dias pensava nela. Acompanhava pela imprensa todos os passos que ela dava. Escrevia-lhe todas as noites num diário. Um diário cheio de cartas de amor que provavelmente ela nunca chegaria a ler, pensava ele.
Viveram uma paixão louca e desmedida. Eram um só. Ela costumava dizer-lhe: “aconteça o que acontecer, o nosso amor é eterno e nunca morrerá”. Dizia-o com aqueles brilhantes olhos castanhos que ele tanto amava. Viviam um para o outro. Partilhavam tudo. Compreendiam-se e entendiam-se como ninguém. Eram felizes os dois e nada mais importava. 
Mas, um dia, a vida que os juntou, também os separou. Ele nunca mais se esqueceu daquele Verão que ela foi passar ao Mónaco com uma amiga. Quando voltou, Sofia veio diferente. Para ela, o amor que Tiago lhe dedicava já não lhe bastava. Ela queria uma mansão com piscina, um carro descapotável, um iate e um marido rico que a amasse. Tudo o que Tiago não tinha, nem era. Tiago apenas tinha amor para lhe dar. Nada mais. 
- Tiago, vou viver para o Mónaco.  – Dissera-lhe Sofia com o coração apertado.
- Para o Mónaco? Gostaste mesmo das férias, não foi, paixão? Mas tu és a pessoa mais importante para mim. Amo Portugal, mas vou contigo. Nunca te deixarei sozinha.
- Não estás a perceber Tiago…eu amo-te…mas nesta altura preciso de mais…preciso de coisas que tu não me podes dar.
As lágrimas começaram a escorrer pelo rosto de Tiago. Mas ele não conseguia desistir do amor da sua vida.
- O que precisas Sofia? Eu dou-te tudo o que tu quiseres. Eu amo-te. Como nunca amei ninguém em toda a minha vida. E sei como te fazer verdadeiramente feliz. 
- Tiago…esquece-me…esquece-nos…guarda o nosso amor num lugar bem especial no teu coração e tenta ser feliz. Eu vou fazer o mesmo. 
Ela partiu para o Mónaco, casou com um homem rico e famoso e nunca mais se viram nem contactaram. 
Passados todos estes anos, ele nunca a esqueceu. Nessa manhã, cansado de andar às voltas na cama, saiu cedo para ir ao café. Ao passar pelo quiosque reparou numa fotografia de família de Sofia numa revista. Pegou na revista e comprou-a. 
Enquanto tomava café não tirou os olhos daquelas fotografias. Sofia sorria e parecia feliz. Mas aquele não era o sorriso que ele conhecia. Havia nele algo de artificial. O seu olhar já não tinha aquele brilho inconfundível de quem está verdadeiramente feliz e apaixonado. Tiago conhecia Sofia como a palma da sua mão e desejou profundamente estar enganado. Amava-a incondicionalmente e desejava que ela fosse verdadeira e profundamente feliz, com ele ou sem ele. 
Mais abaixo leu que na próxima semana Sofia e o marido iriam passar a próxima semana de férias em Lisboa. Tão perto e tão longe um do outro. O coração de Tiago encheu-se de uma emoção muito forte. Não sabia o que fazer nem o que pensar..."

 

principezinho.pngTiago era humilde, sempre fora, o que em tempos atraíra Sofia, hoje enjoava-a. Tinha-se tornado rica e repugnante.
Ele estava a trabalhar num restaurante muito requintado na baixa de Lisboa, era como há muito não tinha sido bem pago, ou pelo menos mais do que outrora.
O seu coração acelerou quando a viu entrar com a sua família, o mesmo olhar permanecia, o corpo que tanto desejara não mudara com os anos, já o feitio e a formação deixaram Tiago em baixo, fazendo-o acreditar que a partir daquele dia ele a iria esquecer para sempre, ela não merecia que ele pensasse demais e ele merecia ser feliz.
Nesse dia, em que se reencontraram, ele soube que ela o tinha reconhecido, ele estava na mesma, mas estava também invisível aos seus olhos que só de mania se pintavam.
As lágrimas molhavam-lhe os olhos.
- Sofia. – Disse inocentemente, tentando cumprimenta-la.
- Bom dia, já escolhemos. – O seu sorriso era cínico, se ela não estava feliz, também não queria mudar ou então era muito boa atriz.
Tiago paralisou, mas não se rebaixou, já tinha sofrido demais por ela. Já bastava.
- Sim, senhora. Um momento.
No final do almoço, nem uma palavra lhe disse, nem uma mensagem após o reconhecer.
No entanto depois de alguns anos, quando Tiago tinha já a sua vida completa e refeita, onde nos olhos de Alice completara os pedaços destruídos do seu coração, recebeu uma mensagem de Sofia. Há muito que não procurava saber dela, evitava ler as revistas ou conhecer notícias sobre si, mas aquela tinha chegado até ele sem pedir.

 

“Querido Tiago, perdoa-me tudo o que fui para ti, melhor dizer tudo o que não fui.
O meu marido traiu-me e hoje vivo numa casa com os meus filhos, mas um vazio completa-me, não foi isto que eu sonhei, não é isto que quero.
Perdoa-me”

 

Tiago leu a mensagem calmamente e naquele momento era ele quem sorria de forma irónica.
- Que foi querido? – Perguntou Alice.
- Nada meu amor. – Disse dando-lhe um beijo na testa.

O amor vive-se nas mais pequenas coisas. O gesto mais pequenino é aquele que ao ser grande bate no peito com força, que nos marca. Não são as coisas que se podem comprar que nos trazem a felicidade. A verdade é que “quem tudo quer, tudo perde”, Sofia não perdeu tudo, mas perdeu o essencial, aquilo que para si poderia ter sido tudo: o amor verdadeiro.

15
Mai16

* Simplicidades da vida: amigos

Carolina Cruz

10.jpg

 

Mesmo depois de todas as comunicações, tecnologias e redes sociais do mundo, o melhor mesmo continua a ser uma mesa rodeada de bons amigos, entre gargalhadas, parvoíces e conversas longas. Amigos esses que teremos sempre, independentemente de tudo, estarão lá no bom, no mau e no melhor para te fazer sorrir, para te levantar quando fraquejas e para brindar contigo aos melhores anos da tua vida e da deles. O melhor do mundo são os amigos que temos o prazer de acompanhar e de nos fazerem sentir bem, brindando de bem com a vida.

26
Abr16

“O livro que marcou a minha vida”, com The Chocolate

Carolina Cruz

9789727110711.jpg

 

Há uns meses fui desafiada pelo blog The Chocolate (um doce de blog) para falar sobre o livro que mais me marcou, e não podia ter vindo em melhor altura, pois há já algum tempo que andava para ler “Na Margem do Rio Piedra, eu sentei e chorei” de Paulo Coelho, o livro que marcou a minha vida. O livro que me fez começar a ler desmedidamente e que fez com que me prendesse a este amor pelos livros, a esta paixão mágica que é ler.

 

Este livro de Paulo Coelho marcou-me, porque de certa forma, retrata um pouco da minha forma de levar a vida, de amá-la, de viver com fé, com um olhar bom sobre o mal que por vezes nos pode acontecer.
As suas palavras fazem-me sorrir, parece que conversam comigo, que falam um pouco sobre mim.
Na verdade, fala-nos sobre as pequenas coisas da vida, aquelas que lhe dão sentido: o amor, a luta, a fé em não desistir dos nossos sonhos, no vencer o medo de correr riscos. Porque a vida é isso mesmo, precisamos de viver um dia de cada vez, em harmonia connosco mesmos, com a natureza, com os outros.
Um livro que nos encanta, nos emociona e nos faz abraçar a vida!
Faltam-me as palavras para o definir, por isso deixo-vos um excerto:

 

“É preciso correr riscos, dizia ele. Só percebemos realmente o milagre da vida quando deixamos que o inesperado aconteça. (…) quem presta atenção ao seu dia, descobre o instante mágico. Ele pode estar escondido na altura em que enfiamos a chave na porta, pela manhã, no instante de silêncio logo após o jantar, nas mil e uma coisas que nos parecem iguais.
A felicidade às vezes é uma bênção – mas geralmente é uma conquista.
O instante mágico do dia ajuda-nos a mudar, faz-nos ir em busca de nossos sonhos. Vamos sofrer, vamos ter momentos difíceis, vamos enfrentar muitas desilusões – mas tudo é passageiro, e não deixa marcas. E, no futuro, podemos olhar para trás com orgulho e fé.
Pobre de quem teve medo de correr os riscos. Porque este talvez não se dececione nunca, nem tenha desilusões, nem sofra como aqueles que têm um sonho a seguir.”

 

Leiam, vale (muitíssimo) a pena.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D