Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

01
Set17

[Ficção] Sinto-me...

Carolina Cruz

brooklyn_feature-770x472.jpg

 

Sinto-me sem ti. E sem ti sinto-me sozinha. Desamparada. Não sei ser sem ti. Lembraste de eu te dizer isto?
Os meus olhos não mentiam, não sei existir sem o teu beijo.
Fazes-me falta como uma ferida aberta, como uma noite mal dormida a multiplicar por dois ou três anos de vida.
Fazes-me falta e não quero dizer-to e ainda assim to digo.
Faltam-me as gargalhadas que o tempo levou, faltam as confidências que os segredos revelados fizeram perder.
Falta-me o teu corpo na minha cama, o teu sorriso debaixo dos meus lençóis. 
A tua ausência deixa-me ausente da vontade, da vontade de querer viver, custa-me respirar, custa imaginar a dares a mão a outra rapariga que não eu, a voltares-te a apaixonar e não ser por mim.
Desculpa, por favor. 
Fazes-me falta.
Desculpa, se não compreendi. 
Desculpa, se os ciúmes falaram mais alto. Eu não diria que sou ciumenta hoje, mas fui contigo, com o tamanho medo que tinha de te perder… e de que valeu? Perdi-te na mesma.
Eras o melhor de mim e sem ti não sou boa em nada. 
Prefiro perder-me por aí, do que não te encontrar a meu lado.
A roupa manchada das minhas lágrimas, a cabeça que não para de pensar, o corpo que emagrece, a alma que entristece, a vida que não cabe em mim e não me habita. 
Fui feliz ao ter-te, já não serei mais, pois não ser sem ti.
 
 

 

04
Ago17

[Ficção] Carta de Leonardo

Carolina Cruz

poeta.jpg

 

Querida.
Escrevo-te esta carta para te pedir desculpa.
Levei 20 anos para escrever-ta.
Sei que é tarde demais.
Sei que podes estar casada, com filhos.
Seja como for, isso não é impedimento de te dizer como me sinto, como ainda me sinto atraído e apaixonado por ti como naquele nosso velho e passado Verão.
Amei muitas mulheres por esta vida fora, mas nenhuma delas teve o mesmo fulgor em mim como tu. 
Eras a minha melhor amiga e eu só soube isso depois de vivenciar com todas elas o amor que dizia sentir. Nenhuma delas era da tua essência. Como pude mentir-me tanto? Durante tanto tempo?
Nada aconteceu para que nos separássemos, apenas o tempo, esse peregrino que nos persegue em cada montanha que escalamos.
Por isso te pergunto... se não existe algo para perdoar ou desculpar um ao outro? Será que podemos dar a volta por cima? Será que ainda me amas? Te sentes como eu me sinto?
Quero ter-te nos meus braços novamente.
Voltar a sonhar.
Beijar-te, ver-te amadurecer (o que nunca pude presenciar), envelhecer, aquecer-te os pés, olhar-te nos olhos, sorrir, abraçar-te.
Diz-me se é possível.
Só quero uma resposta.
Um sim, para te receber. 
Um não, para te esquecer.

Leonardo
 
 
(Será que obterá resposta? Amanhã saberão)
 
10
Jul17

[O teu olhar] Porto do meu coração

Carolina Cruz

Sara Morais Just Saying.jpg

 

Porto.
Há muito que não te escrevia. E tu sabes porquê, enamoraste-me na paixão pelo teu rio e deixaste o meu amor por ti morrer. Ainda assim eu não sinto rancor, sinto saudade. Saudade de te dizer "estou aqui" e estar realmente de braços abertos para te receber, porque deste-me o maior encanto de todos, o amor-próprio.
É por isso que mesmo depois de tudo, de tanto tempo, eu ainda consiga gostar de ti da mesma forma e recordar o teu sorriso ao nascer do sol.
Essas tuas pontes são a forma de compreender que existirá sempre uma razão para nos unir, mesmo antes de nos separar.
Porto, desculpa não escrevo só para ti, escrevo para um amor perdido, no entanto decidi em escrever-te.
Foste tu o meu remetente porque foi nos braços dele que me perdi mas foi no teu regaço que me encontrei.
Porto, feito de memórias. Porto feito de razão, porto de abrigo, de amor. Porto do meu coração.

 

 

(Adoro o Porto, a Sara sabe disso. Esta fotografia está maravilhosa, é uma das tantas fantásticas que tira. Já seguem o seu blog "Just Saying"? Tratem disso porque vão adorar!)

01
Jul17

[O teu olhar] O que é o amor?

Carolina Cruz

That Girl Melanie Moreira.JPG

 

Vim buscar-te às minhas memórias.
Vim passear pelos campos onde fui mais corpo que saudade. Onde fui mais pecado que certeza. Mas que importa? Nascemos para marcar a vida um do outro, não para ficarmos juntos.
Nem todas as histórias de amor têm de ter um final feliz.
Eu nem tão pouco sei se era amor.
O que é o amor? Um corpo nu que se apaga entre as cinzas de um casamento morto? Um “quero-te para sempre” nesse amor escondido?
Porquê amor se não cumprimos todas as promessas?
Porquê amor se era proibido? Se era escondido? Vagabundo?
Por que é que o meu corpo se fundiu sobre toda a lezíria estonteante do teu abraço que não perdurou?
Se fosse amor… tu estavas aqui, certo?
Se fosse amor teria resultado.
Não. O amor nem sempre resulta. O amor nem sempre é um mar de rosas. É uma poeira invasiva que nos cega e nos morde os olhos de calor. O amor é uma forma insana de te querer mesmo sem saber quem és ou o que contas.
O amor é não saber porque te amo, é não saber porque ainda guardo estas memórias de ti, se não passaste de uma miragem e de uma sedução que terminou.
Eu fui apenas pele para o teu prazer. Fui corpo para a tua pele sentir. Nada mais que nada. Embora tenhas sido tudo. Para mim, amor. Para mim, fomos enrolados de sorrisos imundos e finitudes capazes de me fazer sonhar.
É amor porque embora não tenha resultado, eu não esqueci.
O meu peito dói como doeu a secura do teu beijo.
Se eu jamais te tivesse amado, eu não permaneceria aqui, à margem de tudo. À tua espera.

 

 

(Fotografia da querida Melanie Moreira, do blog "That Girl", visitem, serão muito bem recebidos!)

29
Mai17

A ti, que me lês

Carolina Cruz

tumblr_static_boy-wallpaper-10338873.jpg

 

Vendo bem não é preciso muito, pois não?
Um lugar sossegado, um papel e uma caneta. Rodeada de paz e de sentimentos que me inspiram.
Uma mão cheia de felicidade, um balde cheio de amor, um pingo de saudade e uma pitada de magia.
Sem a chuva nada floresce. Assim sendo, junto-lhe um pouco de amargura e um tanto dos erros que me fizeram crescer. De que vale acreditar e não sofrer?
Se eu não sofresse, se eu não errasse, todas as minhas páginas estariam em branco. A minha inspiração talvez não existisse e então eu não seria ninguém.
Todas as palavras que escrevo são fruto de quem fui e de onde vim. Hoje? Hoje apenas preciso dessa caneta, desse papel, desse lugar para ser feliz.
Sinto que a paz deste mundo só existe aqui, nas palavras que escrevo e naquilo que me dou a conhecer, a mim mesma e a ti, que me lês.

 

 

29
Abr17

[Ficção] Trouxeste o inverno à minha alma.

Carolina Cruz

Neve Caindo Blog Tumblr.jpg

 

Neste momento, se não te tenho, então não quero mais ninguém.
Envolvo-me entre a roupa, debaixo dos meus cobertores quentes, porque o frio do inverno arrefeceu o meu corpo e, a tua ausência, arrefeceu a minha alma.
Trouxeste o inverno à minha alma.
É impossível não entristecer quando era contigo que me imaginava aqui debaixo, de mãos entrelaçadas até elas ficarem repletas de sabedoria, enrugadas e cheias de amor.
No entanto, naquela manhã tu partiste sem querer me dar satisfações, sem dizeres porque foste. Todo esse amor que anotaste na carta escrita e perdida no passado, não passou de uma mentira e, o amor que hoje sinto, não passa de uma desilusão.
Por isso, relembro tudo como se de um sonho passado se tratasse, como se todos aqueles lugares em que estivemos, todas as conversas partilhadas, todos os beijos ou todo o sexo não passaram de um prazer decidido do meu inconsciente, que acordou esta manhã.
Quero. Juro que quero mesmo levantar-me daqui, sair, seguir em frente. No entanto, uma parte de mim sabe que tudo foi verdade, e é essa consciência que me resiste e que me faz render. Apetecia-me acordar noutro lugar e acreditar que a vida ainda vale a pena, que o meu sorriso encontrará alegria em outro olhar. Será?

 

 

28
Abr17

[Cinema] "Três metros sobre el cielo" & "Tengo ganas de ti"

Carolina Cruz

bbf8398861.jpg

 

Numa palavra: arrebatador. Noutra? Inquietante.
Agarra, prende, derruba, apaixona-nos, faz-nos sofrer, sorrir, acreditar, suar e chorar.
Uf, que filme!
Há passados marcantes, uns que queremos manter, outros que fazemos de tudo para esquecer, para não lembrar.
Existem também pessoas que amamos por inteiro, de forma desmedida, mas talvez, por vezes, amar não baste.
E po rque não? Há milhares de razões. Como há milhares de razões para alguém entrar ou sair da nossa vida.
Na realidade, na vida, tudo acontece por uma razão. No amor também, e há amores que são eternos pela intensidade, pela mudança que geram em nós. Mas quem sabe que, assim sendo, não possa durar mais ainda que o momento? Uma vida?
Babi e Hugo têm vidas, passados e educações completamente diferentes, mas as suas vidas tão diferentes assim irão se cruzar. Por que razão? Com que sentido?
Só há uma forma de saberes - veres e ficares tão rendido quanto eu!
 

tengo_ganas_de_ti_ver2_xxlg.jpg

 

Não devemos fugir ao passado, mas também não devemos ficar presos a ele toda a nossa vida, dessa forma iremos sempre, mesmo que não queiramos, errar com as pessoas presentes no presente, ou ainda assim errar com as pessoas do passado.
Temos de saber perdoar, a nós próprios em primeiro lugar, depois aos outros. Só através do perdão conseguimos seguir em frente.
É verdade que Hugo nunca esqueceu Babi, é verdade que esta, mesmo se negando, também não conseguiu esquecer o seu primeiro amor, a adrenalina, a paixão, a sua história, um romance arrebatador.
O que viveram marcou para sempre a vida de ambos, é impossível passar um pano por cima, mas é possível viver com isso, trabalhar o esquecimento e a saudade.
Custa, dói, magoa, muito mesmo, mas com força de vontade conseguimos.
O que será que vemos neste filme? Um voltar ao passado? Um reencontro desta paixão em nada esquecida? Rumos diferentes? Um novo romance? Uma relação reatada? Há muito por descobrir neste segundo filme – “tengo ganas de ti”, depois de “três metros sobre el cielo”.
Diz que o terceiro filme sairá, em princípio, ainda este ano. Eu que não sou muito de sequelas, fiquei apaixonada por esta. Embora não seja muito falada ou conhecida, esta trama espanhola tem (mesmo) muita qualidade.
Quem já conhecia?

 
 

 

 
 

 

11
Abr17

11 # Existirá destino sem os sonhos?

Carolina Cruz

2413a2182834966574f8967764946b60.jpg

 

Manuel deu-lhe o número de telefone e Sara ficou de lhe ligar.
- Fica então combinado! – Disse ele.
- Boa noite. – Cumprimentou a tal rapariga loira encaixando-se no colo dele.
- Sara, esta é a Marta. Marta esta é a Sara. Uma amiga!
- Prazer. – Disseram ao mesmo tempo.
- Bem então segunda-feira às 9h. – Disse ele, piscando-lhe o olho.
Cretino, pensou. Ele talvez nunca se tinha esquecido dela, talvez por causa dela não conseguiria ninguém, casos de uma noite, como deveria ser aquela mulher, que lhe beijava deliciosamente os lábios quando Sara se afastou.
Uma parte dela estava sufocada, mas não o podia criticar, ele refez a vida, “catorze anos passaram, idiota, as paixões assolapadas só regressam nos filmes, na vida real não é assim” pensou, e sentou-se de novo do lado de John, entrelaçando as suas mãos nas dele.
Embora as mãos de ambos estivessem entrelaçadas a outro alguém, os olhos não desligavam um do outro, era um olhar intenso, de amargura com o destino e quiçá desejo.
Ainda assim tentavam ignorar-se um ao outro, sem conseguirem. Sara ria alto para que ele ouvisse como estava feliz, ele beijava Marta loucamente para lhe mostrar como era amado e como a tinha esquecido tão facilmente.
Depois de tudo aquilo, teria ela vontade de lhe ligar?
 
 
 
(Continua...)
 
 
 

 

25
Mar17

[Ficção] Dentro da minha cabeça

Carolina Cruz

AWTR-a-walk-to-remember-20100723-500-334.png

 

Armo-me em forte quando passas por mim, sinto-me altiva, despreocupada, indiferente. No entanto, quando viras costas é quando tudo em mim desaba. Sabes que dentro dessa forma despreocupada o meu corpo treme ao olhar-te, toda eu estremeço ao querer-te de volta, nem que fosse apenas como amigo.
Dentro da minha cabeça tudo acontece, milhares de coisas se movem e na tua ausência choro, choro muito. E ainda que não queira, apetece-me dizer-te que, apesar de tudo, de toda a parvoíce, a irresponsabilidade, a tua indiferença e para mim desapontamento, desilusão, eu ainda te amo, ainda te quero, talvez ainda da mesma forma que queria quando estava sob o teu abraço. É isso que me faz falta. O teu abraço. Dói-me ver-te por aí, com esse teu ar descontraído, feliz, como se não precisasses mais de mim para viver. Será que, tal como eu, isso é apenas uma defesa? Uma máscara onde escondes as tuas lágrimas? Não quero omitir-te mais, magoaste-me sim, mas o amor é mesmo isto, não é? Perdoar, se me quiseres de volta.
Merda, que se lixe o mundo, quero mesmo o teu sorriso de volta, a beijar o meu.

 

 

28
Fev17

Eterna

Carolina Cruz

FB_IMG_1473532749058.jpg

 

 

Sob os olhos chovem lágrimas, que esborratam a cara e sujam a boca.
Não dá mais, não agora. Às vezes precisas de deitar tudo cá para fora, de seres tu, mais ninguém.
Desabafa contigo mesma, porque só tu sentes essa ausência que mais ninguém compreende, essa vontade de ser feliz e que não vem, essa fome de consumir todas as saudades que morrem no peito.
Chora, porque não podes ser forte a vida inteira. Não dá mais. Não agora.
Não deixes que ninguém queime o teu corpo, desejando matar o teu sonho. Tu não estás sozinha, tu és forte, mas precisas de uma pausa. Não dá mais. Não agora.
Mas amanhã, amanhã tudo volta. Amanhã volta essa sede de viver, por ti, mais ninguém.
De lutares por esse sonho que é só teu, de mais ninguém. Não ouças as vozes que, com relutância, te dizem para parar, que não consegues. Eu sei que hoje só as consegues ouvir, que hoje não consegues lutar. Não dá mais. Não agora.
No entanto, diz que as palavras que escreves são o mote para seres feliz, que é esse o teu sonho, que mesmo quando toda a gente te tenta deitar abaixo, tu levantas a cabeça após caíres e lhes dizes que as palavras que dás o mundo também são a tua forma de agradecer e dar alguém essa alma forte que tens, mas que hoje não dá mais. Não agora.
Não precisas de ser forte todos os dias da tua vida, também precisas de cair para te segurares, também precisas de perder para ganhar, de chorar para amanhã mostrares que esse teu sorriso valeu todas as lágrimas.
Não chores mais. Não agora. Levanta, voa, vive essas palavras, que são quem tu és, a simplicidade de um lugar melhor, de um coração que sangra por viver e amar demais.
Não te lamentes por ele ser tão sentimental e tem a noção que é isso que te torna especial, eterna.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D