Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

* Filmes com história: Brothers

19874191.jpg

 

Os homens que partem para a guerra, são heróis. Não porque fazem o bem, porque o bem é, neste caso, muito relativo. Mas são heróis porque se sujeitam a morrer pela pátria, pelo seu país, são heróis pela força interior que consomem, que possuem.
No entanto, muitos deles sofrem grandes perdas, tal como as suas famílias. Perdas não significa apenas morte, morremos por dentro quando algo deixa de viver em nós. Neles morre a felicidade, surge a culpa. Vem o medo, a depressão e a desconfiança.
Sam é enviado para o Afeganistão, deixando a sua mulher Grace e as suas duas filhas. Quando é destacado para a guerra, o seu irmão Tommy deixa a prisão. Tommy é odiado pela sua família.
No entanto, tudo muda quando Sam é dado como morto. Tommy, sentindo o peso da responsabilidade, altera a sua forma de viver, prometendo cuidar da mulher e das filhas do seu adorado irmão. É aqui que as questões mais mediáticas deste filme surgem.
Estará Sam realmente morto? O que acontecerá na sua ausência?
O que perdoaríamos após a nossa morte? O que perdoaríamos à nossa mulher, filhas ou irmão? Como regressar? Como viver depois de tudo?
Vejam e tirem todas as dúvidas!

 

 

* Palavras que não são minhas: Por treze razões

liv01990091_f.jpg

 

 
 
Hannah Baker é uma rapariga bonita, popular, mas não pelas melhores razões, muitos dos seus amigos não a respeitam, à excepção de Clay.
No entanto, Clay descobre que pode ter errado com Hannah. Tem uma vontade imensa de voltar atrás para lhe pedir desculpa, mas o problema é esse, não pode, Hannah Baker está morta.
Suicidou-se e tem treze razões que justificam a sua escolha.
Hannah antes de escolher o seu destino, gravou essas mesmas razões para mostrar como se sentira.
Como reagirá Clay? Será um dos implicados na sua morte?
O livro que inspirou a série tão badalada do Netflix, um livro que não me apegou no ínicio, mas do qual, não quis largar a partir do meio.
Uma história de suspense e de amor diferente. Uma história crua e, para muitos, pode ser mesmo pesada!
Já leram? Ou renderam-se logo à série?
 

* Palavras que não são minhas: Linhas Delicadas

12773161_676029162538266_750013342_o.jpg

 

 

“Linhas delicadas” de Cátia Cardoso é o primeiro romance da jovem autora. E posso-vos dizer que, na minha humilde opinião (na qual podem acreditar), a Cátia é uma autora promissora, pois tenho-vos a dizer igualmente que o seu livro não ficou aquém das minhas expectativas, aliás, muito pelo contrário, superou-as.
Este seu primeiro romance é um livro que nos atrai a ler mais e mais. Tem suspense, amor e talento em cada (entre)linha deste livro!
“Linhas delicadas” fala-nos de uma família de três irmãs, que irá atravessar vários problemas após o falecimento do pai e da fuga de uma das irmãs (Benedita). Bianca, a irmã do meio, apaixona-se por um rapaz que poderá ou não ser o culpado pela sua irmã ter querido fugir. Como fica a sua vida após tudo isto?
Este livro faz-nos pensar sobre vários aspetos da nossa vida, sobretudo que a felicidade é uma constante - ainda que existam maus momentos, temos de nos agarrar a algo bom para nos mantermos de pé, não é verdade?
Faz-nos pensar igualmente que cada pessoa é só por si só um segredo, uma complexidade, que se deve ler nas entrelinhas, porque como a própria autora tem vindo a citar a frase que melhor define este livro - “nunca se sabe os segredos mais complexos que as pessoas mais simples podem guardar”.
Interessante? Realmente! Empolgante? Não diria melhor! Aterrador? Nem mais! Forte, muito. E apaixonante também!
Por favor, não deixem de ler! Vale mesmo muito a pena!

# Tv Shows! - Castle

maxresdefault.jpg

 

Já não é novidade nenhuma que adoro a série "Castle", a questão talvez seja "porquê?"
A verdade é que o meu género de série favorito sempre foi crime, mas Castle tem ainda mais pontos fortes a seu favor para que eu a escolha.
Castle é escritor de livros de crime, mais um ponto a seu favor: a escrita que eu adoro!
Esta série é também romântica, nem todas as séries de crime o são, esta é maravilhosa nesse ponto.
E nesse ponto também engloba o suspense pois este amor é um amor ódio que vai dar muito que falar ao longo dos episódios, assim como cada caso que é desvendado traz consigo mistério.
No entanto, entre toda a desgraça Castle consegue ser um comediante nato, a sua juventude de eterna criança faz-nos soltar enormes gargalhadas.

Castle é sem dúvida a série que me faz agarrar ao ecrã e me faz fazer maratonas.
Eu que sempre me descrevi como pouco seguidora de séries, Castle é exceção, Castle roubou-me a atenção.

E vocês, gostam?

 

 

* Filmes com história: O Padrasto

O Padrasto.jpg

 

“O padrasto” é um ótimo filme, especialmente para quem gosta de filmes de suspense, thriller.
As aparências contam muito, mas tantas vezes nada dizem sobre a pessoa. Se nos apaixonarmos pelas aparências apenas, corremos o risco de sairmos bastante magoados.
David parece ser o novo marido da mãe de Michael, amoroso, cavalheiro, porreiro demais. O que tem tudo para dar certo, tem tudo de errado, eMichael descobre-o desde o início.
Afinal que vida misteriosa é a do seu padrasto que nunca quer tirar fotografias, assinar papeis pessoais e paga sempre em dinheiro vivo? Afinal… o que esconde ele?
A história gira à volta deste caso e prende-nos como se lá entrássemos também, assusta-nos, prende-nos e faz-nos desejar ver mais e mais.
Muito bom! Vejam!

 

 

* Filmes com história: Now You See Me 2

now-you-see-me-2-cover-1024x640.jpg

 

Sei que não é normal o que vou dizer, também sei que talvez muitos de vocês vão discordar de mim, mas na minha opinião, o segundo de filme “Now you see me” está muito bem conseguido, ainda mais cheio de suspense, ação e mistério. Tanto que eu tenho a ousadia de dizer que gostei muito mais deste do que do primeiro. O que não é muito comum em muitos filmes.
Neste filme os fantásticos ilusionistas aprendem que juntos são muito mais fortes e aprendem igualmente a trabalhar como se de um só se tratassem.
Também neste filme todos os mistérios existentes no filme anterior são revelados, deixando-nos num misto de sensações – desejosos de saber, felizes por saber, mas tristes por terminar, com ansiedade de querer mais.
Podem acreditar que é mesmo um bom filme, porque não sou fã assumida de filmes com alguns efeitos especiais, mas esta trama é tão espetacular, tão sublime, que vai agarrar mesmo aqueles que não se dizem fãs do mistério ou de ficção científica.

 

 

* Filmes com história: Mystic River

p30.jpg

 

“Mystic River” de Clint Eastwood apresenta-nos uma história brutal com grandes atores, como Sean Penn.
Se gostas de filmes policiais, de mistério e suspense, “Mystic River” é ideal para ti.
Um filme que nos chama a atenção logo de início e que sustem a nossa respiração até ao final: mas quem será que fez tal atrocidade a uma jovem de 19 anos? Mil suspeitos aparecem na trama e te aparecem na mente, mas a história dá uma reviravolta impressionante, dá voltas e voltas e baralha-te, prende-te.
A revolta de tragédias, a luta de um pai e a história de três amigos após tantos anos.
Confuso? Tudo se torna claro se o vires!

 

* Palavras que não são minhas: A rapariga no comboio

capa_a-rapariga-no-comboio.jpg

 

Comprei-o, sem expetativas, não resisti em saber porque é que era tão falado e porque é que tem vindo a ser um verdadeiro sucesso de vendas e então que quando o li (não digo desde as primeiras páginas) entendi todo este alarido.
Sinceramente, questionei-me como é que tantas pessoas disseram que o final era óbvio, não é a minha opinião, porque vários suspeitos passaram na minha cabeça ao longo da história.
É uma história que nos inquieta, nos estimula a querer ler mais e mais e não querer largar e esta sensação aumenta quanto mais te aproximas do final.
É a prova que nem sempre o que julgamos e o que sentimos é o que é, na realidade, que nem sempre nos devemos intrometer na vida de alguém que não conhecemos e julgamos que sim, que a nossa vida é bem mais importante e por vezes nos esquecemos disso.
Na minha opinião é um livro muito bom e do qual eu aconselho os apaixonados pela leitura a lerem.

 

 

Hoje é dia de ver esta história no cinema, em breve sairá a crítica.
Enquanto isso gostava de vos perguntar.. Gostaram de ambos?

4 filmes românticos, de traição e suspense

Killing_Me_Softly_(film).jpg

 Killing me softly

Quanto mais alto voarmos, maior será a nossa queda. No entanto, também podemos pensar que quanto mais confiarmos em alguém, maior será a nossa desilusão. É tudo uma questão de altitude e da temperatura da nossa alma.
A verdade é que o amor, para existir, necessita dessa mesma confiança, senão jamais será amor. Não importa o passado quando amamos alguém, mas sim o que representa em nós, como o seu “eu” é para “nós”. No amor não importa o que passou, importa o presente e o futuro que ambos necessitarão de construir com respeito, sinceridade e confiança.
O mistério envolve-nos e o coração bate mais forte, não deixemos que vozes ditem o que sentimos mas sim que procuremos viver o que é para sentir, longe de tudo o que é dito de má fama. Sabemos quem somos, precisamos apenas de acreditar que o amor é possível, pois se não o fizermos jamais daremos um passo em frente e a desilusão invade o que somos.
Não importa como a vida é ou foi. A vida dele começou de novo, quando a viu. Deixou para trás todos os planos, escondeu memórias para viver com ela, mas a sua alma pedia que lhe contasse mais.
Quem ama, espera que o tempo revele as histórias que existiram e que deixe acalmar as mágoas que se sobressaíram, pois pecado é duvidar, pecado é perder… Pois amar, amar é confiar, amar é também sofrer (junto).

"Killing me softly" deixa-nos a pensar sobre tudo isto e dá-nos no fim, uma revolta inesperada, quem sabe boa, ou não.

 

66.jpg

 

O véu pintado

“Como se uma mulher amasse algum homem pela sua virtude”.
Quando se ama os defeitos também se encaram como qualidades e tudo se torna especial no seu todo.
Quando se ama o dever e o amor são um só e a vontade de ficar por perto, no bom e no mau, tem uma razão de ser.
“O véu pintado” é uma história de amor, passada nos anos 20, sob uma vingança de uma traição, levada para o mais terrível dos lugares: uma aldeia remota da China, infetada por colora.
Mas é aí que tudo surge, é aí que tudo se desenvolve e demonstra ter e ser sentido, quando olhares nunca antes trocados por marido e mulher, se tornam não no mais perfeito, mas sim no mais simples do amor.
É na destruição, no mau tempo e na desgraça, que o verdadeiro amor surge e, então aí pode comprovar-se ser eterno.

Edward Norton com o seu inquestionável dom ao lado da brilhante e belíssima Naomi Watts.

 Match Point

"Match Point" é um filme tocante que arrepia e que mexe com a alma.
Woody Allen fez com que este filme consiga ser arrebatador e emocionante, atrativo e a69.jpgtraente, deixando-nos a cada minuto de boca aberta.
"Match Point" é surpreendente porque depois de nos agarrar ao ecran com um óptimo elenco, traz-nos um final com que ninguém conta. 
Entras na história e não te desligas
dela, é como se pedisses um pouco mais de desenlace, porque o preço da traição tem marcas que duram... Quanto tempo?
A dúvida persiste e morre connosco! 
Assistam, vale (muito) a pena!

6 years

12391166_483320035208560_8274710884371420171_n.jpg

 Quando amamos alguém, queremos essa pessoa na nossa vida para sempre. Custe o que custar, contra a opinião de quem seja. Aliás, quando amamos alguém por mais diferentes que sejamos não há desculpas, há formas de querer estar, de fazer por estar junto.
A nossa vida não termina porque começamos a ter uma relação séria, não nos deixamos de divertir por isso, de sair com os amigos, de nos deslumbrarmos pela pessoa que há tanto tempo vive do nosso lado, o segredo é amar… não há outra forma, outro querer, senão esse.
Quando queremos muito alguém o que vivemos juntos torna-se tudo, o nosso coração muda, a nossa razão de viver também.
O amor tal como as pessoas não se vê pelo olhar dos outros, mas sim pela essência do que se vive, do que se sente. Quando amamos alguém, não queremos nem desejamos mais ninguém, porque senão então na verdade já não amamos ou se calhar então nunca chegámos a sentir. Porque quem ama não faz um esforço, não completa anos de relação, mas vive-os com amor, com uma cumplicidade genuína. Isso é o amor, mas como podemos ter certezas disto?
É assim que defino a mensagem do filme “6 years”. A maioria das críticas que li não foram muito positivas, mas foi um filme que me intrigou e me apegou ao enredo.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Outros lugares

Blogues à Mesa
3XQY_12a3qPlDRIcVpKJSt0ZO-QUA-vmBk3L3bSl7jI.png