Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

14
Nov16

A criança que brinca na rua

Carolina Cruz

a criança.jpg

Eu sou a criança que brinca na rua, aquela que o cansaço não para, em que a ruindade da vida só é apenas aprendizagem.
Cai, levanta-se, voa numa correria sem pressas, com mil sonhos na mão, não de crescer mas sim de permanecer assim cheia de amor e de coragem, pequenina mas enorme por dentro, enchendo o coração de alegria.
Nunca vou deixar que morra essa criança que há em mim, porque sem medos é ela que me faz ir à luta.

16
Set16

[O teu olhar] Ser livre como tu!

Carolina Cruz

3.jpg

 

Olha para mim gaivota, escuta o que digo: " quem me dera poder ser livre como tu.. ", ter um dom de voar para longe sempre que algo falhasse.
Mesmo que digas as vezes que forem precisas a palavra "acreditar" ela falha na esperança. Todas as palavras contam: desânimo, dor, frustração.
Não vou baixar os braços, mas vou chorar - alivia - isso não quer dizer que amanhã não vá à luta, apenas preciso de tempo para pensar, buscar os meus sonhos e viver, refletir sobre aquilo que sou e o que quero ser no meu futuro - mais perto do que parece, mais longínquo do que eu esperava.

 

Fotografia da autoria de Catarina Cruz

10
Set16

A luz que me guia.

Carolina Cruz

71.png

 

Por vezes preciso de me libertar somente do meu espaço. Preciso de caminhar rumo a um lugar que eu mesmo nem sei onde me leva. Não importa.
Necessito de me sentir livre como um peixe que vive nas profundezas do mar, na maravilha e na beleza que é o seu mundo.
Sim, eu quero uma rua calma para caminhar, quero olhar o luar e as luzes da noite escura, quero encontrar a paz, em estado nirvana e então aí sim, ir por onde me leva o coração.
Procurar que alguém que me acompanhe, que dê vida aos meus passos e que me deixa repousar no seu regaço quando me sentir cansada.
Esse alguém apareceu, esse alguém é a luz que guia o meu caminho, porque a vida não é nem o ponto de partida, nem o de chegada, é o que fazemos até chegarmos ao fim do nosso fim.
Contigo jamais me sinto perdida, és o luar que me deixa escorregar na ilusão do escuro, sem ter medo, pois tu és a luz, a minha luz.

 

Fotografia do filme "entrelaçados"

01
Set16

Tu és o que eu quero para sempre abraçar

Carolina Cruz

3.jpg

 

Tu és a hora preferida do meu relógio, a proferida na minha história e a bagagem que levo nesta viagem que é a vida. 
És o doce que serve de balanço quando o mundo parece tornar-me tão acre. 
És a canção mais bonita que danço, a tua forma de me tocar é um desafio de cordas afinadas, mesmo quando a ideia é desafi(n)ares-me. 
És o que sei escrever e não dizer, és a liberdade dentro das paredes onde quero morar. 
Tu és o teu sorriso, e o teu sorriso é a tua luta, que me ama sem cessar nesta fidelidade que eu quero para sempre abraçar.

 

 

Foto: Filme "se eu ficar"

26
Ago16

Pensa comigo.

Carolina Cruz

47.jpg

 

Já pensaste se o destino nos trocasse as voltas e as nossas vidas jamais tivessem sido cruzadas?
Não esperávamos nada um do outro e seriamos apenas duas pessoas somente à deriva, deixávamos que o mar nos acompanhasse a vida breve e que as boas sensações fossem encaradas num respirar fundo.
Somos duas pessoas que amam a liberdade de um sonho e agarram-no sem pudor.
Encosto o meu rosto ao teu e deparo-me que já te conheço melhor que ninguém e isso enche-me de orgulho por mais que alguma vez tenha demonstrado indiferença.
A vida tem de ser encarada com espanto, corremos atrás de nada que pode ser tudo.
Podemos lutar por um novo amanhecer quando o sol estiver mesmo a pôr-se.
O desafio está na luta. Se os nossos caminhos jamais se tivessem cruzado não sabíamos quanto é bom saber-se sentir e quanto sabe bem alimentar o que sente, com alegria, com tristeza, vivendo das derrotas que dão lugar ao que chamamos de vitória: o amor.

 

 

Foto do filme "Walk to remember"

09
Ago16

Fecho os olhos e sinto..

Carolina Cruz

56.jpg

 

Fecho os olhos e sinto uma leve brisa a soar-me ao ouvido. Arrepio-me. Fecho os olhos e sinto, sinto o teu respirar tão perto, passas suavemente a mão pelos meus longos cabelos que doiram ao sol e dançam ao vento.
Agora respiro eu com mais calma, acende-se a adrenalina em mim, quero ir em busca do desconhecido. Vem, dá-me a mão, protege-me do medo. Sente que nada é em vão e tudo vale a pena. Dá-me um beijo, sente-me, dá-me a liberdade de ser feliz contigo.
Leva-me a correr pela espuma salgada do mar, refresca-te na ideia de que tudo (em nós) será eterno e então desfruta do que te poderei dar, eu sei, o melhor de mim, e vive neste sonho que é mutuamente nosso e que eu quero que nunca acabe na história do que somos, na memória do que fomos.
Grava o teu nome na areia, limo um coração numa concha e brinco com a água que me lava a alma, não existem problemas, há tranquilidade, há paz, há liberdade, um murmúrio de um sonho, então, tornado realidade.

 

Foto in tumblr

08
Ago16

Sente a vida em teus pés.

Carolina Cruz

2.jpg

 

 

Descalça-te. Sente a vida em teus pés, o desafio está nas tuas mãos, é aí que estão os momentos que farão parte daquilo que constitui a tua identidade.
Não estás sozinho, quando dás asas à tua liberdade. Tens os teus que partilham do mesmo sentimento, bebem contigo a alma do que é ser jovem, e refrescam a imagem do seu sentido eterno que o seu ser significa, querendo ser assim para sempre.
Não precisas de muitos para acompanhar o teu rumo, apenas dos melhores, aqueles que se descalçam e aceitam contigo os defeitos e as qualidades para os lançar ao mar, e serem apenas um, para serem iguais, para sempre juntos, para sempre jovens.

 

 

26
Jul16

Um passo em frente

Carolina Cruz

19.jpg

 

Quando quer que tentemos dar um passo em frente, em glória, sempre sabemos que temos de ser fortes e encarar o que virá, mesmo que não seja bom, com um sorriso na cara, porque não há ninguém no mundo que nos possa tirar o que é tão nosso da nossa alma.
Parece que tudo o que é feliz tem sempre por trás uma imagem de areia movediça que nos prende a caminhada e nos agarra os pés fazendo com que deixemos de sonhar, mas não podemos, não podemos dizer que sim e nos acomodarmos com a certeza que um dia mudará, pois parte de nós dizer que não e fazer a travessia para o outro lado.
Para o lado que tantos têm medo de atravessar, mas que eu não, não tenho medo de atravessar caminhos que podem magoar mas que podem fazer com que façam de mim, mais alguém, além daquilo que sou, porque nada pode impedir o crescimento próprio da maturidade e liberdade do teu ser!
Tu és tu, não mais ninguém, tens de saber pelo teu olhar o que é melhor para ti e sabes, eu sei, mas o mundo parece que não sabe, não sente que o melhor para ti é aproveitares os teus dias e seres completamente feliz, num jeito carregado de coisas simples de que é feita a vida.

20
Jul16

[Simplicidades da vida] andar descalço

Carolina Cruz

11.jpg

 

 

 

Quando andas descalço, estás perante um espírito calmo, de paz, sentindo a Terra e todo o universo que te contempla, como se estivesses perante o mundo.
Andar descalço é sentir a natureza no seu esplendor, é caminhar sob a tua infância, porque todo o corpo sabe e rejuvenesce quando descansas e andas descalço. Pois vives e sentes o que a vida e a natureza têm de melhor: a sensação de se ser livre!

09
Jul16

Nas margens do rio

Carolina Cruz

20.jpg

 

Queria sentar-me de novo aqui, nas margens daquele rio, apreciar toda a sua liberdade que canta.
Como gostava de poder ser tão livre como tudo o que nele corre, toda a sua calma, tranquilidade. As lágrimas escorrem-me pelo rosto com um sabor a frustração desgastante que me remói e me apaga.
Queria-te do meu lado, para veres os meus dias passarem contigo, aí sim, eles seriam mais completos e fariam ainda um maior sentido, mas que posso eu fazer? Queria-te roubar e não te perder nunca mais. Quanto falta para te ter comigo para sempre? Agarrar-te e não te deixar ir, não preciso dizer que tenho saudades, era uma fútil expressão de sentimento que se torna a cada dia que passa mais forte.
Longe, vejo o longe passar a meu lado, e o sorriso esboça numa metamorfose inquieta, só aqui não há um custo, só a natureza não nos pesa, não nos pede um custo de vida, mas sim implora-nos para viver.
 
 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D