Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

16
Fev19

[O teu olhar] És mar

Carolina Cruz

Keina Diniz (2).jpg

 

És mar. Magia, inferno e poesia.
Controlas o tempo, regas o vento e mesmo sabendo que te odeio, fazes dos teus olhos o meu amor.
Perdem-se os minutos enquanto me envolves no teu leito.
Embates no meu peito e cada onda é um prazer na areia.
Deita-me e deixa-me ficar em ti, nua, tal e qual a natureza me trouxe ao mundo. Transforma-me no melhor de mim e oferece-me aquilo que em ti há de estupendo.
Ama-me, sê enigma, maré cheia, profunda, agarra-me, prende-me. Faz de mim um Verão eterno, uma juventude infinita e um amor com destino.
E assim, com fé me farei ao mar, à procura de um beijo teu que me regue a alma toda a vida.

 

 

Fotografia da autoria de Keina Diniz

29
Dez18

Corre

Carolina Cruz

Boomer-boy-girl-holding-hands-3.jpg

 

És inquieto. 
Pareces uma criança, olhas-me com intensidade, com brilho no olhar, quase que te leio por dentro, creio que vejo um toque de emotividade na tua alma. 
Dou-te a mão e a nossa infância volta! 
É isso o amor, não é? 
Ter a inocência e sabedoria de que sonhar é preciso para se construir um novo dia, reinventar cada momento, aceitar cada defeito e cada desafio, acreditar que os erros fazem parte, e aos pequenos atritos rirmo-nos com eles. Discutir, bater, brigar e fazer as pazes no minuto a seguir. 
É isso mesmo, contigo quero ser criança toda a vida, correr o mundo, contigo a limpar-me as lágrimas quando caio, comigo a dar-te uma palmadinha nas costas quando vences. 
Viver um para o outro, um com o outro, sem mau perder, mas sim com um orgulho próprio de quem se ama: «ela é minha namorada», «eu e ele existimos como um nós». 
É confiar, sem medos, mas não cegamente. É confiar que podemos construir uma relação de amizade infinita e ainda assim amarmo-nos ainda mais. 
Vamos ser crianças toda a vida, pois saberemos dar valor à essência da palavra «amor».
Vamos?
Dá-me a mão! 
Corre! 

04
Dez18

[Ficção] Recordo-me dos teus olhos

Carolina Cruz

FB_IMG_1529955578243.jpg

 

Recordo-me dos teus olhos, pelos quais me apaixonei. 
Os olhos dizem, são o espelho da alma, e os teus eram tão transparentes, tão bonitos, tão verdadeiros e sorriam. Sorriam tanto. Foi tão fácil apaixonar-me por eles.
Porque é que tinham de fazer isto connosco? Porque tinha a vida de acabar com o teu sorriso? Recordo-me todos os dias de ti, da forma como me amaste, como nos amámos. 
Foi tão importante, tão intenso, tão bonito, que na minha vida e no meu coração não consigo que entre mais ninguém, não quero mais ninguém. Continuo a amar-te como se estivesses vivo e continuo acreditar que, se Deus existe, um dia irei voltar a abraçar-te. 
É isso o amor, não é? Acreditar, acima de tudo. Acreditar que é possível, amar além de todo o universo, além daquilo que nos destrói.
Espero pela minha morte todos os dias para poder encontrar-te. 
Algo me diz que estás desse lado para me dar guarida. Sempre foste o meu refúgio e eu amo-te, tanto que nada nem ninguém irá mudar isso.

 

31
Out18

Vês?

Carolina Cruz

estee-lauder-new-dimension-2.jpg

 

 

Olha-te ao espelho. Sorri. 
Agarra os teus sonhos, a vida é tão pequena para teres medo, para ligares ao que os outros pensam de ti. 
Vive! Vive os teus sonhos como se o mundo desabasse amanhã. 
Sabes o quanto sabe pela vida um sonho concretizado? 
Um amor longo, inquieto, livre? 
Uma paixão doce, uma mão dada?
Uma volta ao mundo, um lugar novo?
O que queiras chamar ao teu sonho, é teu, vive-o, com o coração. É teu, de mais ninguém, não importa se te disserem que não és capaz, que isso é impossível, mostra-lhes que sim, que tu vais à luta para lhes provar que só não é possível se não tentares.
Do que estás à espera para seres feliz? Esse é o sonho mais possível da vida, vem de ti, dos teus ideais, das tuas crenças, da tua essência. 
Vês? Está aí, na tua alma, dentro de ti. Basta que encares esse novo dia. Que te olhes ao espelho, que sorrias, que digas “eu sou capaz”. 
Se os outros são, porque não serás tu também? 
Sorri.

23
Mai18

O meu lugar mais bonito

Carolina Cruz

Casamento.jpg

 

 
És o luar, a perfeição de um olhar, o doce da minha vida azeda.
Tens poesia no coração e certeza em cada poro.
És sonho verdadeiro, palpável, inocente e brilhante.
Amo-te, como se deve amar alguém - és livre, livre de querer ou não amar-me de volta. E tu desejas, desejas-me diariamente, de uma forma estupendamente inquieta e não sei como te agradecer.
Expludo de gratidão por te pertencer e orgulhosa por aquilo que construímos juntos. És tão meu também, da minha alma, do meu corpo, de mim, inteiramente.
Já não sei existir sem ti. Olho para trás e não consigo ver o passado sem contar a nossa história!
Oh meu amor!... Vivemos sempre um ao lado do outro, pertencemos ao mesmo coração, à mesma vida sem termos noção disso.
Volto a dizer que agradeço cada pedaço do nosso crepitar, do nosso amanhecer a cada dia. És a luz da minha noite, o meu guia no escuro, o meu lugar mais bonito, a minha casa.
19
Mai18

[O teu olhar] Em cada casa.

Carolina Cruz

Nunca me esqueço de ti.
Mesmo que venha um novo ciclo, mesmo que eu siga outro caminho, nunca vou esquecer o bem que me fizeste, o bem que trouxeste à minha vida.
Por mais tempo que passe desde o dia em que as nossas vidas tomaram rumos diferentes, por mais distância que a nossa amizade tenha aguentado... Amiga! Eu nunca vou esquecer o abraço que me deste, a força que ele me transmitiu e a energia com que me encheu a alma.
Por mais que passem os anos e novas pessoas entrem na minha vida, eu serei sempre grata e terei sempre um lugarzinho no meu coração para te guardar.
Peço à vida que te conceda o melhor e que te presenteie com um mundo feliz, um momento eterno de coisas boas, paisagens lindas e gente bonita por dentro.
Desejo-te o mundo, desejo-te o que há de melhor em mim e o dobro daquilo que desejo para o meu futuro, porque a amizade não se divide, multiplica-se, é maior que qualquer outro sentimento, é verdadeiro, gentil e o meu por ti é um amor infinito.
Por isso não esqueço, por isso em todos os lugares bonitos e inquietos em que estiver vou lembrar-me de ti e escrever em cada casa e em cada canto o teu nome, com saudade.

 

1. andré.jpg

 

__________________________________

 

Fotografia da autoria de André Veiga Fotografia

12
Mar18

A Coimbra.

Carolina Cruz

Ao passado que eu sei que não volta. 
Ao passado que traz nostalgia e milhares de histórias para contar. 
Fecho os olhos e estou de novo nos braços de uma cidade que me abraça diariamente, mas que tem o maior encantamento na capa negra traçada e no calor de um sorriso de estudante. 
Recuso-me a acreditar que todas as memórias morreram, se de lá trago o melhor do mundo, pessoas que ainda abraçam a minha vida e a minha alma. 
De Coimbra, de ser estudante, trago o mundo! Vive no meu sangue, toca-me na alma estes anos em que fui o melhor de mim, onde a persistência me ensinou a agarrar o dia. 
Bem dizem que o sol de Coimbra é diferente de todos os outros, é verdade, brilha com certeza, ilumina-nos o pensamento e é sabedor da consciência e da saudade que é abraçar esta cidade que nos é para sempre a eternidade da nossa existência e juventude.
Um brinde à esperança de cada dia novo, de se viver inteiramente.

sé-velha.jpg

 


(Fotografia de Notícias de Coimbra)

12
Fev18

[Ficção] Não faças isso!

Carolina Cruz

FB_IMG_1512740885669.jpg

 

Não faças isso. Não, não sorrias dessa maneira. Assim consegues trocar-me todos os meus pensamentos e fazer-me perceber que ainda te amo. 
Porquê? Por que é que tem de ser tão difícil ficarmos juntos? Por que não é a vida mais simples do que o nosso dia-a-dia? Se tudo fosse mais fácil acredita que estaria de novo nos teus braços, a implorar-te uma noite de amor e um pequeno-almoço dos nossos. 
Porém as nossas vidas tomaram um rumo diferente, não foi culpa minha, nem tua, nem nossa, creio eu. Foi da vida, dos diferentes caminhos que nos separaram.
Por isso, peço-te, não faças isso. Porque é quando sorris que eu percebo que não há nem nunca houve mais ninguém no meu coração (a transpirar-me a alma) do que tu. 
É quando sorris que fecho os olhos e me lembro do meu corpo a perder-se no teu, do sexo carnal e feliz, da alegria a brotar da serenidade depois do prazer e tudo o que quero fazer quando sorris é fechar os olhos e beijar-te, como da primeira vez, como de todas as vezes que me deixaste inquieta, a fervilhar por mais. 
Por isso, não faças isso, que eu caio na tentação!...
Por mais que peça, tu lá estás a sorrir. Pegas-me na mão e deixas-me morrer um bocadinho. 

 

- Voltamos a tentar? - perguntas.


Eu sorrio. Não há saudade sem volta, dizia ao poeta.
Vou render-me a ti- Sim, rendi-me, completamente.
Beijo-te o pescoço, dispo-te a alma.
Voltámos a ser, a sentir, coro e sorrio. Obrigada por sorrires.

14
Set17

[Ficção] Dói.

Carolina Cruz

tumblr_m9drisSdm61rs9oclo1_500.jpg

 

Dói-me o corpo todo.
Dói-me olhar-te e não ver mais nada se não o espelho da minha falta de dignidade, do meu rancor, da minha frustração, do meu medo, do meu pesadelo.
Bebo mais um golo de whisky, misturo-lhe vodka pura, que explosão louca, mas não maior que aquela que provocas no meu coração e consequentemente na minha alma, por ferires o meu corpo.
Bato a porta, mas não sei para onde vou, volto a entrar, já nem consigo tomar conta de mim, o que tu fazes tão bem, dizes tu de uma forma tão imperativa.
Controlas este meu corpo como sendo inteiramente teu, magoas, violas, torturas, este corpo que já está mais morto que propriamente vivo, enquanto se mantém nos teus braços.
Assim não quero mais permanecer, eu que não tenho mais confiança em mim, eu que não acredito que sou capaz, que melhores dias virão e que te venham buscar.
Mesmo que o viessem, mesmo que te levassem da minha vida, eu não seria mais a mesma, não conseguiria voltar a ser eu mesma, a mulher linda e confiante de cabelos ruivos que amava tanto a loucura, mesmo sendo sensata.
Agora nada sou além de ti, sou um espelho do que não quero ser. Por isso, por não saber o que faço deste lado, por ter perdido o norte ou tendo morrido ainda que viva, termino com tudo o que dói e à vodka e ao whisky junto milhares de capsulas que me levam à loucura, à overdose e à sensação de alívio. Deixei tudo para encarares, deixei o meu corpo, a minha alma livre e jovem viaja agora para outro lugar.
Não sei se tomei a atitude certa, mas não há volta a dar.
Não sei se tomei a atitude certa, mas sinto-me melhor.
Morri, por tua culpa.
Morri, sem ti.
Morri triste, mas agora estou feliz, em paz.

02
Set17

O que somos após tudo terminar?

Carolina Cruz

tumblr_nxkv69mg5s1ru7qqwo1_500.jpg

 

Somos lume aceso pronto a arder. 
Somos prato servido para ser pó e além da nossa alma que fica no coração dos outros, daqueles que nos amam, nada seremos após a nossa morte. 
Vimos ao mundo para ser, para ousar ser livre, no entanto há sempre algo que nos prende: a ansiedade, o medo, o tempo finito. 
Não há ninguém que não tema a morte, não existe, usamo-la como segurança dos nossos erros ou um escape para quando já não conseguimos viver com as consequências deles. 
Somos nada que é um tudo para alguém. Amamos, profundamente, loucamente, fazemos coisas impensáveis em busca de nos tornarmos eternos para alguém. 
Mas será essa eternidade executável? Verdadeira? Exata? 
Será que não nos esquecerão quando nada restará se não as memórias, se não o tempo da nossa ausência?
Quem somos depois de partirmos? Qual é a definição do amor após só nos restar a alma? É a alma que ama ou o corpo por inteiro?
Há dias em que viver não me basta, por isso vou à procura de razões a perguntas que nunca serão respondidas... 
Nunca? Será? Eu não deixo de pensar, enquanto não tiver respostas! 
O que somos após tudo terminar?
 
 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D