Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

03
Ago18

[Cinema] Abzurdah

Carolina Cruz

MV5BY2FmNzdlMWEtN2QwOC00NWYwLWJlNmQtN2IyZGUyMTFkM2

 

Dizem que o amor salva, que o amor cura, que o amor é vida. Pode ser realmente, se o virmos como tal. Porém a mente humana, deturpa-o, torna-o obsessivo, doentio, soberbo... e quando julgamos amar intensamente, podemos enganar-nos, vivendo em absoluto um amor que não é saudável.
"Abzurdah" fala-nos de uma história real, sobre Cielo, uma jovem bonita, que se apaixona por um homem mais velho, que conhece na internet. 
Alejo é um homem dez anos mais velho que a sabe seduzir, mas o amor que Cielo sente por ele não é totalmente correspondido. 
Achando que esse amor não é correspondido pela sua forma de ser, do seu fisico, Cielo deixa de comer, e tenta assim, pondo a comida de lado, chamar a atenção de uma vida perfeita e de Alejo. 
O que será que irá acontecer à sua vida?
Uma história verdadeira que nos deixa inquietos, que nos magoa, que nos deixa a pensar. 
Um filme que nos prende do início ao fim. Disponível no Netflix.

 

11
Jul18

[Cinema] Midnight Sun

Carolina Cruz

share-image-seed-5b1b05c1d2dd6.jpg

 

Mais uma leitura indispensável e um filme maravilhoso!
Baseado no livro com o mesmo nome (“Amar-te à meia-noite” em português), este filme tem um toque juvenil e divertido, enquanto se fala de algo bastante sério.
Kate sofre de XP, uma doença que a impede de estar exposta ao mais pequeno raio de sol, sofrendo queimaduras graves e consequências fatais.
Kate vive com o pai, viúvo, que dá a vida por ela, é um pai dedicado e com quem ela tem uma relação bastante próxima. Porém, ela tem um sonho, o mesmo sonho que a fez ultrapassar os anos a fio passados em casa – a música. E Charlie, o rapaz dos seus sonhos.
Tudo muda no dia em que terminam o secundário.
Convencendo o pai, Kate consegue ir tocar guitarra à noite para a estação de comboios, onde o destino cruza o seu caminho com o de Charlie. 
Um amor livre, juvenil, poderoso, que nasce entre os dois, o que nos prova que o amor e aquilo que sentimos é muito maior e mais importante que a nossa condição.
Uma história maravilhosa, de superação, amor e amizade.
Aconselho vivamente o filme, mas é claro, aconselho que leiam o livro primeiro!

 

 

 

29
Jun18

[Cinema] "A cada dia"

Carolina Cruz

613884.jpg

 

Uma das coisas que eu não perco por nada, fiquem a saber, são os filmes dos livros que li, há quem diga que não gosta de ver, nem de comparar, mas eu tenho de o fazer impretivelmente. Gosto de comparar as personagens que crio na minha cabeça com as do filme, gosto de ver o que leio, interpretado. Porém e é claro, há filmes que nos desiludem, que perdem a clareza do livro e alguns detalhes importantes da sua história. Mas...
"A cada dia" foi um filme extraordinariamente bom e que soube homenagear de forma maravilhosa o livro de David Levithan no qual é baseado, a prova disso é que durante o filme senti-me ansiosa como se não conhecesse o final e emocionei-me como se fosse a primeira vez que conhecia a história. 
A história fala-nos de A. uma alma que acorda num corpo diferente todos os dias, tenta não se afeiçoar às pessoas que o rodeiam, conformando-se com a sua vida, até ao dia em que acorda no corpo de Justin e conhece a sua namorada - Rhiannon - e tudo muda. 
Uma história belíssima, um romance incomum que nos mostra que o amor não é uma questão física, mas de olhar e coração.
Um filme que nos prende ao ecrã!

 

 

 

 

07
Mai18

[Cinema] "Aşk tesadüfleri sever"

Carolina Cruz

75a7864820e1b7b72148c95e46fb9d12.jpg

 

Mais um filme pouco conhecido, daqueles que vocês sabem que eu adoro falar-vos e comentar convosco. 
“Aşk tesadüfleri sever”, com tradução em português de “O amor gosta de coincidências” é um filme turco, de 2011, que nos fala sobre o amor, a família e as coincidências da vida e do destino, pelos quais também somos um pouco (ou muito) responsáveis.
E somos responsáveis sim, pelas nossas atitudes, não basta apenas amar, amar somente não interessa, interessa as atitudes, as ações, as palavras ditas com o coração, o sentir mas sobretudo o demonstrar que sentimos.
Acredito que as pessoas não aparecem nas nossas vidas por acaso e não é ao acaso que tudo acontece, mas acontece também porque desejamos que aconteça e por deixarmos que aconteça. Porém também acredito em coincidências e no que toca ao amor podem ser e são muitas vezes surpreendentes. 
“O amor gosta de coincidências” fala-nos ao coração, leva-nos a questionar muita coisa, sobretudo a nossa existência e o seu valor, as relações pessoais e amorosas, o perdão e a dor. Deixa-nos questões fundamentais quando se ama alguém:

 

 

“Quando foi a última vez que tremeste por dentro ao tocares em mim?
Algum lugar te pareceu mais bonito só porque eu estava lá?
Já te sentiste realmente feliz só, e apenas só, porque eu estava contigo?
Um momento fugaz juntos alguma vez significou tudo para ti?”

 


Refletindo assim, o que é verdade, nem sempre amar basta, precisamos de intensificar e cuidar do nosso amor diariamente. Se nada é para sempre, porque não fazer durar e conquistar todos os dias quem amamos e o que desejamos?
Vejam, porque se gostam de filmes que vos fazem pensar, chorar e sorrir de emoção, este é um deles!

 

 

16
Mar18

[Cinema] Butterfly dreams

Carolina Cruz

21046309_20131003090730236.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_

 

"Butterfly dreams" é um filme baseado numa história verídica e é dedicado a todos os poetas esquecidos. 
Este filme conta a história de dois jovens que, na segunda guerra mundial, são obrigados a trabalhar nas minas. Tudo parece demasiado pesado, o trabalho ardúo, as doenças, mas é o amor que torna mais leve a vida malvada destes dois amigos.
Ao apaixonarem-se pela mesma rapariga competem entre si qual lhe escreve o melhor poema, por qual é que ela se apaixona primeiro através da poesia. 
Uma história arrebatadora, crua, dolorosa, poética misturada com sorrisos, gargalhadas e uma dose elegante de amor e amizade. 
Um hino e uma homenagem a todos aqueles que lutaram para serem poetas numa época em que a educação era apenas para ricos e a alfabetização era escassa. 
Um filme pouco falado (como os que eu gosto de ver e de vos apresentar) que nos arrebate. 
Está disponível no Netflix Portugal e acho que não deviam perder!

 

 

05
Mar18

[Cinema] Até aos ossos

Carolina Cruz

2017-07-24.jpg

 

"Até aos ossos" é mais uma criação estupenda do Netflix. Um filme original com Lily Collins como protagonista brilhante e poderosa.
Este filme aborda um tema, infelizmente, muito comum nos nossos dias - a anorexia. 
Ellen é anorética e vê a sua doença cada vez mais avançada, quem a rodeia está completamente alarmada, mas Ellen não tem esperanças de melhorar até encontrar um médico pouco convencional que a procura ajudar.
Esta passa a fazer parte de um grupo e a viver com outras pessoas que vivem com o mesmo tipo de doenças e é aqui que a sua vida parece mudar. Surgem novas amizade, uma muito especial. Porém, Ellen, não sabe lidar muito bem com os seus sentimentos e isso não a ajuda a melhorar o ambiente que a rodeia. Conseguirá Ellen mudar como se sente? Vencer os seus medos e fantasmas mais dolorosos? A sua doença?
Aconselho-vos vivamente a verem este filme. 
É um filme que nos faz pensar e refletir sobre a nossa autoestima, sobre o nosso valor e amor-próprio que é tão importante para darmos também importância à vida.

 

 

09
Fev18

[Cinema] Call me by your name

Carolina Cruz

Call-Me-By-Your-Name-400x580-o50.jpg

 

 

Já há alguns dias que vi este filme e ainda não tinha comentado convosco a minha opinião sobre ele. 
É um filme bastante falado e premiado este ano e que, na minha opinião, é bem merecido. 
É um filme aberto, sem receios, sem dramas, despido e completo, na nudez do ser humano e do amor. Porque o amor é mesmo isso não é? A nudez da alma, o coração por inteiro. Não importa se é entre homem e mulher ou dois homens. O amor não tem cor, não tem idade, nem sexo.
O amor é um sentimento simples, bonito e não deixa de ser bonito por ser dito diferente. E é feio dizer-se que um amor é diferente. Porquê? Se o que sentimos transborda no peito? Para quê nos magoarmos ou escondermos o que sentimos com medo do que a sociedade pode pensar?
Foi este pensamento que "Call me by your name" me trouxe. Aquilo que une dois seres humanos ninguém tem que crer ou querer saber, é simplesmente seu e único, bonito, belo e feliz. 
O primeiro amor marca-nos para sempre e o primeiro amor de Elio será o seu amor para a vida toda, quanto mais não seja na lembrança, pois Oliver mudou a sua vida e a sua forma de pensar. 
Uma longa-metragem que nos faz debater sobre temas importantes e ainda tabus na nossa sociedade fechada. Fala-nos também sobre o apoio parental e a amizade.
Eu adorei e recomendo.

 

E vocês já viram?

 

 

08
Fev18

[Cinema] Somente tu (Sadece Sen)

Carolina Cruz

MV5BNWNhZjJjNjEtN2NhNy00MjI3LWI0Y2YtZDlmNThkNjMwNT

 

Um filme estupendamente incrível. 
Prende-nos, deixa-nos inquietos, é ideal para quem gosta de filmes românticos e ao mesmo tempo a quem não resiste a um bom suspense com muita ação e adrenalina à mistura. 
É um filme romântico, que muitos dirão ser clichém mas que eu defino como uma forma bonita e poderosa de nos falar da diferença, da superação, da amizade, do amor, do perdão...
Este filme fala-nos de Ali, um antigo pugilista que se apaixona por uma jovem cega e a sua vida muda para sempre, porém há algo que descobre e que o faz voltar ao passado de lutas e de violência.
O que será?
Como vos disse é um filme de suspense, de curtar a respiração do início ao fim.
Encontra-se disponível no Netflix! Já conheciam?!

 

 

21
Jan18

[Cinema] Três cartazes à beira da estrada

Carolina Cruz

3B-Banner.jpg

 

"Três cartazes à beira da estrada" é um dos filmes mais badalado deste ano, nomeado para seis globos de outro, e premiado com quatro: melhor ator secundário: Sam Rockwell; melhor guião:Martin McDonagh; melhor atriz (drama):Frances McDormand e melhor drama.
De facto, embora não tenha visto todos os outros filmes nomeados e premiados, este filme está espetacularmente chocante no bom sentido da palavra, marca-nos, questiona-nos, deixa-nos a pensar. 
O amor de uma mãe, o desespero, a luta, a coragem, a vingança após sete meses ter o processo jurídico da morte da sua filha, morta e violada, encerrado sem qualquer condenação para os culpados desse crime. 
Inconformada, Mildred resolve chamar a atenção da população colocando três cartazes à entrada da sua cidade que questionam o chefe da polícia. Esta sua atitude desencadeia um desenrolar de acontecimentos violentos e dramáticos.
Intitulado "uma comédia negra", este filme é baseado numa história verídica, o que o torna ainda mais pesado e cru. 
Um filme com um elenco poderoso e um desenrolar que nos prende no início ao fim. 
Vejam, porque está realmente bom!
Quem já viu?! 

 

16
Jan18

[Cinema] The edge of seventeen

Carolina Cruz

gsySu0h.jpg

 

"The edge of seventeen" é uma história bastante interessante num filme bom. Ou seja, podia estar muito melhor aproveitado, porém conquista e impressiona pelo facto de apresentar onde chega a depressão e o que as pessoas pensam e fazem quando estão debaixo de uma tristeza e depressão crónicas. 
Nadine é uma jovem com graves problemas de autoestima, vê-se sempre inferior aos outros, em especial ao irmão. 
Quando este começa a namorar com a sua melhor amiga, o mundo de Nadine descamba e vê-se mais sozinha do que nunca. O que ela não sabe é que ao afastar-se da sua melhor amiga, a ligação que cria com outras pessoas, até então colegas ou estranhos, pode ensiná-la a criar ligações para toda a vida, fazendo-lhe entender que por mais estranha que seja ou se sinta, há sempre pessoas, até quem menos se espera, que gostam e se importam com ela.

Vejam, vão gostar.
É estranho, mas entranha-se!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D