Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

03
Ago18

[Cinema] Abzurdah

Carolina Cruz

MV5BY2FmNzdlMWEtN2QwOC00NWYwLWJlNmQtN2IyZGUyMTFkM2

 

Dizem que o amor salva, que o amor cura, que o amor é vida. Pode ser realmente, se o virmos como tal. Porém a mente humana, deturpa-o, torna-o obsessivo, doentio, soberbo... e quando julgamos amar intensamente, podemos enganar-nos, vivendo em absoluto um amor que não é saudável.
"Abzurdah" fala-nos de uma história real, sobre Cielo, uma jovem bonita, que se apaixona por um homem mais velho, que conhece na internet. 
Alejo é um homem dez anos mais velho que a sabe seduzir, mas o amor que Cielo sente por ele não é totalmente correspondido. 
Achando que esse amor não é correspondido pela sua forma de ser, do seu fisico, Cielo deixa de comer, e tenta assim, pondo a comida de lado, chamar a atenção de uma vida perfeita e de Alejo. 
O que será que irá acontecer à sua vida?
Uma história verdadeira que nos deixa inquietos, que nos magoa, que nos deixa a pensar. 
Um filme que nos prende do início ao fim. Disponível no Netflix.

 

11
Jul18

[Cinema] Midnight Sun

Carolina Cruz

share-image-seed-5b1b05c1d2dd6.jpg

 

Mais uma leitura indispensável e um filme maravilhoso!
Baseado no livro com o mesmo nome (“Amar-te à meia-noite” em português), este filme tem um toque juvenil e divertido, enquanto se fala de algo bastante sério.
Kate sofre de XP, uma doença que a impede de estar exposta ao mais pequeno raio de sol, sofrendo queimaduras graves e consequências fatais.
Kate vive com o pai, viúvo, que dá a vida por ela, é um pai dedicado e com quem ela tem uma relação bastante próxima. Porém, ela tem um sonho, o mesmo sonho que a fez ultrapassar os anos a fio passados em casa – a música. E Charlie, o rapaz dos seus sonhos.
Tudo muda no dia em que terminam o secundário.
Convencendo o pai, Kate consegue ir tocar guitarra à noite para a estação de comboios, onde o destino cruza o seu caminho com o de Charlie. 
Um amor livre, juvenil, poderoso, que nasce entre os dois, o que nos prova que o amor e aquilo que sentimos é muito maior e mais importante que a nossa condição.
Uma história maravilhosa, de superação, amor e amizade.
Aconselho vivamente o filme, mas é claro, aconselho que leiam o livro primeiro!

 

 

 

29
Jun18

[Cinema] "A cada dia"

Carolina Cruz

613884.jpg

 

Uma das coisas que eu não perco por nada, fiquem a saber, são os filmes dos livros que li, há quem diga que não gosta de ver, nem de comparar, mas eu tenho de o fazer impretivelmente. Gosto de comparar as personagens que crio na minha cabeça com as do filme, gosto de ver o que leio, interpretado. Porém e é claro, há filmes que nos desiludem, que perdem a clareza do livro e alguns detalhes importantes da sua história. Mas...
"A cada dia" foi um filme extraordinariamente bom e que soube homenagear de forma maravilhosa o livro de David Levithan no qual é baseado, a prova disso é que durante o filme senti-me ansiosa como se não conhecesse o final e emocionei-me como se fosse a primeira vez que conhecia a história. 
A história fala-nos de A. uma alma que acorda num corpo diferente todos os dias, tenta não se afeiçoar às pessoas que o rodeiam, conformando-se com a sua vida, até ao dia em que acorda no corpo de Justin e conhece a sua namorada - Rhiannon - e tudo muda. 
Uma história belíssima, um romance incomum que nos mostra que o amor não é uma questão física, mas de olhar e coração.
Um filme que nos prende ao ecrã!

 

 

 

 

07
Mai18

[Cinema] "Aşk tesadüfleri sever"

Carolina Cruz

75a7864820e1b7b72148c95e46fb9d12.jpg

 

Mais um filme pouco conhecido, daqueles que vocês sabem que eu adoro falar-vos e comentar convosco. 
“Aşk tesadüfleri sever”, com tradução em português de “O amor gosta de coincidências” é um filme turco, de 2011, que nos fala sobre o amor, a família e as coincidências da vida e do destino, pelos quais também somos um pouco (ou muito) responsáveis.
E somos responsáveis sim, pelas nossas atitudes, não basta apenas amar, amar somente não interessa, interessa as atitudes, as ações, as palavras ditas com o coração, o sentir mas sobretudo o demonstrar que sentimos.
Acredito que as pessoas não aparecem nas nossas vidas por acaso e não é ao acaso que tudo acontece, mas acontece também porque desejamos que aconteça e por deixarmos que aconteça. Porém também acredito em coincidências e no que toca ao amor podem ser e são muitas vezes surpreendentes. 
“O amor gosta de coincidências” fala-nos ao coração, leva-nos a questionar muita coisa, sobretudo a nossa existência e o seu valor, as relações pessoais e amorosas, o perdão e a dor. Deixa-nos questões fundamentais quando se ama alguém:

 

 

“Quando foi a última vez que tremeste por dentro ao tocares em mim?
Algum lugar te pareceu mais bonito só porque eu estava lá?
Já te sentiste realmente feliz só, e apenas só, porque eu estava contigo?
Um momento fugaz juntos alguma vez significou tudo para ti?”

 


Refletindo assim, o que é verdade, nem sempre amar basta, precisamos de intensificar e cuidar do nosso amor diariamente. Se nada é para sempre, porque não fazer durar e conquistar todos os dias quem amamos e o que desejamos?
Vejam, porque se gostam de filmes que vos fazem pensar, chorar e sorrir de emoção, este é um deles!

 

 

16
Mar18

[Cinema] Butterfly dreams

Carolina Cruz

21046309_20131003090730236.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_

 

"Butterfly dreams" é um filme baseado numa história verídica e é dedicado a todos os poetas esquecidos. 
Este filme conta a história de dois jovens que, na segunda guerra mundial, são obrigados a trabalhar nas minas. Tudo parece demasiado pesado, o trabalho ardúo, as doenças, mas é o amor que torna mais leve a vida malvada destes dois amigos.
Ao apaixonarem-se pela mesma rapariga competem entre si qual lhe escreve o melhor poema, por qual é que ela se apaixona primeiro através da poesia. 
Uma história arrebatadora, crua, dolorosa, poética misturada com sorrisos, gargalhadas e uma dose elegante de amor e amizade. 
Um hino e uma homenagem a todos aqueles que lutaram para serem poetas numa época em que a educação era apenas para ricos e a alfabetização era escassa. 
Um filme pouco falado (como os que eu gosto de ver e de vos apresentar) que nos arrebate. 
Está disponível no Netflix Portugal e acho que não deviam perder!

 

 

14
Jan18

[Cinema] Breathe

Carolina Cruz

filmes_11409_razao5.jpg

 

Que filme, que história, que homenagem...
Uma história verdadeira, um homem de coragem, uma mulher muito à frente do seu tempo e um filho com amor e saudade no coração. 
Um filme que tem tudo para ser perfeito e o é. Excelente é pouco para descrever esta obra-prima.
"Breathe" é um filme que nos fala da história real de Robin, um homem aventureiro e divertido, com uma paixão enorme pela vida e por Diana. Robin, vê-se na sua idade jovem, prestes a ser pai, paralisado para a vida toda, como consequência da grave doença poliomielite. 
Diana desafia a sociedade da época de sessenta e consegue que o marido saia da prisão que era a medicina para pessoa com doenças e deficiências como a sua. 
Um amor poderoso que ajuda a que Robin, mesmo limitado, tenha uma vida inteiramente feliz, ajudando, com o seu comportamento positivo em relação à sua condição, a que se trabalhasse e se desafiasse a mobilidade, acessibilidade e vida com direitos para as pessoas com deficiência. 
Um filme forte, intenso e realmente poderoso, como a luta de Robin e Diana. 
Para quem gosta de dramas com mensagens motivacionais, que nos prendem à vida e nos queimam a alma na pressa e na vontade imensa de viver bem, este filme é ideal.
Cinco estrelas? Muito mais, com certeza. 
Vejam!

 

 

02
Jan18

[Cinema] Castelo de vidro

Carolina Cruz

4208-12364-TheGlass.jpg

 

"Castelo de vidro" é um filme baseado no livro com o mesmo título. Conta-nos a história verdadeira da educação e vida da conceituada jornalista do New York Times, Jeannette Walls. 
Não li o livro, mas o facto de este filme estar cinco estrelas, fiquei bastante curiosa em fazê-lo.
Jeannette nasceu numa família dita disfuncional, o pai era alcoólico e a mãe era pintora. Sempre viveram no limite, muitas vezes sem tecto e sem comida. 
Jeannette, a segunda filha da família sempre foi a força do pai, porém várias foram as vezes em que a desilusão e o desespero a motivaram a fugir e a procurar outra vida que não a dos pais. 
O dinheiro faltou e Jeannette mudou de vida, tornou-se uma jornalista de sucesso por mérito próprio e está noiva.
Mas será que conseguirá ela abandonar as suas origens? Cortar relações definitivas com os seus pais e com o seu passado? 
Afinal independentemente de tudo o que somos no presente, da nossa vida, o que nos faz o que somos, na nossa essência, são as nossas raízes, o nosso seio familiar. Será que isso não importa para Jeannette?
Um filme poderoso e encantador, que nos faz pensar, chorar e sorrir também!
Vale a pena ver!

 

 

23
Set17

[Cinema] Capitão Fantástico

Carolina Cruz

334533_pt.jpg

 

Muito bem cotado pelo IMDB, “O capitão fantástico” é um filme genial, que envolve drama e comédia de uma forma bastante inteligente e interessante.
O filme retrata a história de uma família criada na floresta e que se vê obrigada a encarar o mundo real da civilização, o qual desconhece.
Ben decidiu criar os seis filhos com regras rígidas que incutem a sobrevivência e a força. Não vão à escola e é Ben quem lhes dá aulas.
Este pai faz-nos questionar muitos pontos errados da nossa educação, enquanto educadores, enquanto escola, sobre o consumismo e como preparamos os nossos para a vida. 
Eles estão bem preparados para sobreviverem, são forte e resilientes, mas estão eles preparados para encarar este mundo real? O que sabem eles sobre os sentimentos? A relação com os outros?
Até que ponto, este pai que quer o melhor para os seus filhos, está a fazer realmente o melhor? Por que razão o decidiu fazer? Não terá sido uma opção radical? Mudará o rumo das suas vidas?
Vejam e reflitam!
 
 
 
 

 

 
14
Jul17

[Cinema] American Beauty

Carolina Cruz

KmfLpkLTycrTToLyhoerP5Mi.jpeg

 

“American Beauty” é um verdadeiro clássico.
Um clássico que se entranha, que se estranha, que nos deixa a pensar, a repensar e a dizer “muito bom mesmo”. 
Dá-nos a conhecer as personagens, oferece-nos um pouco de cada uma delas, começamos a odiar todas elas, a repudia-las, a julga-las. Porém, como é na vida real, nós não conhecemos ninguém, não podemos julgar ninguém pelos seus atos, pelas suas fraquezas, pelo que parecem, mas os seus atos, os seus pensamentos e as suas atitudes levam-nos muitas vezes a fazê-lo. 
Ainda assim, continuamos a acreditar que não conhecemos tudo sobre uma pessoa, nem sobre os nossos filhos, nem sobre os nossos pais, com quem casámos, por quem nos apaixonámos. As atitudes falam muito de uma pessoa, mas de onde surgem elas? De que pensamentos? De que atos de outrora?
Um filme que, embora possa estranhar num início, vão querer vê-lo até ao fim, porque agarra. Foi o que aconteceu comigo, tenho a certeza que convosco também vai acontecer. Vão querer vê-lo até ao fim, e no fim vão querer saber mais!
Vejam, vale a pena.

 

 

03
Jul17

[Cinema] Love Happens

Carolina Cruz

03_Love_Happens.jpg

 

“Love happens” tem uma mensagem muito importante para todos nós, em especial para aqueles que perderam alguém muito especial.
Por vezes julgamos que ao curar as feridas dos outros também curamos as nossas, mas talvez não, talvez as temperemos com o açúcar metafórico que é ouvir os outros falar dos mesmos problemas, de perdas idênticas. Talvez esqueçamos e as apaziguemos mas não, nunca as curamos, nunca serão esquecidas se não falarmos delas com sinceridade, com lealdade, com amor, senão estaremos constantemente a enganarmo-nos.
Mesmo que nos façamos de fortes ou aos olhos dos outros pareçamos rudes, não é verdade, nós também precisamos de ajuda, de apoio, de uma mão amiga, porque quem não chora, quem não exterioriza o que sente, deixa apodrecer a sua própria alma.
Todos nós, mesmo que digamos que não, mesmo que não queiramos, para vencermos precisamos de ser crus, principalmente connosco mesmos, dizer, consentir e aceitar a verdade e então depois de nos desculparmos por toda a dor, seguimos em frente.
Muitas vezes precisamos de romper esse aperto, de dar espaço ao coração para outra pessoa poder surgir na nossa vida, até porque o amor dói sim, mas também cura.
 
 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D