Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

02
Jun18

Lamento...

Carolina Cruz

Crmc668XYAAznn_.jpg

 

Trabalho todos os dias e lamento. 
Há dias em que, como qualquer trabalhador, sou preguiçosa, há dias em que escolher ser e fazer o meu serviço é díficil.
Há pessoas que dizem que sou má, que sou vingança, mensagem de Deus ou do diabo, há quem me tema e viva a vida toda a temer-me, a sonhar comigo, a ter pesadelos, há também quem me chame e me implore para que eu faça o meu serviço, que lhes leve a alma e lhes deixe o corpo sem vida. 
O meu nome é morte e eu sei que vivo ou morto, já ouviste falar de mim e, na pele ou na de quem amas, me conheces. 
Todos os dias são uma correria e eu sou só uma alma e trabalho tanto.
Lamento que não gostem de mim, que seja injusta, que exista, mas desculpem dizer-vos que sem mim a vida não teria qualquer sentido.
Hoje levo comigo mais de cem pessoas no mundo, pessoas importantes, que foram importantes no mundo de alguém, com histórias para contar, com saudades e lágrimas. 
Custa-me levar esta gente, mas dói também levar aquela criança que tinha tanto para viver, aquele inocente na guerra, o homem perdido de amores, que por amor se matou, quando ainda podia no futuro vivenciar outra grande paixão. Dói levar alguém que não deixa ninguém para se lembrar de si.
Ser a morte de que muitos falam não é fácil e eu lamento isso, faço chorar, por vezes desperto o ódio, a raiva e a vingança, mas desculpem é o meu ser e temam ou não, um dia irei conhecer-vos. Até lá, deixem-me dar-vos um conselho, pois eu nunca sei quando escolho chegar e enquanto eu não chegar, aproveitem! Vivam intensamente, sem me temerem. Vivam porque eu sou a morte e nunca soube, na verdade, viver inteiramente.

23
Abr17

[O teu olhar] Sem ti, eu agradeço

Carolina Cruz

Cláudia Fernandes (1) - Cópia.jpg

 

Todos dizem que o pôr-do-sol é romântico. Sinceramente, não o vejo como tal. Não é por já não te ter há mais de duas semanas ou por já não sermos rigorosamente nada um para o outro que assim penso.
Acredito que o pôr-do-sol seja romântico para os mais apaixonados. Já eu aprendi, desde algum tempo, a fazer dele um momento de meditação, agradecimento.
É um dia que finda e que eu agradeço, mesmo sem ti.
Aprendi também que é muito mais libertador agradecer do que lamentar.
Se nos lamentarmos nunca vamos ver a felicidade ao fundo, quereremos sempre mais, nunca estaremos satisfeitos com o que temos ou com o que virá.
No entanto, ao agradecermos daremos valor àquilo que somos, ao nosso ser individual, que acreditemos ou não, ainda tem muito que triunfar. Ao acreditarmos nisso e ao agradecermos, as coisas boas surgirão naturalmente.
Por isso, hoje sento-me aqui sem ti, onde nos sentámos tantas vezes e, embora o nosso amor tenha terminado (o teu pelo menos) eu agradeço teres feito parte da minha história e teres-me respeitado todos os dias em que o nosso amor foi eterno. Também por isso eu me deva sentir grata. Porque aconteceu, porque outro amor virá que fique, porque eu acredito na paz do meu coração, na sua força, num novo amanhã, ainda que sem ti.

 

(Fotografia da autoria de Cláudia Fernandes)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D