Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

24
Abr17

Se é amor...

Carolina Cruz

1.jpg

 

Se é amor então não são precisas palavras. Se é amor, do verdadeiro, é o coração que fala com a alma através de um olhar, de um olhar ao qual ninguém se insurge, que ninguém ousa contestar ou negar. Se é amor, a aura que paira num olhar cúmplice é intensa, poderosa e o sorriso surge. Surge mesmo quando se quer chorar, surge mesmo quando o mundo nos quer roubar o que temos de melhor, quando o destino quer que a distância separe esse amor, mas se é amor, de verdade, ultrapassa e cura tudo.
Ainda que, por momentos, não se consiga ultrapassar, ele viverá para sempre na memória de quem ama para sempre e viverá com esse desejo para toda a vida, de um reencontro, de uma ajuda do destino, porque um amor verdadeiro nunca se esquece, não se pode fugir dele, ainda que se queira. Porque no cruzamento da vida, em que os olhos se reencontram, o sorriso, que embora magoado com o tempo, diz que o tempo não interessa mais, fazendo jus à felicidade e se entrega num beijo profundo. Porque se é verdadeiro, não tem fim, data de término ou falecimento. Amor de verdade é para toda a vida. É meu, teu, de mais ninguém.
 
 

 

 
 

 

19
Mar17

[Resenha Literária] Um dia disseste que devia escrever um livro

Carolina Cruz

2b8b4d6fae60265047e70b8fa4ef9996.jpg

 

 

"Um dia disseste que devia escrever um livro" é o primeiro livro da autora Patrícia Rebelo.
Este primeiro livro de Patrícia é uma biografia onde narra a história da perda de dois anos de memória após ter sido operada a um ouvido.
Patrícia leva-nos a pensar no que faríamos se já não nos lembrássemos de quem somos, porque quando acordou da operação, Patrícia não se lembrava do ano em questão, é como se tivesse entrado numa máquina do tempo e tudo o que parece ficção é, na verdade, uma história bem real.
Patrícia acorda e não se recorda de Filipe, o namorado, pois se retrocedermos a dois anos (e uns outros antes - o começo do livro) o seu coração palpitava por Diogo, por quem volta a palpitar devido à perda de memória.
Como terá sobrevivido Patrícia a este encontro sem saber que é com o passado ou mesmo sabendo vai ao encontro da ausência de sentimentos por parte do seu querido amado?
Neste livro, a autora demonstra um grande crescimento ao longo dos tempos, a sua força e coragem para viver uma nova vida e mil e um sentimentos com que lidar, numa escrita de fácil leitura.
Um livro com uma mensagem forte que nos faz pensar que, podemos e devemos recomeçar, mesmo quando não existem forças em nós, porque cada dia não é apenas um dia mas sim uma aprendizagem para sermos melhores. Uma aprendizagem para toda a vida.

09
Ago16

Fecho os olhos e sinto..

Carolina Cruz

56.jpg

 

Fecho os olhos e sinto uma leve brisa a soar-me ao ouvido. Arrepio-me. Fecho os olhos e sinto, sinto o teu respirar tão perto, passas suavemente a mão pelos meus longos cabelos que doiram ao sol e dançam ao vento.
Agora respiro eu com mais calma, acende-se a adrenalina em mim, quero ir em busca do desconhecido. Vem, dá-me a mão, protege-me do medo. Sente que nada é em vão e tudo vale a pena. Dá-me um beijo, sente-me, dá-me a liberdade de ser feliz contigo.
Leva-me a correr pela espuma salgada do mar, refresca-te na ideia de que tudo (em nós) será eterno e então desfruta do que te poderei dar, eu sei, o melhor de mim, e vive neste sonho que é mutuamente nosso e que eu quero que nunca acabe na história do que somos, na memória do que fomos.
Grava o teu nome na areia, limo um coração numa concha e brinco com a água que me lava a alma, não existem problemas, há tranquilidade, há paz, há liberdade, um murmúrio de um sonho, então, tornado realidade.

 

Foto in tumblr

24
Jul16

Em cada memória.

Carolina Cruz

9.jpg

 

Em cada memória há uma canção nossa de amor.
Como podemos fugir de um sorriso, se o melhor que temos é nos amarmos um ao outro?
O destino falou de nós, logo pelo começo da vida, como não pudemos nós reparar? É a nossa magia, estava escrito, faz parte daquilo que somos, da nossa história.
Jamais nos poderemos afastar, se, na verdade, sempre estivemos ligados um ao outro. 
No lado bom e mau da vida, estarei lá para ti, estarás lá para mim, estamos juntos, um para o outro!

28
Jun16

A amizade é a nossa casa.

Carolina Cruz

2.jpg

Eu pressinto que o melhor ainda está para vir, que os desejos que pedimos às estrelas possam por fim acalmar e tornarem-se em sonhos.
Eu sonho, sonho muito, mas a maior realidade do meu sonho é poder viver do mesmo jeito que vivo a sonhar, não há melhor sentimento que esse.
Transformo-me no que sou e no que sempre quis ser e nada mais importa, não importa os que não me quiseram, os que me quiseram deixar para trás e tornarem-me apenas numa memória, é algo que não vale a pena lamentar.
Tenho o que mais quero e descanso tranquilo porque nada me deixa mais feliz que aqueles que eu sei que serão sempre amigos meus, como irmãos, os que valem tudo, os que valerão. 
A amizade é a nossa casa, o amor a nossa união.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D