Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

22
Jun18

[Ficção] Memórias que trago comigo

Carolina Cruz

large.jpg

 

Gosto de me sentar contigo, no pequeno muro do telhado. Dizem que é sob as estrelas que os sonhos se concretizam, por isso cá estou eu. Aqui, sentado, sei que algures nesse longínquo lugar me conheces e todo o universo conspira sobre este amor que vai além-fronteiras, além da terra e do presente. 
Como é possível sentir-te aqui? Tão terra a terra, tão bonita, brilhante, presente. Este sentimento que não cessa, que nos mantém jovem e eternos, como quando dávamos as mãos e corríamos pelas avenidas com uma só canção, a de um para sempre com um sorriso. 
São essas memórias que trago comigo e são essas memórias que correm nas minhas lágrimas sempre que te abraço daqui. 
Partiste, mas em cada pedaço de céu, eu vejo o teu olhar e em cada gesto meu, eu tenho coragem de te abraçar, porque sempre fomos assim – terra e céu, areia e mar – por mais tempo e distância que passe, eu não sei não te amar. 

____________________________

Fonte da fotografia: "we heart it"

01
Jul17

[O teu olhar] O que é o amor?

Carolina Cruz

That Girl Melanie Moreira.JPG

 

Vim buscar-te às minhas memórias.
Vim passear pelos campos onde fui mais corpo que saudade. Onde fui mais pecado que certeza. Mas que importa? Nascemos para marcar a vida um do outro, não para ficarmos juntos.
Nem todas as histórias de amor têm de ter um final feliz.
Eu nem tão pouco sei se era amor.
O que é o amor? Um corpo nu que se apaga entre as cinzas de um casamento morto? Um “quero-te para sempre” nesse amor escondido?
Porquê amor se não cumprimos todas as promessas?
Porquê amor se era proibido? Se era escondido? Vagabundo?
Por que é que o meu corpo se fundiu sobre toda a lezíria estonteante do teu abraço que não perdurou?
Se fosse amor… tu estavas aqui, certo?
Se fosse amor teria resultado.
Não. O amor nem sempre resulta. O amor nem sempre é um mar de rosas. É uma poeira invasiva que nos cega e nos morde os olhos de calor. O amor é uma forma insana de te querer mesmo sem saber quem és ou o que contas.
O amor é não saber porque te amo, é não saber porque ainda guardo estas memórias de ti, se não passaste de uma miragem e de uma sedução que terminou.
Eu fui apenas pele para o teu prazer. Fui corpo para a tua pele sentir. Nada mais que nada. Embora tenhas sido tudo. Para mim, amor. Para mim, fomos enrolados de sorrisos imundos e finitudes capazes de me fazer sonhar.
É amor porque embora não tenha resultado, eu não esqueci.
O meu peito dói como doeu a secura do teu beijo.
Se eu jamais te tivesse amado, eu não permaneceria aqui, à margem de tudo. À tua espera.

 

 

(Fotografia da querida Melanie Moreira, do blog "That Girl", visitem, serão muito bem recebidos!)

17
Jan17

[Ficção] Cansado.

Carolina Cruz

p.jpg

 

 

Estou cansado.
Cansado de ser sempre a tua segunda opção.
Cansado de que mesmo o sendo, queiras que sejas tu a minha primeira. Que dê valor, que te dê toda a atenção do mundo.
Cansei de estar cansado e então não me importo mais. Abandonei esse teu “querer-me” desmedido na tua atenção sem suportares a minha.
Cansei de ser idiota, de me lavar em lágrimas porque sou eu quem ainda assim ama mais e sofre.
Chega. Tu não és o mundo. És egocêntrica. Brilhante sim, mas fluorescente, irritante.
Vou dizer adeus às memórias. Às tuas e às minhas e dizer “olá” àquilo que quero ser, aquilo que nunca serei contigo.

 

 

 

15
Jan17

Arrebatas-me o coração

Carolina Cruz

Amor meu.jpg

 

É essa tua lealdade poderosa de leão que arrebata o meu coração.
É esse teu ar de durão que morre por dentro, de amor e lágrimas de felicidade.
Esse orgulho nos teus olhos quando olham os meus.
Se te perguntassem o nome do amor darias, sem pensar, o meu. Eu, o teu.
O que nos uniu num impasse, hoje é uma certeza infinita.
Quero-te para sempre. Porque são as nossas diferenças que nos unem.
É esse teu abraço que cura tudo. É esse abraço que me beija e que me faz acreditar e viver mais um dia.

 

 

24
Nov16

Há uma saudade

Carolina Cruz

saudade que volta.jpg

 

Há uma saudade que volta ao meu rasgar do sorrir.
Voltei a perder tudo e a guardar memórias como quem guarda vaidade de tempos vividos, de marcar a diferença!
Volta a saudade sempre que penso como fui feliz por cada rua da minha alma, em cada cântico de uma balada, de amargura. Embora me sinta triste, sinto-me ainda mais contente por saber que o vivi!
Não... jamais deixarei partir os meus amigos, que comigo criaram os maiores laços e as melhores certezas, que aconteça o que acontecer, venha a distância que vier, estamos sempre juntos, sempre.
Porque há sempre um tempo assim nas nossas vidas, que vem para nos fazer dar valor a tudo aquilo que temos, traz-nos as melhores pessoas para ficarem connosco e envolve-nos na magia que há em acreditar em um para sempre.
Sim, há saudade! Há nostalgia! Por sonhar e lembrar momentos tão passageiros, que marcaram tanto, que de tão rápidos me ofereceram o melhor de mim, por isso há saudade, mas também há esperança que todo esse viver se repita sempre em cada recanto da minha vida!

 

(fotografia do filme "A culpa é das estrelas")

17
Ago16

[O teu olhar] Caminho das minhas memórias.

Carolina Cruz

18.jpg

 

Passeio no caminho das minhas memórias e nesse passeio eu conto e sei quem sou, a mulher com horizonte longínquo, de um sonho enorme que não cessa.
Amante das minhas origens, rumo ao destino do amanhã que não conheço mas que aceito e que me entrego com fé, sempre em busca de fazer melhor. Ensinar e aprender em cada dia com que escrevo a minha história. Aquela que desejo que fique marcada no caminho da memória de quem me quer bem.

 

Foto da autoria de Carmo Sequeira

14
Ago16

Música leva-nos mais além...

Carolina Cruz

3.jpg

 

A música leva-nos mais além, a sermos capazes de atingir revoluções, de curar almas partidas. A música é um místico de emoções.
Com a música caminhamos mais longe que o nosso percurso comum e vamos muito além dos nossos sonhos.
Basta ouvir uma melodia, refletir sobre um refrão que tudo muda, em nós, pensamos que não estamos sozinhos e seguimos em frente.
Já diziam os Per7ume "a banda sonora da vida revista em meia hora", pois mudam os nossos conhecimentos, mudam as nossas vontades. No entanto, com na vida existirá sempre aquela música, que tal como as memórias, nos desafia a voltar a tempos atrás e nos marca.

23
Jul16

Saudade é a prova

Carolina Cruz

17.jpg

 

 

A saudade é a prova que aquilo que sentimos não está mais ao nosso alcance, não é mais nosso, mas por isso sabemos que valeu a pena.
A saudade implica tudo a que pertencemos, a quem pertencemos e quem queríamos que voltasse. 
O melhor da saudade são as memórias e mesmo que doa, elas vivem em nós e sabemos por isso quanto é bom amar alguém e lutar de novo por bons momentos assim, porque tudo na vida se deve viver com amor.

22
Jul16

[O teu olhar] ar puro

Carolina Cruz

4.jpg

 

Ar puro, não há nada melhor que respirar aquilo que sou, na ninha essência. 
Este caminho onde vagueio traz muito de mim, memórias do que sou, das lembranças que me viram ser alguém, evoluir e ser o que sonhei ser um dia. 
Em mim trago a saudade que canta no peito e tantas histórias que tenho a esperança de um dia serem minhas, pertencentes a esse amor que ainda não tem rosto, mas que eu sei que será eterno, esse amor que completa e respira junto nessa essência que me determina e me faz ser quem sou.

 

Fotografia da autoria de Liliana Pereira 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D