Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

10
Jul17

[O teu olhar] Porto do meu coração

Carolina Cruz

Sara Morais Just Saying.jpg

 

Porto.
Há muito que não te escrevia. E tu sabes porquê, enamoraste-me na paixão pelo teu rio e deixaste o meu amor por ti morrer. Ainda assim eu não sinto rancor, sinto saudade. Saudade de te dizer "estou aqui" e estar realmente de braços abertos para te receber, porque deste-me o maior encanto de todos, o amor-próprio.
É por isso que mesmo depois de tudo, de tanto tempo, eu ainda consiga gostar de ti da mesma forma e recordar o teu sorriso ao nascer do sol.
Essas tuas pontes são a forma de compreender que existirá sempre uma razão para nos unir, mesmo antes de nos separar.
Porto, desculpa não escrevo só para ti, escrevo para um amor perdido, no entanto decidi em escrever-te.
Foste tu o meu remetente porque foi nos braços dele que me perdi mas foi no teu regaço que me encontrei.
Porto, feito de memórias. Porto feito de razão, porto de abrigo, de amor. Porto do meu coração.

 

 

(Adoro o Porto, a Sara sabe disso. Esta fotografia está maravilhosa, é uma das tantas fantásticas que tira. Já seguem o seu blog "Just Saying"? Tratem disso porque vão adorar!)

06
Jul17

[Cinema] Beleza Colateral

Carolina Cruz

17076098_145509949302485_9149530270452416512_n.jpg

 

 
 
 
Há três coisas que os seres humanos têm em comum: o amor, o tempo e a morte.
O que dirias se pudesses escrever-lhes? Sim, ao amor, ao tempo e à morte…
Como te sentirias se deles obtivesses uma resposta?
Howard entra numa depressão após acontecer algo trágico na sua vida e ao escrever a estas três realidades com uma tamanha desilusão, desistindo de todas elas e implorando à morte que lhe leve a sua vida, é confrontado por elas, sendo que estas lhe chamam à razão.
Porque embora estas três coisas que nos ligam sejam difíceis de definir, assim como é difícil viver e vencer na vida depois de nos irmos abaixo, merecemos uma segunda oportunidade, merecemos dar uma nova oportunidade àquilo que somos, mas será que Howard está disposto a isso?
“Beleza colateral” é um filme com um elenco excecional, incluindo Will Smith, Kate Winslet e Edward Norton. É um filme que demonstra que todos carregamos uma história, com desilusões e erros, mas também com alegrias e com uma tamanha beleza. Não nos podemos desligar dessa beleza colateral que existe em cada uma das nossas vidas.
Um filme bonito e realista. Um filme que todos deveriamos assistir.
 

18
Jan17

[Completas-me] com a Simple Girl

Carolina Cruz

A Simple Girl é uma rapariga extraordinária, fala-nos de sentimentos que nos enchem de vida, e como ela tem dito e revê-se no seu nome, o seu blog é uma simplicidade de desabafos, mas tal como ela eu venero a simplicidade das coisas, e tal como ela acredito que é isso que nos faz felizes. O texto que ela partilha connosco hoje expressa um amor que nunca morre: a amizade. Foi um texto que adorei tanto e que completei de forma tão certa, que nem parece escrito a duas mãos. Querem conferir?

 

"A vida nunca é como queremos ou como planeamos, e aquilo que mais queremos só vai acontecer quando menos esperarmos. Mas às vezes também nos acontecem coisas que não esperávamos e que mais valia não terem acontecido. E uma delas foi o sentimento que criei por ti. Não falo da amizade, que é verdadeira entre nós e em que só nós sabemos como lidar um com o outro. Falo sim desse sentimento que nos faz suspirar, ter borboletas na barriga, que nos assola o coração e que se chama “amor”. Não estava nos meus planos nem muito menos esperava que alguém entrasse na minha vida como tu o fizeste: de repente e apanhando-me completamente desprevenida.
Há coisas que não conseguimos entender e há coisas que não conseguimos explicar. E uma dessas coisas é o amor que sinto por ti, que apareceu do nada, sem eu querer e sem estar minimamente preparada. Ninguém sabe o quanto sofri sozinha ao esconder este sentimento de toda a gente. E porquê? Porque não consigo entender porque é que me apaixonei por ti sabendo de antemão que nunca passaríamos de amizade, porque não consigo explicar o quanto gosto de ti sabendo que não posso gostar desta forma, não além de amigo. Não consigo explicar a ninguém (e não tinha que o fazer) nem entender o como e o porquê de termos a intimidade e a cumplicidade que temos. Nem a mim própria consigo explicar como é que tudo isto aconteceu, como me deixei apaixonar por ti sabendo que isso não podia acontecer.
Mas é sabido que “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades” e graças a esse amigo de todas as horas, o tempo, consegui começar a desapegar-me de ti. Não de uma forma total, mas aos poucos, com calma e gradualmente. Tu que entravas sempre pelo meu pensamento quando não devias agora já não entras tantas vezes. Tu que fazias o meu coração acelerar cada vez que te via, que me aproximava de ti, ou quando simplesmente recebia uma mensagem tua, agora já não o fazes tantas vezes como antes. Talvez tudo isto se deva mesmo ao tempo que cura tudo, ou à distância que nos separa fisicamente pois diz o ditado que "o que os olhos não veem, o coração não sente".
Quando me disseste que não sentias o mesmo que eu, podia ter ficado profundamente afectada. Mas não. Claro que fiquei triste por uns momentos, mas depois recuperei porque independentemente disso tens cumprido a promessa que me fizeste e nada mudou na nossa amizade. Segui em frente e apesar de tudo estou-te muito agradecida por..."

 

completas-me Simple Girl.jpg

 

Acreditares que posso seguir em frente, contigo a meu lado. Que embora não seja tua namorada, possa continuar ser a tua melhor amiga.
Eu sei e sei bem, que o tempo curou tudo, mas não sei se é apenas acomodação ao saber o que sentes por mim, porque, na verdade, eu questionei-me muitas vezes se a indiferença do meu pensamento em ti esmorecerá quando tu encontrares alguém e se o fizeres antes de mim.
Há uma parte de mim que dirá que ficarei feliz por ti, que vou querer conhecê-la, que quero que ela te faça muito feliz, porque bem mereces. No entanto, a outra parte, essa parte que o meu coração omite, talvez terá ciúmes, talvez quererá estar no lugar dessa rapariga, talvez chore, talvez sorria para esconder essa mesma tristeza.
Até lá não quero pensar, nem em ti, nem em ninguém, quero esperar que o tempo, esse mesmo que me tem curado, me faça encontrar alguém que possa retribuir esse amor que sentira (que talvez ainda sinta), aquele que nos faz levantar de manhã e agradecer não existir mais ninguém. Talvez quem sabe o destino não nos troque as voltas e nos diga que fomos feitos um para o outro, e se assim for estará escrito, se não for não tinha de acontecer. Disso não tenho certezas, porque só há uma certeza que tenho na vida, ter-te é a minha condição de liberdade e em ter-te, ainda que nesta cumplicidade de apenas amigos, eu sou feliz. Tenho a certeza que essa felicidade nunca terminará, que a nossa amizade será para sempre, venha o que vier.

14
Out16

Vida malvada

Carolina Cruz

15.jpg

 

Vida malvada encaro-te de cara lavada, de sorriso no rosto.
Pensas que me passas a perna mas eu vou ser mais forte e espero que com isto as minhas palavras se tornem em ações.
Costuma-se a dizer que aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes, espero que ao te encarar eu cresça e perceba a não dar tanto de mim a quem não me merece, a pôr o coração de lado para não sofrer mais ainda do que aquilo que sei que sofro.
É a insatisfação em mim que me faz procurar todos os porquês, de todas as certezas que tenho de que não mereço o pouco que me dão.
Quero com isto fazer-me acreditar que algo ou alguém irá compensar-me por tudo o que falhou, por toda a indiferença.
Vida malvada sempre sabes como me ensinar mas eu pareço não entender tudo o que preciso de ver e tu fazes-me olhar com dor para todo o meu passado feliz que não valeu a pena, só apenas para mim.
Vida malvada dá-me uma razão para te encarar de frente, para ter uma oportunidade que seja para feliz, dizes que há uma razão para tudo, até para a indiferença?
No erro está o crescimento, na dor a realidade de que mais facadas virão para me dares e que seja com um sorriso que eu te viva, vida malvada.

02
Jul16

Dá-me a mão.

Carolina Cruz

1. p.jpg

 

Dá-me a mão. Respiro fundo, fecho os olhos, agradeço por te ter. Quando penso, sorrio, tantos anos, tão completos como um puzzle que encaixa na perfeição.
Eu sou o teu coração, tu és a minha razão.
Eu sou o doce que te afasta da arrogância amarga da vida e tu és a palavra que me guia quando a dor que sinto é por amar demais.
Será que é difícil perceber que te quero a meu lado toda a vida? Que não há forma de viver sem ti? És o pedaço que faltava em mim como eu sou o que faltava em ti.
Nesse abraço que é o amor envolvemos os nossos corações sentidos e dizemos sim ao que virá, entrelaçados neste mundo à parte que somos nós.
O amanhã será mais um dia, para morarmos num beijo e habitarmos nessa saudade própria e genuína de pertencermos um ao outro, para sempre.

19
Abr16

Mais ninguém

Carolina Cruz

10521328_10154527887400647_4914666602967647322_n.j

Sabes o que é o amor? Dizerem-me que não está certo e mesmo assim eu querer voltar, querer seguir em frente a teu lado, o amor é tentar de todas as formas e tentar querer mais até ao fim do fim.
Não há certo ou não certo no amor, a verdade é que se deve amar sem medida, criando memórias que constroem o que somos.
Eu lutei por ti, uma vida inteira, uma certeza absoluta é que te amei por todas essas vezes em que lutei por ti, senão jamais o teria feito e tinha seguido com a minha vida para a frente sem querer saber se eras ou não feliz, se eras ou não meu.
Houve um tempo em que desisti de tudo, não gostava que falassem de nós, mas sei que ninguém tem nada a ver com isso, cada um traz consigo uma razão, uma motivação e eu tinha a minha certeza: amar-te. Eu sei que tu um dia me irias compreender nessa forma de amor desmedida, então aí, ambos decidimos que nada mais importa, senão o que somos, e se assim o é, então será para sempre.
A nossa história só nós a escrevemos, mais ninguém.

09
Abr16

O que é nosso, sempre permanece!

Carolina Cruz

12.jpg

 

Corri todos os lugares em busca do meu lar. 
Ao buscá-lo percebi que a perfeição não existe e que nada ou ninguém é perfeito. 
Entendi que o melhor era deixar de buscar algo ou insistir demais quando as coisas não são como devem ser, quando o sentimento não é mútuo ou nem faz sentido.
Percebi que o melhor é deixar andar e lutar por aquilo que nos faz sentir bem, lutar por aquilo que realmente nos faz felizes e por aquilo que desejamos e que sabemos que é ímpar, leal e verdadeiro. 
Não podemos implorar a ninguém amizade ou amor, não podemos dizer ou querer que as coisas nasçam ou existam sem uma razão, porque quando não é, não tinha de ser. 
O que é nosso, sempre será, o que é verdadeiro sempre permanece.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D