Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

10
Fev17

COME ON!

Carolina Cruz

oo (5).jpg

 

Desafia os teus sentidos. Aprimora os teus sabores. Sorri. Grita. Colabora com o mundo. Corre riscos. De que te vale viveres se não fores um bom vivã? Se não aproveitares o que nela há de melhor?
A vida vivida a sério está fora da tua zona de conforto, está na hora em que arriscas ter medo, em que contornas obstáculos e sacodes a poeira do teu caminho.
E esse caminho pode não ser o mais fácil, mas é por isso o melhor, aquele que te fará contar histórias de um sábio valente porque se não tiveres medo então não é coragem.
E se não viveres com coragem, mas sim com medo do amanhã, nunca serás feliz.
O segredo é viver o aqui e o agora, sem deixar que a vida passe por ti enquanto vês os programas de um domingo à tarde ou a novela da noite. Não. A vida é cada pedra no caminho em que tropeças, em que vês o nascer do dia sobre a estrada que percorres, é arriscar mudar de rumo, amar uma rosa e picares-te nos seus espinhos. É abrires fronteiras ao mundo, deixar que sejas tu a contar cada pedaço da tua história de vida, não os outros, nem precisares tu de falar desses outros.
Porque a vida é para viver ao minuto, porque ela passa e é num segundo.
Por isso, COME ON!

 

 

10
Nov16

Amar é muito mais

Carolina Cruz

10446511_515961775277719_3218335180254690611_n.jpg

 

Amar é muito mais que querer ou desejar. Ainda assim se contempla tais atos no amor. Por isso se amar é também desejar então em ti eu quero o mundo, o melhor do mundo. És a verdadeira realidade da integra felicidade do meu ser que se amassa neste abraço que nos completa sem fim.
Que este jovem sabor não esmoreça neste mar que nos embarca e nos faz partir sempre com a consciência que damos o nosso melhor a cada um de nós. E este sentir precisa de ser trabalhado, moldado e criado como se fosse para sempre, só assim há esperança, só assim existe amor.

27
Out16

Sabor leve

Carolina Cruz

02.jpg

 

Dancei sobre o ar, respirando um sabor leve, chamado amor.
Vivi de um sonho e deixei-me levar pela raiz dos meus pensamentos, pelo impulso das minhas ações e deixei que o destino respondesse por mim.
Sem dar conta o meu sorriso falava com o coração e a alma expressava tudo aquilo que os olhos viam. A realidade dos teus encantos deixaram meus desejos derretidos que inspiravam a um novo fim, uma história de amor contada sem ferir sentimentos.
Todo o espaço era nosso, a rua, as luzes, o luar e no meio de toda a confusão nascia o silêncio, aquele que dissera tudo.

08
Out16

Na corda bamba

Carolina Cruz

65 (com veronica).jpg

 

Na corda bamba ou em equilíbrio, ele seguiu o seu caminho. 
Era tempo de seguir em frente, tomar conta dos seus sonhos e aprender novamente a ser feliz. Assim percebeu que, ser feliz é seguir os seus passos através do olhar do seu coração. 
Finalmente olhou-a nos olhos e encontrou tudo aquilo que sempre quis, um abrigo no seu olhar, meigo, cor de chocolate. 
Na sua emoção, com sabor de chocolate, procurou a doçura quente da vida. Desde que a conheceu a sua vida tornou-se uma dança que parecia não ter fim, entre passos de glória e em jeito de quem ama o amor. A entrega era total… Só o amor era o verdadeiro do seu destino. Foi também ele que o escreveu, pois nada aconteceria sem ele e sem ela, que se amam tão puramente como a sede da água, límpida. 
A água refletiu a sua procura como um espelho que diz que o tempo tudo cura, precisamos de encontrar o canto do coração e saber o que fala, porque seja qual fora a canção que cante, sempre nos leva de volta ao amor, sempre.

 

[Este texto foi feito em parceria com a Verónica Pedro, autora deste olhar]

09
Jul16

Nas margens do rio

Carolina Cruz

20.jpg

 

Queria sentar-me de novo aqui, nas margens daquele rio, apreciar toda a sua liberdade que canta.
Como gostava de poder ser tão livre como tudo o que nele corre, toda a sua calma, tranquilidade. As lágrimas escorrem-me pelo rosto com um sabor a frustração desgastante que me remói e me apaga.
Queria-te do meu lado, para veres os meus dias passarem contigo, aí sim, eles seriam mais completos e fariam ainda um maior sentido, mas que posso eu fazer? Queria-te roubar e não te perder nunca mais. Quanto falta para te ter comigo para sempre? Agarrar-te e não te deixar ir, não preciso dizer que tenho saudades, era uma fútil expressão de sentimento que se torna a cada dia que passa mais forte.
Longe, vejo o longe passar a meu lado, e o sorriso esboça numa metamorfose inquieta, só aqui não há um custo, só a natureza não nos pesa, não nos pede um custo de vida, mas sim implora-nos para viver.
 
 

 

10
Fev16

Despedir-me de ti

Carolina Cruz

15.jpg

 

Despedir-me de ti, dizendo-te adeus é desejar ver-te de novo, no minuto seguinte.
É querer beijar-te de novo, como se te reencontrasse, depois de tanto tempo e na verdade nem isso. 
A verdade é que quando me despeço de ti, desejo não fazê-lo, preferia agarrar-te, levar-te comigo e deixar que vivesses todos os minutos a meu lado, parecendo ou não egoísmo, eu chamo-lhe amor.
Amor feito da mais pura das realidades, com alma, com sentidos, com sabedoria e sabor, com momentos e felicidade que eu quero encontrar sempre, em ti, em nós.

 

(Photo: Dear John movie)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D