Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gesto, Olhar e Sorriso

Palavras que têm vida.

26
Fev19

[Ficção] Desculpa, meu amor

Carolina Cruz

51710874_616807665436073_6011243717904564224_n.jpg

 

Desculpa, meu amor.
Todas as noites mal dormidas que te dei…
Todos os pedaços imaturos da minha essência e também da minha ausência.
Não soube o que era amar até perder. O ser humano é mesmo assim, não é?
Antes de partir nunca dá valor.
E eu fui embora e deixei-te aí, ao abrigo de lágrimas, sem entender que não foi certo o que fiz, que merecias mais e melhor.
Ainda guardo uma fotografia nossa e quando olho para o teu sorriso não me consigo perdoar. Quem é que eu queria enganar? Não sei viver sem ti, mas agora vivo com esse castigo por te ter feito sofrer. É (tão) bem feito, pelo menos aprendi.
Depois de um ano espero que recordes o que de melhor ficou e que encontres noutro coração o sossego que mereces. Que sejas feliz e amada, como eu nunca te soube amar! Mas nunca duvides que o que sinto, não vou esquecer nunca mais, deixaste marca em mim para sempre.
 
 
 
 
13
Fev19

[Ficção] O que estás a fazer?

Carolina Cruz

Sad-Wallpapers-HD-Free-Download.jpg

 

O que estás a fazer?
Não consigo perceber… que lugar é este?
Então mas não íamos de férias todos juntos?
Estás diferente desde que a conheceste…
Choro, mas tu não me ouves.
Falo-te, imploro, mas tu não me entendes.
Expulsas-me do carro, dói-me o corpo e a alma, e ainda dizem que nós não sentimos, não pensamos.
Eu é que não te consigo compreender, sempre fui teu companheiro, leal… Quando vivias na amargura era eu que te ouvia desabafar, que te lambia as lágrimas, as feridas que te permaneciam no peito e te fazia sorrir, pelo menos era o que dizias: «Só tu Like, só tu para me fazeres rir nestas alturas».
Estou velho, é isso?
Só consigo perceber que estou num beco escuro, perdido. Sou mais um cão de rua e tu um homem horrível a quem dei o meu amor e me abandonaste.
O que te fiz eu? 
Hás-de querer-me de volta e chorar como choro eu agora. 
Choro à procura de uma casa, de um coração cheio que me possa dar amor verdadeiro, o qual tu não me soubeste dar.
04
Fev19

[Ficção] Salvador, sê feliz.

Carolina Cruz

51206932_606724219777751_7119441092403003392_n.jpg

 

Como é que eu consegui ser tão estúpida? Achava que ia ter-te para sempre. Corrompi tudo o que éramos e cerquei-me na ideia de que, acontecesse o que acontecesse, tu serias sempre meu e eu sempre tua. 
Como tens razão, Salvador, “só pensei em mim”. Como pude eu ser tão visível para os outros e escondida no teu coração? Nas minhas atitudes incorretas para contigo, não fui fiel, não te dei ouvidos. Achava que tudo era demasiado esgotante, os dias em que ficávamos em casa, os dias em que éramos só nós dois, e eu não percebi que isso fazia parte quando se ama alguém… Mas sabes?... Agora que penso que perdi tudo isso, dói-me a alma, de culpa, de desgosto. Pudesse eu voltar atrás, pois tenho a certeza absoluta que não encontrarei alguém como tu, tão certo, tão doce, tão bom, que me ame de coração como tu fizeste. 
Nunca me vou perdoar, isso é uma certeza e que, embora saiba que o mal já esteja feito, quero que pedir-te que sejas feliz, que na dor te lembres que eu jamais mereci a pessoa que eras e que encontrarás alguém que brilhará ao ver-te. Os meus olhos irão sempre chorar, mas não quero pedir que voltes, quero que completes esse pedaço meu que te falta, com ela. 
Sê feliz.
 
 
 
09
Dez18

Recordar sempre o melhor

Carolina Cruz

8ba50fce97851485fa18868d915d7b2e.jpg

 

Quando alguém parte da nossa vida, intencionalmente ou não, devemos recordá-la no melhor do que em nós existiu. Eu sei que é complicado, especialmente porque, quando isso acontece, quando a tristeza nos envolve o mais certo é reagirmos de cabeça quente.
É difícil, eu sei. É difícil porque muitas pessoas saem da nossa vida de forma traiçoeira, magoam-nos, afastam-se sem razão, desistem de nós.
Porém, ignorar a partida e seguir em frente é o melhor, para nós, para a nossa sanidade mental. Devemos acreditar que essa pessoa, de forma positiva ou negativa, entrou nas nossas vidas por uma razão. E devemos recordar-nos disso.
Há erros imperdoáveis, há. Há erros que nos magoam, que não perdoamos na altura, mas existem outros que são erros do dia-a-dia, que por vezes nem damos por eles, a correria diária leva-nos a que não demos tanta atenção a quem amamos, aos detalhes. 
Aprendi com a vida que todos erramos e todos magoamos, mesmo sem intenção, aqueles que amamos. Por isso, também acredito solenemente que, até certo ponto, todos merecemos oportunidades. 
Aprendi que perdoar e abraçar os nossos valores é a melhor forma de seguir em frente a melhor forma de sermos nós mesmos e, sobretudo, felizes!

 

21
Jun18

Porquê?

Carolina Cruz

solidao (1).jpg

 

Porque é que as pessoas não se lembram simplesmente de serem felizes?
Porque é que é mais fácil guardarem raiva que amor? Mais ódio que compaixão?
Porque é que há gente que só gosta de ver os outros sofrer, porquê? 
Porque é que elas pertencem a este mundo?
Não, desta vez não vou baixar os olhos para o chão, desta vez não vou ficar triste, desta vez não vou dizer não a mim mesmo. CHEGA! BASTA!
Porque tenho eu de sofrer nas mãos de alguém?
Não, desta vez não me rebaixam, sou forte o suficiente para mostrar que a diferença de opiniões, de formas de ser, de estar, é o que faz o mundo girar, que não tenho de ter vergonha de ser como sou. Cada ser é um ser especial e essas pessoas que nos maltratam deviam procurar em si essa ficha sentimental, esse lugar mais bonito: o coração. Em vez de nos magoarem, achando-se superiores, achando que tudo tem mais cor porque os meus olhos as vêm brilhar. Cada um brilha à sua maneira, cada um é melhor a fazer diferentes coisas, porque tenho eu de ser subjugado a esta forma de me sentir mal? 
Quando tento que essas pessoas olhem no seu coração, é porque ainda acredito que há algo de bonito nelas, porque sou eu tão inocente? Porque vejo nos olhos de cada um, uma possível história de se ser melhor… É assim que vejo o mundo, estarei errado?

 

 
03
Mai18

[Ficção] Não mudas

Carolina Cruz

actress-beautiful-black-and-white-city-of-bones-Fa

 

Nunca fui a tua primeira opção, em nada. Porque seria agora? Para que é que teimo ainda em ligar e magoar-me a mim própria?
Não há em ti aquela vontade imensa, aquela partilha necessária em me teres contigo.
Há sempre outras prioridades, em amares mais as coisas que realmente achas que te dizem respeito e eu gostava tanto que demonstrasses mais o carinho que acho que ainda tens por mim.
Continuo a dizer-te a mesma coisa: que são as nossas ações que geram outras ações. Tu sabes disso, mas não mudas.
Continuas a implicar, de mansinho, sem as pessoas perceberem, para que, em tudo o que faças possas ficar por cima, mesmo que não demonstres, mesmo que para isso me tenhas de magoar, e de me inferiorizar.
Eu não sou ninguém a menos que tu, não sou. E não penses, contente, que acho isso por me desrespeitares. Não. Nada disso. Apenas me sinto triste por ainda te amar tanto e continuar a ver que, em ti, não há aquela exaltação de me teres por perto, de partilhares momentos comigo como eu teria todo o prazer em partilhar contigo. Não vejo o sorriso interessado como quando falas com os teus amigos, a forma estupenda e alegre como vibras quando assistes futebol e a tua equipa ganha.
Tu não vês que eu estou aqui. Sei que posso ter cometido alguns erros e sabes que nenhuma das minhas palavras entaladas ficaram por dizer, nunca disse aos outros de forma triste, o que nunca te apontei na cara. Eu estou de consciência limpa quando sempre demonstrei interesse em querer-te.
Eu estou de consciência tranquila sim, mas acredita que dói demais preferires estares de costas voltadas do que seres a minha equipa, o meu lugar terra-a-terra e o meu abraço. Dói demais sabes? E digo-te mais, não há nada material ou mensagens que possas escrever que compram o meu coração magoado. Eu só queria que olhássemos no mesmo sentido, que inventássemos histórias e construísses sorrisos comigo, verdadeiros, para podermos juntos ter memórias para contar.
Sem nada não se criam memórias, por isso vou em busca delas. Se eu não serei nunca a tua primeira opção, nem a segunda… então partirei e o meu coração mudará.

30
Nov17

[Ficção] Não queiras saber de mim

Carolina Cruz

corte-curto-assimetrico-eh-uma-das-tendencias-para

 

Não queiras saber de mim. Não venhas agora com desculpas, com perdões ou certezas.
Esquece. Aliás, esquece-me.
Há coisas que o meu coração mole aprendeu a não perdoar. Ele não ficou frio, apenas se cansou de se aquecer ou vibrar pelas pessoas que são constantemente indiferentes para com ele. 
Acabou o coração que vive para todos, incluindo os ingratos. Acabou a alma que abraça ainda que magoada. Não dá mais. 
Não queiras saber de mim, porque vens agora, que estás só, sem mais ninguém.
Podes dizer à vontade que mudei, não vou interessar-me pelo que tu pensas, não tenho tempo para isso. 
Mudei sim, mudei e sinto-me bem com isso, estou mais calma, importo-me mais comigo mesma, estou em primeiro lugar na minha vida.
Pergunto-me a mim mesma: Queres sofrer por quem não merece? 
Nada disso. 
Quero amar, amar-me, sentir a vida. Sorrir, sorrir muito, sorrisos mil
Tu não mo permitias, contigo já não me conhecia, e é nos ombros de um amigo que devemos ser tudo, inteiramente. E se não me recebes como sou, se só queres a minha companhia quando estás só. Esquece, esquece-me.
Não queiras saber de mim, que eu já esqueci, esqueci-te, já não quero saber de ti.

20
Nov17

[Ficção] Quem me ama pela metade

Carolina Cruz

flores-indie-vintage-Favim.com-3214466.jpg

 

Choro.
Deixo que o meu corpo chore o teu, que ainda vivo permanece morto em mim, seco, rasco, sem cor, sem vida.
Não sou, não és e nada somos. Obrigamo-nos um ao outro a querer ser esse abrigo que já não existe.
Cansámo-nos de fazer as pazes, habituámo-nos a esta repulsa, a este amor que não tem toque nem sensatez.
Choro…
Porque quero ser livre e ainda assim não quero perder-te.
Choro…
Porque esse sorriso ainda me fere o peito, porque não dói, traz-me paz. Já não vivo sem esse sorriso, ainda que morra por saudades de ele me beijar.
A verdade é que ainda que recuse dizê-lo, não vivo sem ti, mesmo que esse corpo ainda que novo esteja velho e cansado de me amar.
Porra de mim, que ama de coração inteiro. 
Porra de mim, que te abraça sem te tocar.
E que ama mesmo quem me ama pela metade.

01
Set17

[Ficção] Sinto-me...

Carolina Cruz

brooklyn_feature-770x472.jpg

 

Sinto-me sem ti. E sem ti sinto-me sozinha. Desamparada. Não sei ser sem ti. Lembraste de eu te dizer isto?
Os meus olhos não mentiam, não sei existir sem o teu beijo.
Fazes-me falta como uma ferida aberta, como uma noite mal dormida a multiplicar por dois ou três anos de vida.
Fazes-me falta e não quero dizer-to e ainda assim to digo.
Faltam-me as gargalhadas que o tempo levou, faltam as confidências que os segredos revelados fizeram perder.
Falta-me o teu corpo na minha cama, o teu sorriso debaixo dos meus lençóis. 
A tua ausência deixa-me ausente da vontade, da vontade de querer viver, custa-me respirar, custa imaginar a dares a mão a outra rapariga que não eu, a voltares-te a apaixonar e não ser por mim.
Desculpa, por favor. 
Fazes-me falta.
Desculpa, se não compreendi. 
Desculpa, se os ciúmes falaram mais alto. Eu não diria que sou ciumenta hoje, mas fui contigo, com o tamanho medo que tinha de te perder… e de que valeu? Perdi-te na mesma.
Eras o melhor de mim e sem ti não sou boa em nada. 
Prefiro perder-me por aí, do que não te encontrar a meu lado.
A roupa manchada das minhas lágrimas, a cabeça que não para de pensar, o corpo que emagrece, a alma que entristece, a vida que não cabe em mim e não me habita. 
Fui feliz ao ter-te, já não serei mais, pois não ser sem ti.
 
 

 

14
Ago17

[Ficção] Já não és quem foste.

Carolina Cruz

20638607_755362858004275_3988553425473332006_n.jpg

 

Digo-te e não minto, apaixonei-me por ti, na hora em que te conheci, vieste com um olhar terno e um jeito acolhedor. Tínhamos onze anos e marcaste-me para sempre. 
Foste tu que roubaste o meu primeiro beijo aos treze e levaste o meu coração aos quinze quando partiste. 
Hoje aos vinte voltaste e eu ainda estou apaixonada pela pessoa que foste. Acredita que me arrependo por te amar, porque tornaste-te num erro na minha vida, mudaste tanto... O teu sorriso virou mania e o teu jeito é de um Casa Nova disfarçado de Don Juan. 
Ainda gravo o teu beijo no meu corpo, mas a mim não me enganas mais. Passas por mim não me conheces, quando outrora disseste ser eu a tua melhor amiga. Fui para ti apenas mais uma do teu historial aborrecido, sou passado e não te marquei, são um pão sem sal e não uma experiência para te gabares. 
Ainda assim eu amei-te. Ainda assim eu ainda amo o teu sorriso! 
Como é que o amor pode ser tão impuro? Tão infeliz... 
Já não és quem foste, nunca mais serás, ficam as memórias e os caminhos apagados do que nunca nos tornámos.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D